terça-feira, 29 de maio de 2012

As maravilhas do mundo...


-->

8° maravilha do mundo

Eu li hoje uma reportagem dizendo que vão divulgar o resultado da nova eleição das “Novas Sete Maravilhas do Mundo”. E imediatamente me veio à cabeça uma cena que aconteceu há muito tempo numa tarde depois da aula. Eu com, sei lá, uns 12 anos bem atoa do pedaço e fuçando todos metros quadrados da minha casa, parei ali pela estande de VHS's para ver o que tinha de bom. Além dos filmes gravados da Globo, tinham uns vídeos bem legais tipo com a história da Copa do Mundo, história da FIFA, e “As Sete Maravilhas do Mundo Medieval”. Adivinha qual eu peguei? Peguei pela 567° vez o filme do Howard (o super-herói) e junto dele as tais maravilhas mundanas.

Impressionante como lembro até hoje das partes do vídeo, principalmente do Stonehenge, só que era com aquele sentimento de coisas muito distantes da minha vida, coisas que eu não fazia noção nenhuma nem de qual lado do globo ficavam. Engraçado, nosso campo de visão era muito limitado. Santa internet...

Só a título de supressão de curiosidade vou colocar aqui quais são elas...

As Sete Maravilhas do Mundo Antigo
Mausoléu de Halicarnasso, em museus de Londres e Turquia
Colosso de Rodes, na Grécia

As Sete Maravilhas do Mundo Medieval
Stonehenge, na Inglaterra
Coliseu, em Roma
Muralha da China, na China,
Torre de Pisa, na Itália

As Sete Maravilhas Naturais
Grand Canyon, nos EUA
Baía de Guanabara, no Brasil
Monte Everest, no Nepal
Aurora Boreal na zona polar do planeta, pode ser vista de alguns países.
Vulcão paricutín, no México
Cataratas Vitória, entre Zâmbia e Zimbabwe

As Sete Maravilhas do Mundo Moderno
Canal do Panamá, no Panamá
Diques de Marés, na Holanda
Eurotúnel, na Suiça
Torre CN, no Canadá

As Novas Maravilhas do Mundo (uma revisão das que existiam)
Ruínas de Petra, na Jordânia
Muralha da China, na China
Cristo Redendor, no Brasil
Machu Picchu, no Peru
Coliseu, na Itália
Taj Mahal, na Índia
Chichén Itzá, no México

As Sete Maravilhas da Natureza
Baía de Halong, no Vietnã
Ilha de Jeju, Coréia do Sul
Table Mountain, na África do Sul
Floresta Amazônica, no Brasil

Essas (maravilhas da natureza) ainda são ainda vencedoras provisórias, já que vão ser anunciados, como eu disse no começo do post, os escolhidos derradeiros eleitos pela pesquisa popular. Bom, se você por um acaso passar por algum desses desses países, vale a pena uma vista ou o simples conhecimento de ter noção de onde estará pisando. Aproveitando essas eleições de maravilhas, vou fazer a minha relação também, levando em conta os lugares pelos quais eu já pude passar:

As Sete Maravilhas do Mundo de Aline
Catedral de Colônia, na Alemanha
Cristo Redentor, no Brasil
Torre Eiifel, na França
Lençóis Maranhenses, no Brasil

Alhambra, na Espanha
Sagrada Família, na Espanha

Maravilhas que vão entrar na minha lista assim que eu puder conhecê-las...
Angel Falls, na Venezuela
Burj Khalifa, em Dubai
Esfinge, no Egito
Acrópole de Atenas, na Grécia
Catedral de São Basílio, Rússia
Alhambra, na Espanha
Sagrada Família, na Espanha


quarta-feira, 23 de maio de 2012

Quer viajar?



Vai nessa bródi!

Existe uma promoção de pacotes de viagens resultante da parceria entre a Tam Viagens e o Mastercard Surpreenda. Eu, pessoalmente, achei bem legal pois são viagens em que uma pessoa paga e viajam duas. Ainda não tive experiência nenhuma com eles mas já ouvi dizer que na prática também é muito boa.

