Dirigindo em Miami



"Driving slow on sunday morning..."

O maior problema que você poderá encontrar é inabilitar totalmente sua perna esquerda na hora de dirigir. Como são movimentos que já estão no comando 'automático' de vez em quando você fica ali perdido com uma perna sobrando e sem saber o que fazer. Fora isso, é só ter cuidado com as leis básicas do trânsito local e saber dominar o GPS.

Poucos carros vão ter a chave tradicional, no painel fica a “nova chave” que é tipo um pendrive (sem entrada USB) que deve ser colocado num buraquinho do lado do volante, com ele lá dentro, pise no freio e aperte o botão “start”. E o carro liga como se fosse mágica, se quiser pode até tirar o “pen drive” e guardar na bolsa. Ai que tecnologia linda de viver!

Antes de sair, encima do retrovisor tem uma caixa com uma alavanca que precisa ser ligada. Ali funciona o pedágio. Praticamente todas as autopistas de Miami possuem pedágio e em sua maioria não adotam mais o estilo tradicional de guichês e moedas caindo na cuia. Agora são apenas câmeras encima da pista que debitam no automático o pedágio de todos os carros. Por isso é importante estar com seu dispositivo ligado o tempo todo durante a permanência com o carro. Essa conta vem na sua fatura do próximo mês cobrado já em real. Não se preocupe que não é grande coisa, rodando enlouquecidamente um mês pela cidade, pagamos apenas R$ 184,41.

As regras mais básicas que tenho a passar sobre a direção em Miami são:

  • Pare o carro independentemente de qualquer coisa (com ou sem carro vindo) em TODAS as placas de Stop. Isso é motivo de muitas e muitas multas.
  • É permitido virar à direita mesmo quando o sinal estiver fechado. Claro que se der para seguir.
  • Já implantaram radares em alguns semáforos, então sempre pare no sinal amarelo.
  • Se passar por semáforos intermitentes (piscando amarelo) a preferência do cruzamento é sua.
  • Nas grandes rodovias, highways, a pista é divinamente perfeita. Para evitar os cochilos dos motoristas, nas laterais (pouco antes do acostamento) existem ondulações que se o carro passar vai fazer um barulho alto o bastante para acordar até a Aurora (Bela Adormecida).
  • Dirigir por longas distâncias pode ser meio chato/monótono. Não existem curvas e as pistas são perfeitas. Tome cuidado com os cochilos, dormência no pé direito ou distração (para quem dirige com piloto automático). Se quiser eu empresto minha tia que fez meu ouvido chegar em Orlando saindo fumaça.
  • Fique de olho nas saídas, são todas numeradas e se você errar vai dar algumas voltas, além de escutar seu GPS pirando e dizendo: “recalculando”.
  • Em Miami existem muitos, muitos e vários viadutos dos tamanhos mais astronômicos. Muita atenção nas saídas e placas (sempre confie nas placas).
  • Se informe sobre os horários dos engarrafamentos, eles são inacreditáveis, mesmo naquelas pistas de tantas faixas.
  • Preste atenção e tente seguir sempre na pista central, existem saídas às esquerdas e direitas. E às vezes existem faixas que te obrigarão a pegar algumas saídas lá na frente (para ajudar siga as placas e o GPS).
  • Não exagere na velocidade, e se “do nada” os outros carros diminuírem, diminua também porque pode ser um carro da polícia na frente. Aliás, eles surgem do nada (meu primo diz que brotam da grama) principalmente para multar carros em alta velocidade ou que não pararam no “stop”.

Para abastecer é meio chato. Para quem tem preguiça de parar no posto e abastecer aqui no Brasil (eu), abastecer lá é uma pedra no sapato. Eu, aqui, evito sair para que não acabe a gasolina e eu tenha que ir no posto, posto esse que tem a maquininha de cartão que vai até a minha janela. Pois lá nos EUA, seja a hora que for e com o clima que for, todos fazem o bico de frentista. Pare na bomba, vá até a conveniência e peça para encher a bomba número tal (a que está seu carro). Hoje, você precisa já deixar uma grana que acha ser necessária para o seu abastecimento. Se der menos, depois é só ir lá pegar o troco, de ser mais, tem que ir lá dá a diferença. Que sacola!


Mas não se preocupe, se fizer algo errado, entrar na pista errada ou perder a saída, o máximo que pode acontecer é conhecer bairros novos e escutar um “recalculando” do seu GPS. Ele vai te tirar dali. Vai procurar uma rota alternativa para te levar ao destino marcado. A dica é não chamar muita atenção. Não me inventa essa história de fazer "gatos". Estilo low profile, por favor!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zoo Luján de Buenos Aires: a pior coisa para se fazer na vida

Balada em Punta del Este, no Uruguai

Balada em Cartagena de Índias, na Colômbia