quarta-feira, 28 de março de 2012

Hospedagem: Surfistas de Sofás



Marcar uma viagem significa organizar e planejar uma logística imensa (não necessariamente complicada) desde a sua preparação para sair de casa até a volta do aeroporto. Coisas básicas que todo mundo já entendeu que deve fazer ou pagar para fazerem. Minha experiência diz que ao redor de toda uma viagem à estruturar, a hospedagem não é uma das tarefas mais difíceis.

Isso porque depois de você checar toda sua agenda telefônica, mais a dos amigos e parentes, em busca de um lar-doce-lar disposto a te abrigar, é só se jogar no Google e ver o que mais te atende em relação a preço, localização, alojamento, forma de pagamento e etc.

Hoje graças a um amigo querido fiquei sabendo de uma comunidade, a priori, bem interessante: os Couch Surfers. Resumindo é uma comunidade mundial da internet onde as pessoas disponibilizam os aconchegantes, ou não, sofás de casa por algum tempo a algum viajante de alguma parte do mundo. Tecnicamente é uma forma bem econômica de viajar mesmo quando as condições monetárias não são das melhores (my case). Todos - hóspede e anfitrião - se cadastram gratuitamente no site (www.couchsurfing.org) que já abrange por volta de 230 países, e como eles mesmo dizem, até a Antárdida!

Alguns testes de confiabilidade são feitos com todos os registrados para que seja garantido o mínimo de segurança. É mais uma forma de fazer intercâmbio, com uma relação direta entre as partes, e que é numa amplitude mais baixa, uma boa forma de conhecer novas pessoas. Eu achei bacana a ideia, me aproveitar dela é o que começa a passar na minha mente...vamos ver o que minha prima vai achar disso.


quarta-feira, 21 de março de 2012

Timidez

"but you play it coy, but it's kind of cute..."



Muita gente tem dificuldade de encarar uma viagem (principalmente para o exterior) sozinho ou com a cia do próprio mp10. Eu confesso que sempre fui uma pessoa muito dependente, claro que o tempo e a vida foram me mudando, tanto que já sou capaz de ir à feira com a minha mãe, gostar de algum produto e ter coragem de perguntar o preço.

Além desse meu perfil meio dependente, somam-se ao meu caso a timidez e a miopia. É difícil de acreditar que hoje eu tenha completado a faculdade. A notícia boa é que essas coisas mudam, não drasticamente, mas para um nível social de sobrevivência e pessoal de existência. Pessoas muito fechadas, tímidas e “covardes” temem viagens solitárias.

A primeira coisa que penso é que a viagem pode servir como ajuda, se esse for o teu caso. Porém, eu não indicaria uma viagem absolutamente sozinho. Pra isso servem os amigos (fora os virtuais) e as agências de viagens.

Eu admiro a praticidade de uma excursão com tudo planejado e mastigado na mão...se você demorar para descer para o desjejum, alguém certamente vai lembrar de você. Pra quem é meio carente do pedaço, isso é bom. Eu não gosto muito dessa conversa de ter que aguentar um ser humano me apressando para ir embora de um lugar legal, me dando 4 minutos pra ir ao banheiro...sem falar naquele povo sem noção avoado tonho que sempre perde o horário marcado no ponto de encontro. Eu gosto de ser livre, acordar quando eu quiser e fazer tudo que minhas pernas sempre (não) aguentam.

Mas as excursões são ótimas oportunidades de realizar seus sonhos, mesmo você sendo um tri-esquisito. Fazer amizades vai ser fácil demais (quase sem querer) e você não vai precisar falar nada com ninguém (se não for necessário para você). É só seguir o bando e fazer gestos para alguém bater seu retrato.

Eu sou um caso vivo de evolução. A solução da minha miopia são as lentes de contato (mudaram radicamente minha vida em todos os sentidos), para a timidez (adotei a técnica de olhar e falar com segurança junto com a anulação do complexo de egocentrismo – parei para observar que o mundo não está prestando atenção em mim). O caso da dependência, já melhorei bastante mas ainda tenho resquícios tanto que ainda não senti vontade de fazer alguma viagem só com a minha sombra. Preciso de alguém para “cuidar” de mim, até meu gato serve numa ida à padaria.  


sexta-feira, 2 de março de 2012

Salvando a Lua-de-mel...

"Na facilidade e na dificuldade..."

Dessa vez vou escrever sobre um assunto que é inédito no blog e na minha vida: lua-de-mel. Fui procurada por algumas pessoas que queriam muito ler algo sobre as viagens pós-nupciais, com foco basicamente no quesito dinheiro. Eu tenho pensado muito no assunto para não escrever muita abobrinha e perder o foco, apesar de esse tema ser novidade também para a minha pessoa.

Eu acredito que deva ser uma tarefa extremamente complicada se você não estiver casando com Rafael Nadal, porque haja dinheiro para organizar uma festa (com o mínimo de decência), construir/comprar uma casa e ainda colocar todos os recheios nessa casa. Parando para pensar, a viagem (coitadinha) fica bem prejudicada na lista de prioridades da noiva, quer dizer, do casal. Fora aquelas mulheres que, de repente, dêem mais importância à viagem, a grande maioria dispende mais money na festa, na casa ou em doces.

Então vou tirar o foco dos casais que valorizam acima de tudo a viagem de lua-de-mel e dedicar o texto aos que vão ter que dividir a poupança entre a festa, a casa e a viagem. Pessoas que precisam de uma solução econômica para não deixar a primeira noite oficial acontecer num apartamento cheio de caixas ou na casa dos pais junto com mais 30 primos que vieram de fora.