Nesses últimos dias dando um passeio pelo site, eu num ataque da síndrome dos dedos nervosos, sai clicando em tudo que me aparecia e sem querer fiz o resgate de um voucher no Programa Surpreenda. Ou seja, agora eu tecnicamente deveria usá-lo para comprar um pacote no Tam Viagens. O detalhe é que eu não tenho planos para fazer a tal viagem dentro do prazo estipulado nas regras da promoção, até gostaria bastante e tudo mais...Enfim, como não se pode ter tudo, o resultado é que gastei meus pontos acumulados em vão...

Pensando nisso, estou aqui oferecendo esse voucher com muito carinho, amor e votos de felicidade a quem estiver interessado. Na boa, de coração, sem querer nada em troca (a priori).

Basta apresentar esse voucher na compra de pacote nacional ou internacional (somente América do Sul e América do Norte, de acordo com roteiros disponíveis) e ganhar o do acompanhante. Para saber mais detalhes de roteiros, preços e condições de pagamento acesse www.tamviagens.com.br/mastercard

As datas de validade ficaram:
  • Resgate do voucher: 26/06/2012
  • Compra de pacote: até 27/06/2012

Dê uma estudada no caso e se couber em seus (futuros-próximos) planos não vamos deixar essa oportunidade de viagem passar por baixo da ponte. Quer viajar? Pergunte-me como!

E não, não terminei um casamento/noivado/namoro e estou querendo me livrar na velocidade da luz desse plano...rsrsrsrsrs!


sexta-feira, 18 de maio de 2012

Encomendas de viagem: fazer ou não fazer?



É sempre legal ver um amigo embarcando de férias e lembrar de algo que queremos muito comprar mas por algum empecilho não podemos obter aqui mesmo no Brasil. Às vezes custam caro, às vezes não existem no nosso mercado e muitas vezes existem, mais o que é importado é sempre melhor (?).

O problema dessa história toda, é que muita gente não entende muito bem como funciona a sinergia entre a viagem + malas + dinheiro + aeroportos + leis + cias aéreas, e muitas vezes o “contrato de favor” vai por água abaixo. É bom entender mais ou menos tudo antes de sair pedindo presentes e encomendas para pessoas que não são seus pais, padrinhos, irmãos, melhores amigos, namorados e afins. Torça para que ele faça a pergunta “Devo trazer algo para você?”, se não fizer, meu amigo, dê uma olhada nos tópicos a seguir:

Viagem
Dependendo do que se pede, pode ser que você gere um certo incômodo na viagem da pessoa que pode ter que desviar seus planos iniciais atrás de algum produto que ou está muito caro, ou não é fácil de achar ou não está nos moldes da encomenda. Ela acaba se preocupando demais em trazer e fazer a coisa certa, o que pode comprometer algum dos planos da própria viagem.

Dica: Certifique-se de encomendar coisas de fácil acesso, se puder já pesquisar os locais onde podem ser encontrados é melhor ainda. Dê todas as especificações de cor, tamanho, preço e variações (sempre existem umas 30 que nem você sabia) para que isso também não seja um problema para o sacoleiro solidário.

Malas
Ironicamente é um dos quesitos que mais pesa. Todos temos um número exato de malas que podemos carregar. Elas podem ser do tamanho de um contêiner, mas precisam estar dentro do peso estipulado (geralmente: uma mala de mão com até 5kg e duas malas despachadas com até 32 kg) ou alguém vai pagar uma grana boa com excesso de peso. O peso e o espaço das malas valem tanto quanto o metro quadrado no setor Noroeste em Brasília. Lembre-se que nada é pequeno demais para uma mala.

Dica: Se a sua encomenda for pesada ou ocupar muito espaço, é melhor pensar bem antes de pedir ao seu amigo. Ele vai ter que abrir mão das coisas pessoais para colocar as suas no jogo, simples assim. 

