sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Férias no navio Jewel of the seas da Royal Caribbean



O Jewel of the seas foi a nossa "casa" durante os 9 dias de aventura grega. Considerado um navio "pequeno" (morri!), ele tem capacidade para cerca de 2.500 pessoas, entre tripulantes e hóspedes, e possui 13 decks (andares).

Saindo do Porto de Civitavecchia
Nosso navio saia do porto da cidade italiana de Civitavecchia, então foi necessário contratar um transfer de Roma para o porto. Dica: ele está a mais ou menos 40 minutos de distância de Roma, por isso, inclua no seu planejamento essa informação. Fizemos todos os nossos transfers com o pessoal que alugou nosso apartamento em Roma (pelo Airbnb) e super indico os dois serviços: Rome Unique.

Cabines
Escolhemos cabines internas que, apesar de pequenas, eram muito confortáveis e aconchegantes. Dica: leve malas pequenas para não comprometer todo o espaço. Todos os dias num canal da TV, um brasileiro explicava a programação do dia e as questões de desembarque, etc. Cada cabine tem um responsável pela limpeza e conservação, logo, todos os dias (acho que 2x) havia a limpeza do nosso quarto - o mais impressionante é que ele decorou os nossos nomes e nos reconhecia onde quer que fôssemos. Preciso dizer que não há nada mais gostoso na vida do que dormir no navio, aquele balancinho é divino.

Nossa cabine era interna para 3 pessoas (uma cama de casal que pode virar 2 de solteiro e uma suspensa) - ver vídeo abaixo.


Gorjetas
O pagamento de gorjetas se dá de duas formas: já inclusas no pacote, onde eles fazem um cálculo médio por dia; ou fora do pacote onde você se compromete a distribuir gorjetas durante a viagem a todos os funcionários que te prestarem algum tipo de assistência. A própria Royal Caribbean já tem uma tabela com os valores referentes a cada perfil de trabalhador. Como eu acho bem inconveniente essa segunda opção, compramos nossas passagens com as gorjetas inclusas para não termos essa "dor de cabeça". Lembrando que o salário dos funcionários vem dessas gorjetas.

Enjoos
No primeiro dia, eu senti o balanço (mínimo) e fiquei com medinho de passar mal (eu nunca passo mal em barcos, montanhas russas, olhando para aquários, etc) e tomei um remédio para enjoo. A partir do segundo dia, não tomei mais nada e deu tudo certo. Não sei se minha teoria é válida, mas como não estávamos navegando em oceanos, e sim por mares (passamos pelo Tirreno, Mediterrâneo e Egeu), as águas eram mais tranquilas. Muito pontualmente sentimos algum tempo ruim anoite no mar. 

Atrações
Até o último dia fomos descobrindo lugares e coisas novas no navio. Tinha tudo que você pode imaginar, menos árvores, que os navios maiores já possuem. Toda noite recebíamos no quarto o programa com as atividades do dia seguinte, com horários e localização desses eventos. Toda noite, em 2 horários, tinha algum show ou espetáculo no teatro (musicais, mágica, peças, shows, etc.). Além disso, tinham apresentações de jazz, orquestra, piano, karaokê espalhados por outros bares ou espaços do navio. Algumas noites haviam festas temáticas, tipo festa das mulheres, do rock, do branco, pool party (leve sempre uma roupa branca), etc. 

Nos dias navegando, na área da piscina, sempre rolavam umas competições, exibições de filmes, aulas de dança e apresentações musicais. 

Enumerando rapidamente tudo que tinha à nossa disposição: piscinas cobertas aquecidas, piscinas ao ar livre (água do mar), hidromassagens aquecidas (água doce), bares nas piscinas, pizzaria, spa, toboágua, quadra de esportes (futebol, basquete, vôlei), campo de golf, parede de escalada, cinema, salão de jogos eletrônicos, espaço para atividades infantis, boate para adolescentes, teatro, mesas de jogos de pingue-pongue e sinuca, bar de esportes, cassino, academia (mega completa e com uma puta vista) com personal trainers que davam aulas de ioga e alongamento, shopping, boate para adultos, serviço de correio, lan house, centro médico, e restaurantes.

Restaurantes e comida
Especificamente nesse navio, dentro do pacote estavam inclusos os restaurantes a la cart e buffet. No primeiro dia é bom ir até o restaurante a la cart confirmar o horário do seu jantar todas as noites (caso queiram fazer lá) - em uma das noites é nele que rola o jantar com o comandante onde as pessoas precisam se vestir melhor (tipo roupa de gala) e alguns tripulantes são apresentados. Fomos umas 3 vezes apenas, o resto dos dias gastamos no buffet internacional que era o máximo. Comidas de todos os gêneros e tipos, saladas, pães, molhos, carnes, sobremesas, frutas etc. Detalhe: máquina de sorvete livre o dia todo (gordinhos.com.br).

Ainda era possível fazer reservas, pagas a parte, nos outros dois restaurantes que estavam fora do pacote. 

Paradas com desembarque
Uma coisa chamava muita atenção: o navio era extremamente pontual em tudo. Se estava marcado para chegar em algum lugar as 7h, nesse horário estávamos lá. Se estava marcado para partirmos às 16h, nesse horário lá estava o navio se mexendo. Impressionante. 

Quando chegávamos em algum porto, geralmente, por questões de liberação de autoridades locais, o desembarque ficava liberado 30 min após o horário marcado no cronograma. Não havia bagunça ou confusão para desembarcar ou embarcar no navio (mesmo nos casos de desembarque com barco auxiliar - quando o navio não parava no porto). A orientação era que nossa volta para o navio no fim do dia, fosse de no mínimo 30 minutos antes do horário marcado para partir, para evitar estresse, chegávamos com 1h de antecedência e dava tudo maravilhosamente certo. 