Antes de pensar qualquer coisa, é bom o casal conversar para saber se algum dos dois tem um sonho de ir para algum canto, e depois disso ver se será viável. Se for, ótimo! Problema resolvido! Se não for, aí é bom ver opções similares ou descobrir uma nova. Leve também em consideração o período do ano em que a viagem se dará (verão, inverno, baixa ou alta temporada...etc).

Basicamente é bom definir o estilo de destino que mais funciona para o casal. Não adianta a noiva ser fissurada por Disney, e decidir levar o marido para lá sendo que ele já tem mais de 25 anos mentais. Pode ser legal em outra ocasião, não para lua-de-mel. Então o que vai ser melhor?
  1. Praia
  2. Montanha
  3. Cidade grande
  4. Cidade pequena
  5. Atividades Indoor (querem ficar trancafiados num hotel/resort e não interessa o que está acontecendo lá fora?)
  6. Atividades Outdoor
Depois disso, defina – levando bastante em consideração a grana disponível – se vão ficar dentro ou fora do país. Com essa fase decidida, a anterior sobre o estilo da viagem vai se estabelecer naturalmente. Com um bom objetivo na cabeça ficará tudo mais simples, até a parte em que vocês planejam o roteiro ou simplesmente passam o cartão para algum pacote montado da agência de viagens. 

Acho que por mais que nessa fase todos os recursos sejam sagrados, vale a pena fazer um esforcinho para não deixar a data passar em branco. A única coisa que acho imprescindível é fugir da família, mesmo que a sua opção seja ir passar a noite numa barraca na Chapada dos Veadeiros. Tem que ser uma coisa só de vocês, só do casal. E não vamos esquecer dos sites de compra coletiva que têm trilhões de ofertas de viagens e que podem salvar a sua barra (muito cuidado na hora de escolher). Na minha opinião a viagem vai fechar com chave de ouro o grande dia, seja lá pra onde vocês forem (isso é o de menos).

Para ajudar a pensar:


No Brasil
No exterior
Com $
Fernando de Noronha, Costa do Sauípe, Porto de Galinhas, Gramado, Campos do Jordão e grandes resorts.
Ilhas do Caribe, Havaí, Itália, Espanha, Canadá, França, Tahiti, Emirados Árabes, Grécia, Austrália, Nova Zelândia, Maldivas e cruzeiros.
Sem $
Capitais do nordeste e sites de compra coletiva.
Portugal, EUA, Argentina, Chile, Uruguai, Peru, Venezuela e Ilhas do Caribe.
(procure nos sites de compra coletiva)

quinta-feira, 1 de março de 2012

Resgatando milhas no Tam Fidelidade (Multiplus)



Não sei se já relatei a minha insatisfação com a minha relação com o TAM Fidelidade e a Multiplus. Pois bem, fica oficialmente registrado que a minha paciência e bom humor logo vão embora quando preciso fazer alguma operação com essas empresas. O problema é que vira e mexe, precisamos nos contactar porque o resgate de bilhetes com milhas está atrelado aos seus confusos e dificultosos serviços.

O Fidelidade Tam descentralizou sua operacionalização para a tal da Multiplus. Então, além de você ter suas senhas no Tam (n° do fidelidade e assinatura eletrônica), é preciso ter suas senhas no Multiplus (n° Multiplus, assinatura eletrônica e senha de resgate).

Para fazer o resgate de uma passagem com a milhagem, é preciso estar com seu número fidelidade+assinatura eletrônica+senha de resgate em mãos. Essa senha de resgate é adquirida lá no site da Multiplus...que é uma confusão só. Vive dando erros e dizendo que sua senha ou n° Multiplus estão errados (estando perfeitamente corretos).

A dor de cabeça aumenta quando você precisa envolver o Banco do Brasil na história. Ele entra na parte em que você precisa transferir pontos acumulados no cartão de crédito para o Tam Fidelidade ou Smiles da Gol. Pelo acesso na internet da sua conta, na teoria, é tudo muito prático e rápido, fora a parte em que aparece a mensagem de erro dizendo que sua operação não pôde ser realizada. Dai você tenta pelo caixa eletrônico jogar seus pontos no Fidelidade e perde mais "milhas de paciência" (só depois de ir em todas as vias aprendi a fazer no caixa). Você liga na central telefônica de atendimento e pedem uma senha de 4 dígitos (que não tenho a mínima noção de qual seja), depois disso você liga na central BB e a pessoa diz que preciso ir na minha agência cadastrar essa tal senha e fazer a transferência dos benditos pontos.

A parte boa, e que quase ninguém tem conhecimento, é que você pode pedir ao BB um adiantamento de pontos do cartão de crédito. Eles calculam a sua média por mês, e te adiantam o que só viria no mês seguinte. Isso é maravilhoso, quando você está desesperado com o déficit de alguns pontinhos para fechar o trecho. Essa operação também pode ser feita online.

Resumindo, se você deseja fazer alguma viagem contando com as passagens compradas com milhagem é melhor começar a ver isso com 3 meses de antecedência, porque muitas senhas vão ser pedidas e muitos dias de prazo vão ser dados.  


Cayo Bolivar, na Colômbia

Um dos passeios mais fantásticos que já pude fazer numa viagem, sem sombra de dúvidas, foi em San Andres na Colômbia . O passeio maravilhos...