Leis
Um fator que conta demais são as leis e regras da Receita Federal sobre importação de produtos. Existe uma série de números permitidos de objetos que podem ser trazidos numa viagem, fora a modesta cota de produtos eletrônicos (U$ 500) que cada passageiro tem direito.

Dica: Se sua encomenda for algo eletrônico, procure saber se o viajante tem intenção de trazer na mala outros eletrônicos e, no caso, cederia uma parcela da cota dele para o seu badulaque. Em todo caso, assuma o risco dele ser pego ultrapassando a cota e garanta o pagamento posterior da multa e os impostos ao amigo laranja.

Aeroportos
Uma das coisas que mais dão trabalho numa viagem é o carregamento das benditas malas no tempo-aeroporto e deslocamento entre cidades. Gasta-se muito tempo zanzando entre as suas dependências arrastando e suspendendo malas para cima e pra baixo. Sem falar que, de repente, a pessoa pode até ser prejudicada por estar chamando muita atenção ao carregar tanta parafernalha.

Dica: Procure não ousar na encomenda com materiais que necessitam de toda uma atenção de transporte ou que sejam muito pesados para o manejo braçal de terceiros.

Cias aéreas
Infelizmente temos que obedecer às regras das companhias que possuem restrições de objetos que podem ser ou não carregados nas malas de mão e nas que serão despachadas (líquidos, materiais perigosos, remédios, cigarros, comidas...).

Dica: cuidado com o que será encomendado para não prejudicar seu amigo viajador. Coisas muito sensíveis e frágeis podem dar problema, já materiais proibidos ou suspeitos é melhor que fiquem na sua responsabilidade quando você for viajar.

Dinheiro
Pouca gente entende como deveria funcionar o acerto entre as partes quando assunto é o money. Por mais que sua encomenda não seja muito cara, não é justo pedir que ele retire do montante dele (já completamente planejado) uma quantia X, mesmo que depois da viagem você o ressarça. O dinheiro lá na viagem tem muito mais valor do que aqui no Brasil. Então para ele é um péssimo negócio mesmo que o dinheiro seja reavisto. Pedir que seja usado o cartão de crédito também tem algumas restrições porque envolve a questão do limite.

Dica: O mínimo de senso é sempre fazer a encomenda com o dinheiro na moeda em questão anexado, e olhe lá. Lidar com o dinheiro dos outros pode ser chato. Dessa forma, você reduzirá intervenções negativas na rotina de viagem do seu querido amigo (burrico de carga).


Eu mesma não me importo em trazer encomendas desde que não me causem preocupação (seja ela qual for e onde for) e não comprometa a minha reserva financeira. Resumindo, a maior dica é ter certa noção da natureza do pedido e tentar diminuir ao máximo qualquer incômodo à pessoa que vai viajar. Pense se o favor realmente é pertinente pois o simples fato de trazer a encomenda não chega nem perto do trampo que na realidade pode ser para o seu amigo, afinal de contas você e 85% do Facebook dele tiveram listinhas encaminhadas.

Viajar com listas, sinceramente, é um pouco chato, eu não dou conta nem da minha própria lista para arrumar a mala antes da viagem...já passei uns momentos irracionais de deixar para trás meias, calcinhas, blusas, calças e bolsas antigas que simplesmente não cabiam ou aumentavam o peso da mala...complicado, viu. Sem falar que é um dedo no olho viajar com alguém que o tempo inteiro está preocupado em comprar itens da sua lista de encomendas de outrem.

As novas regras da Anac sobre a possibilidade de cobrança extra por despacho de malas vislumbram uma nova realidade em que trazer até presentes vai ser complicado. 

Tentando seguir um pouco essas dicas, você com certeza vai diminuir consideravelmente o risco de levar uma resposta negativa ao pedido e ficar sem o brinquedinho importado. E se levar um “não”, entenda que não é nada pessoal, é a mais sincera e pura verdade.

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Delícia de Lençóis....(Maranhenses)






Toda vez que cito minha passagem por São Luís, mais especificamente, os Lençóis Maranhenses, eu acabo exaltando demais a experiência e depois de algumas perguntas com mais curiosidade eu decidi escrever logo sobre esse paraíso.

