sexta-feira, 8 de março de 2013

As agências de turismo



É unânime, pensou em agência de turismo no Brasil, pensou na CVC. Sim, a agência que já é a maior operadora da América Latina e conseguiu transformar uma das maiores promessas do mercado brasileiro, o turismo, em realidade. Muitos sabem pouco sobre o assunto, mas é fato que ela colocou o turismo de vez na mão (e bolsos) dos brasileiros democratizando as oportunidades para todas as classes sociais. Seus produtos são frutos do chamado turismo de massa com aquelas muitas opções de destinos e os parcelamentos em até 12 vezes sem juros. Sem dúvidas, ela revolucionou o mercado do turismo brasileiro e, definitivamente, as nossas férias. 

Eu já viajei algumas vezes com a CVC com minha família e quando fui em minha primeira viagem à Europa, quando conheci "Pahi". Mas confesso que não sou muito fã do estilo "agência de turismo" de viajar. Acho importante o trabalho das agências e admiro a concepção de vários roteiros que já estão saindo do formatinho "cabeça fechada" e se encaixando em desenhos muito mais ousados. Minha relação com as agências, pessoalmente falando, se limita à negociação de cotações de passagens e hotéis por mim mesma pré-determinados. Sim, é possível criar o próprio roteiro e pedir o auxilio das agências para uso das suas regalias de tarifas nas passagens e nas diárias. 

Olhando hoje o panfleto de pacotes de 2013 da CVC um deles me chamou atenção no mesmo instante: o lançamento do pacote Ibiza. Fiquei feliz em ver roteiros como esse já figurarem no cardápio da agência mais popular do país. É sair de vez do "café com leite" de sempre. Com certeza é inovar mais ainda no mercado, é também uma grande forma de popularizar a utópica Ibiza no Brasil.



Acho que posso até igualar o Pacote Ibiza àquela mesma reflexão sobre a não exigência de vistos para entrar nos EUA. Minha opinião sobre os detalhes do tal pacote, aí já é um outro assunto...(que fique no ar: eu jamais atravessaria o Atlântico até o outro continente para ficar quatro diárias e ter que vim embora [ponto final] ---> e olha que já fiz isso na vida).

P.S: Desculpem-me por essas tendências esquisitas que tenho às vezes nos meus textos, talvez essa minha rabujice se dê pela mania de me apropriar de lugares que eu tenha gostado bastante como é o caso dos EUA e de Ibiza.

Mas é isso aí gente, na hora de viajar a dúvida agora será: vou para Caldas Novas ou para Ibiza, baby?



quinta-feira, 7 de março de 2013

Viagem vs Vacinas



É bom ficar alerta para uma coisa muito importante e que muitas vezes nem damos tanta atenção: a obrigatoriedade de certas vacinas para a entrada em alguns países.  Sério, se você vacilar, simplesmente vai ter que dar meia volta no aeroporto e voltar para o Brasil no primeiro voo, ou pior (ou não), não consegue sequer embarcar para o destino. 

Existe uma série de tratados entre países que estipulam regras de vistos e vacinas obrigatórias. As regras dizem respeito à viagens a países que serão os destinos finais ou apenas locais para escalas, como por exemplo, se suas férias serão no México e seu voo por um acaso fizer escala no Panamá, obrigatoriamente é necessária a vacinação contra febre amarela mesmo que sua permanência seja só para troca de aeronaves. 

Para facilitar nossa vida, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) criou o Certificado Internacional de vacinação e Profilaxia - CIVP - que é acessado atráves de um sistema, o SISPAFRA. Lá podemos fazer um cadastro para obter informações sobre saúde na sua viagem. No seu perfil, é possível informar seu roteiro colocando o país que será o destino final ou apenas alvo de escala. É ótimo e acaba com a nossa preocupação de pesquisar em trocentos sites informações acerca do assunto. A lista de países que exigem o CIVP está disponível no site da OMS

Depois de estar por dentro de quais vacinas serão necessárias, basta você tratar de tomá-las com a antecedência certa (a vacina da febre amarela deve ser aplicada no mínimo 10 dias antes do embarque) e levar o comprovante no posto da ANVISA (Centros de Orientação de Viajantes) que geralmente estão no aeroportos (acesse aqui a lista dos que emitem certificado) para a retirada do seu cartão de vacinas internacional (CIVP). 

Leia mais aqui. 


segunda-feira, 4 de março de 2013

Aniver 2 anos: Resultado do sorteio




É hoje! Parabéns pelos 2 aninhos blog! Que seja eterno enquanto dure nossa amizade. A comemoração de hoje na minha casa será com brigadeiros e indo até Roma. Sim, vou assistir ao filme "Para Roma com amor", pelo o menos a viagem vai ser pela televisão e no sofá da sala. Até porque festa logo na segunda-feira? Só viajando sem sair de casa mesmo. 