Quando eu digo que é o paraíso, não estou usando do meu tradicional exagero de expressão. Acredito que esse seja o melhor destino para aquelas pessoas que seguem a política de conhecerem primeiro o Brasil, e depois o exterior. O Brasil reúne uma beleza turística de colocar muito destino estrangeiro no chinelo (Havaianas, de preferência). E não é por qualquer coisa que os Lençóis são um dos lugares mais visitados pelos gringos no nosso país.

Depois do preconceito quebrado, marque logo uma viagem até São Luís. A capital do reggae e de praias que são uma delícia de se aproveitar. Imediatamente, procure uma agência de turismo e compre um pacote para o passeio até os Lençóis. Os pacotes incluem o traslado, hotel e entrada no Parque Nacional dos Lençóis.

Mas o que são os Lençóis? A água das chuvas se acumula entre as dunas de areia que formam imensas piscinas de água natural (doce), por isso é muito importante ir logo depois do período das chuvas para pegar todas as piscinas cheias (de maio a outubro). Nos outros meses também têm piscinas cheias (bem menos opções) e a vantagem é o menor número de pessoas em circulação.

O passeio funciona assim: te pegam no hotel no carro 4x4 na cidade de Barreirinhas. É preciso fazer a travessia do Rio Preguiças numa balsa (perde-se muito tempo aqui), já dentro no Parque Nacional o carro anda um certo tempo entre estradinhas de areia e atoleiros (algumas pessoas passam mal com a agitação do carro). Pegamos uma voadora (espécie de lancha) que correu várias partes do Rio Preguiças, passando por manguezais e mais coisas lindas do nordeste. Fizemos paradas no povoado de Caburé para o almoço, num único restaurante que só tem frutos do mar no cardápio, e onde comi o melhor peixe da minha vida (palmas para a piscina do restaurante e a opção de aluguel de quadriciclos para exploração do local). A viagem seguiu na voadora até o município de Vassouras (que conta muito com ajuda turística para subsistência, ou seja, ajude as criancinhas que se oferecem de guias no desembarque da lancha). Lá é possível subir num farol e ter a linda vista do Rio Preguiças se encontrando com as águas do Atlântico.

De volta ao 4x4, todos eles vão até certo ponto na beira das dunas, e a partir dali todos descem para começar a marcha ao paraíso. Descemos de chinelo, e o guia mandou deixar no carro, eu me preocupei com a areia quente torrando nossos pezinhos. Ele insistiu, então deixamos os chinelos duma vez. Pasme: vão ser as primeiras dunas da sua vida que NÃO queimam os pés, a areia não está pelando. Eu já fui ficando perplexa dali mesmo.

Até a primeira lagoa é uma caminhada boa entre as dunas com subidas e descidas. Mas todos guias já sabem os melhores caminhos que não vão te judiar tanto. Vi pessoas de várias idades e tipos físicos e todas conseguiram realizar a façanha. A beleza é tão grande que tudo fica secundário. Chegar nas lagoas é inexplicável, a água é uma delícia, com partes fundas, são bem quentinhas e eu vi até peixinhos!!!. As piscinas (lagoas) mais conhecidas são a Lagoa Azul, Lagoa do Peixe e a Lagoa Bonita. É quase uma miragem no meio do deserto. A dica é levar água pois não existe nenhum tipo de comércio lá no meio das dunas. E o pôr-do-sol? Preciso dizer alguma coisa?

Também é possível fazer passeios sobrevoando os Lençóis de avião. Na volta, na fila da travessia pela balsa, os moradores locais improvisam uma feirinha de comidas típicas com tapiocas e afins que são de enlouquecer qualquer um. Vá! Por favor, vá um dia!

Viagem: Janeiro (2011)

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Caso: Confusão entre lençóis no Maranhão


Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses

Mais um episódio estrelado por mim e minha querida prima Clarissa. Dessa vez num local bem brasileiro e lindo de se jogar: os Lençóis Maranhenses. Fechamos uma excursão para os Lençóis saindo da capital São Luís. É uma viagem rápida de ônibus até a cidade de Barreirinhas, porta de entrada do Parque Nacional onde estão os tais lençóis (quase egípcios). Os hotéis são tops de linha, acredite se quiser, e o café da manhã sensacional.

No outro dia bem cedinho nosso guia ficou de nos buscar no hotel, depois pegaria mais um grupo de pessoas e seguiríamos no passeio. Pois no horário marcado, ele e o motorista estavam devidamente estacionados em frente ao nosso hotel com o seu carro estilo safari 4x4. O motorista foi lá no cockpit dele e nós 3 lá atrás nos banquinhos meio improvisados do carro. Eu e Clarissa engatamos um converseiro frenético até que eu percebi que estávamos andando demais por aquelas ruinhas de areia da cidadezinha, entrando e saindo de becos e ruelas...passando por uns lugares meio esquisitos apenas com um motorista que eu sequer vi o rosto e um guia local que estava prestando atenção em nossa conversa desde o princípio.


Carros 4x4 usados para chegar até os Lençóis

Meu alerta anti confusão foi sensibilizado na hora. Eu tive que improvisar...no meio do bate-papo eu meti um lero de estar fazendo kickboxing numa academia e que estava gostando bastante, principalmente porque estava treinando na turma masculina já que não era um esporte muito feminino. Falei uns três tons mais alto para que o girafex do guia escutasse com todas as letras e baixasse a bola dele, seja lá pra que tipo de jogo ele estivesse planejando jogar.

O problema todo foi só minha prima não se tocar e acreditar mesmo na minha falácia e fazer perguntas bem específicas tipo “Sério? Você não me contou! Aonde tá fazendo?”. Eu pensei que ela fosse cair na conversa automaticamente, por isso não preparei um roteiro para nenhuma(s) pergunta(s) além(s). Não tinha respostas na ponta da língua, daí o que saiu foi um “Ehhh...veja bem...numa academia lá perto de casa...”, ela insistiu: “Sério? Qual o nome?”. Não vinha nome de nenhuma acadimia ou muito menos algo relacionado à saúde ou corpo. Puxei ela bem perto e falei...”Meoo entra no caô pelo amoorr...você tem ideia de onde, no interior do Maranhão, você está nesse momento?”. Ter que deitar literalmente nos “lençóis” ia ser barra. Aí ela se tocou. Depois brinquei perguntando ao guia onde raios estávamos indo e ele disse que era um atalho mais prático. Bem depois chegamos no hotel do outro grupo e várias pessoas chegaram. Ufa!!

Não sei se exagerei, mas que bateu medinho, bateu. Na saída do passeio e com medo de sermos esquecidas no deserto das dunas eu disse brincando ao mesmo guia: “Ô moço, vai esquecer a gente não, hein?”, a resposta, com um olhar de raio laser, foi: “Pode deixar, não vou esquecer meeeeeeeeeeeeeeeeeesmo!”. Glump! Tentamos engolir alguma coisa...

No fim deu tudo certo e, por favor, vá conhecer os Lençóis Maranhenses...como nós costumamos dizer, é “wordless, speakless, untalkble, unsayable...”!!!

sábado, 12 de maio de 2012

Pesquisando...


Dando continuidade na vida que segue, além de esquentar minha cabeça pensando em roteiros possíveis e impossíveis, estou desenvolvendo planos mais sérios (não que os de viagens não sejam) e que vão impactar da mesma forma em minha vidinha.

A primeira tarefa que surgiu foi desenvolver uma pesquisa de opinião e comportamento de nós turistas diante às novas opções e projetos de viagens.

Então, por favor, o que te peço é que responda ao questionário (que é super simples e rápido) para contribuir nessa formação do novo perfil dos viajantes amadores (e profissionais). Se caso já tenha respondido, ignore-o para evitarmos as respostas duplicadas, triplicadas e etc...