Vamos ao que interessa! Ao resultado do sorteio que abrimos: um pacote recheado com trufas da Lindt. Muito obrigado a todos que participaram! Lembrando que esse sorteio foi feito com base na ordem de inscrições pelo email e que a regra tácita é que pelo o menos 3 trufas ficam de imposto para a Casa, ou seja, seu presente vai chegar aberto. E o sortudo (a) éééééé....





1. Edmércia Chaves Teixeira os chocolates são todos seus (e meus...kkkkkk)! Parabéns!

Ô homem....




sexta-feira, 1 de março de 2013

Caso: Empacada no Bush Gardens

Da Série Cuidado na Estrada!



Essa história aconteceu numa das minhas viagens com minha família para a Flórida. Nessa especificamente, fomos para o casório de uma prima e éramos um grupo meio grande (aquele mesmo grupo que me deixou para trás numa loja do centro de Miami). Além de tias, primos, primas, mãe, irmã, sobrinhos e sobrinhas, minha tia convidou uma amiga para se juntar à gangue, a amável Socorro. 

Depois de periperciar pelas ruas do downtown Miami fomos direto para Orlando e depois, demos aquela passada básica (e obrigatória) na cidade de Tampa onde fica o magnífico parque Bush Gardens, mais conhecido como a Meca das montanhas-russas. Fora as montanhas, é um parque ótimo com tema da África com muitos animais, shows e atrações bacanas, inclusive nos faz virar quase selvagens de tanta euforia pelas atrações. 

Chegamos cedo no Bush e fomos todos entrando daquele jeito básico que se entra em parques (como se fosse a primeira vez...) atropelando tudo que estivesse afrente, as lixeiras que saíssem da reta. Como NÃO era a primeira vez de pelo o menos seis pessoas ali, sabíamos todas as "manhas" de como aproveitar tudo no modo hard, ainda mais chegando cedo daquele jeito - quando praticamente abrimos o parque. 

O desafio foi lançado quando você tem que sair correndo, literalmente, pelas ruas do parque com um grupo tão grande de pessoas. Porque andar que nem gente é para os fracos. O mapa do local estava mentalizado em nossas cabeças, como está até hoje. Nada podia nos parar. Aliás podia sim, aliás podia não. Vou explicar.

Chegamos na praça de entrada e rapidamente quem já conhecia o perímetro negociou a "tática do jogo", e os outros aceitaram automaticamente o roteiro radical. Enquanto a reunião acontecia, alguns mais tranquilos foram tirar fotos (e era um lugar digníssimo de fotos), inclusive a Socorro, detalhista que era. Levara uma cadernetinha onde anotava todos os nomes dos lugares que passava acompanhados de um breve relato que posteriormente seria mostrado ao marido que tinha ficado no Brasil. 

Socorro, como todos que estavam ali pela primeira vez, se maravilhou com todos os detalhes do local. Sacou sua câmera fotográfica e atirou para todos os lados possíveis e impossíveis. Nisso, a caminhada de desbravamento do Bush Gardens começou e a regra era: "Não durma no ponto, Acompanhe o pessoal, Entre na fila sem discutir e Não fique para trás". 

Pena que Socorro não prestou muito atenção nessa parte de "colar no grupo". Assim como eu, ela foi a deixada pra trás da vez. Quando o olho e o dedo doeram de tanta foto, ela olhou para o lado e nem nosso rastro encontrou. Sabia vagamente que iríamos pegar o teleférico para o outro lado do parque. Mas com seu estilo doce, sem habilidade no inglês e de bom coração resolveu ficar parada no ponto onde foi deixada à espera de um milagre, digo, de algum salvador. 

Resumo da ópera: Enquanto tivemos aquele dia frenético com milhões de voltas em montanhas-russas com direito à "almoços ejetados" do organismo, nossa amiga Socorro, que acabou sem socorro, ficou o dia inteiro sentada na praça de entrada do parque. Foi encontrada por nós já anoite na saída do mesmo, bem tristezinha (até chorou em alguns momentos) mas como um dossiê completo daquela praça que nem o próprio parque possui. O medo de sair sozinha por aquela selva a impediu de tentar nos encontrar. E foi assim o dia em que a doce Socorro curtiu sozinha a entrada da Meca dos parques radicais e se tornou a fotografa oficial da entrada do Bush Gardens.

Fiquem triste não gente, essas coisas acontecem (eu que o diga). 


Tauá Resort Alexânia: vale a pena ir?

Eu disse que a temporada de resorts tava aberta...senta aí que lá vem experiência nova pra contar! Conhecemos o novíssimo Tauá Resort Alexân...