Fique à vontade para compartilhá-lo com o maior número de pessoas que puder.

Para responder clique aqui: Pesquisa sobre Turismo.

terça-feira, 8 de maio de 2012

Você x Crises Financeiras


Quem decide organizar e realizar uma viagem para fora do Brasil além de se preocupar com as pendências básicas de viagem como hotel, passagem, malas competentes...fica com uma pergunta bem assustadora na cabeça: as crises políticas/financeiras podem acabar com a minha festa?

Depois de pensar muito a respeito e contar com as experiências próprias eu digo: depende. Depende do destino e do tipo de crise estamos enfrentando. Se for algo relacionado com terrorismo, pandemia (gripe aviária e suína), guerra ou fenômenos da natureza (vulcão na Itália ou furacões no Caribe), definitivamente cancele a viagem e vá para Caldas Novas. Não há o que se discutir.

Já no que diz respeito à crises monetárias e políticas, vale a pena uma retrospectiva:

Crise Estados Unidos (terrorismo): Fui um pouco depois do ocorrido e confesso que bateu um “medinho” de estar serelepiando no país mais visado do momento, era como jogar War na vida real (exagero!). Depois voltei para o reveillón em NY, no ano em que a tragédia completava 10 anos, que eles mataram o tal do Osama Bin Laden e que teoricamente o mundo acabaria (2012). Bateu outro medinho...mas tudo o que ocorreu foi fruto da minha imaginação, nada mais que isso.

Crise Estados Unidos (imobiliária/financeira): Se tiveram efeitos no turismo, foram muito sutis, uma ou outra loja fechada e preços mantidos. Inclusive, ficou até mais fácil a entrada no país visto a necessidade de entrada de capital no caixa registrador.

Buenos Aires: Provavelmente você vai presenciar alguma manifestação de trabalhadores em frente a Casa Rosada, mas nada que seja ameaçador à paz mundial.

Crise na Grécia (dívida externa): Minha prima caiu na Grécia no auge da crise imobiliária cheia de protestos populares e também não teve maiores problemas (que eu saiba).

Crise na Inglaterra: Os efeitos da crise americana geraram confusão também na terra da Rainha, mínimos (para o turismo). De acordo com uma amiga, foi até boa a coincidência de estar lá, pois muitas lojas entraram em liquidação (fecharam) e os preços estavam ótimos.

Crise na Noruega (atentado): Na época do atentado terrorista daquele maluco patriota que usava uma blusa pólo da Lacoste, uma amiga estava em Oslo e apenas relatou uma indignação e tristeza da população.

Hoje - Crise Européia (países PIGS: Portugal, Itália, Irlanda, Grécia e Spain): A crise que atingiu seu auge em 2008 está conseguindo dar um belo “sacode” em todo aquele continente. Resumindo: os governos, para conter os impactos da crise, investiram muita grana nos setores mais críticos. Com tantos pacotes 'salva-vidas' (e empregos), a arrecadação caiu e o endividamento dos países aumentou. Resultado = crise. É o que dizem na TV sobre a Grécia e Espanha, principalmente. Vários desses países podem até serem expulsos do bloco (União Européia). Tenso.

Com toda essa análise do cenário, eu chego à conclusão de que as crises financeiras causam problemas e impactos negativos prioritariamente em suas respectivas populações, na nossa (mera) classe de turistas, elas são muito tranquilas, e na maioria dos casos têm efeitos positivos, por exemplo, a facilidade de tirar vistos quando necessários, liquidações e saldão de lojas, etc. Talvez seja um ponto de vista bem radical, capitalista ao extremo e até egoísta, mas, que Miriam Leitão me perdoe, o que nós, simplórios turistinhas, podemos fazer para ajudar? Resposta: Torrar nosso rico dinheiro por todas aquelas bandas!

Como escolher seu hotel em Las Vegas

Sempre ouvi dizer que a hospedagem em Las Vegas é um item muito fácil de resolver, porque são muitas opções e, portanto, acaba sendo ...