Peguntei a uma tripulante brasileira se havia muitos casos de pessoas "deixadas para trás", ela me respondeu que não. Era muito impressionante, pois eles eram muito pontuais mesmo. 

Refeições em dias de paradas
Gordinhas como éramos, basicamente a gente tomava café no buffet, desembarcávamos em alguma cidade, comíamos besteiras pela rua ou biscoitos que levamos do Brasil, e voltávamos para o navio. Geralmente, ao voltar para o navio, conseguíamos pegar o lanche, e mais tarde, voltávamos para o jantar. Essa era nossa rotina maravilhosa. Outras pessoas do grupo chegavam a almoçar de verdade nas cidades e, como todo brasileiro raiz, levavam lanchinhos do café da manhã na bolsa.

Pagamentos
Tudo que você comprar no navio fica na sua conta registrada no cartão de identificação. Até o fim do navio, é possível fechar a conta e efetuar o pagamento em dólar. Geralmente na última noite, rolam umas promoções no freeshop, vale a pena conferir.

Desembarque final
Na última noite, todos fazem as malas e as deixam no lado de fora da cabine, nos corredores. Durante a noite, os funcionários recolhem todas elas para fazerem o desembarque no dia seguinte. Após a sua saída, você precisa aguardar pela chegada da sua mala em terra - se tiver tempo, até aconselho tomar café antes de sair do navio. Entretanto, se você tem pressa para desembarcar, por exemplo, porque precisa pegar um voo (era o nosso caso), é só dirigir-se com suas malas, o mais cedo possível, para o teatro do navio. A saída dessas pessoas é feita com mais rapidez e a vantagem é de já estar com suas malas e acelerar todo o processo. 

Saiba mais: Usando o setor médico do navio. 


quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Eurotrip 2017: Cruzeiro pelas ilhas gregas com a Royal Caribbean (Jewel of the seas)


Decidiu fazer um cruzeiro? A próxima etapa é definir qual o destino. E para te ajudar nessa difícil tarefa, a dica é entrar no site das Cias Marítimas e pesquisar seus navios, itinerários e calendários.

As principais são: Royal Caribbean, Costa, MSC, Princess Cruises, Norwegian, Disney Cruise Line, Silversea, Pullmantur, Celebrity Cruises.

Eu já sabia que queria ir para Grécia em setembro (fim do verão europeu com temperaturas agradáveis), então o roteiro mais propício foi o da Royal Caribbean, mais especificamente no navio Jewel of The Seas. Dica de ouro: faça reservas com muita antecedência pois as cabines acabam rápido (além dos preços aumentarem). Fiz reservas para 3 cabines 9 meses antes da viagem para não correr nenhum risco (sim, eu sou louca).

Tentei fazer as reservas pelo site mas sempre ocorria um erro no trâmite do cartão de crédito. Então liguei na agência de turismo R11 Travel - representante oficial da Royal no país - e fiz as reservas por email. 

Um detalhe importante é que para reservas feitas no Brasil, com a R11, não é possível comprar o seguro viagem do navio, ou seja, procure fechar um seguro que faça a cobertura de cruzeiros e que opere com a política de reembolso (caso haja algum gasto com saúde no navio, você paga e depois o seguro te reembolsa). Após infinitas conversas com a R11 e a própria Royal nos EUA, foi a única solução encontrada para resolver esse caso (bem louco isso). Fechei com a Real Seguro (faça cotação na barra lateral do blog). 

No momento da reserva, escolhemos a opção com gorjetas inclusas (para não ter que ficar dando gorjetas durante a viagem) e cabines internas. Também optamos por abrir nossas contas em dinheiro em espécie (dólar), e não em cartão de crédito.

Realizamos o check in com muita antecedência pela internet, bem como, imprimimos as etiquetas de bagagens de todos. Isso nos poupou muito tempo no embarque, no qual apenas foi necessário o preenchimento de um formulário simples, o registro fotográfico individual e a entrega dos cartões de identificação (usado para fazer todas as compras, entrar e sair do navio, e ainda é a chave da cabine). 

É possível antecipadamente comprar pacotes específicos como de drinks, refrigerante, passeios (interessantes mas muito caros - fizemos tudo por conta própria), fotos, restaurantes pagos, spa e demais atrações não inclusas. Deixamos para fazer tudo pessoalmente para estudarmos cada opção caso a caso. 

Veja se para a região em que vai viajar é preciso apresentar ao navio o cartão de vacinas e quaisquer outros documentos imprescindíveis. 

Nosso itinerário de 9 dias, passando pelos mares Tirreno, Mediterrâneo e Egeu, era o seguinte: Roma - Messina (Taormina) - Mykonos - Rodes (Lindós) - Santorini - Atenas - Nápoles (Capri) - Roma. 



Saiba mais: Usando o setor médico do navio. 

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Férias: com cruzeiro ou sem cruzeiro?


A história toda começa quando a vontade de conhecer a Grécia era grande mas os quesitos financeiros não estavam favorecendo (aqui lê-se “as passagens aéreas”). Se fosse pra fazer essa viagem no meu estilo tradicional (rodando e quicando pela Grécia) seguramente o valor final de todo investimento seria por volta dos R$ 12 ou R$ 13 mil contos de réis. Eu até pagaria esse valor, mas para ir mais longe. Enfim, depois de dezenas de pesquisas, tivemos a brilhante ideia de ver a rota dos cruzeiros e bingo! A Royal Caribbean tava lá invadindo as águas europeias.

Fechando o pacote do cruzeiro, as despesas de hospedagem, deslocamento e alimentação estavam garantidos dentro de um valor bem razoável. Essa foi a solução encontrada para não ter que cancelar as férias do ano ou ter que empenhar um rim. 

O cruzeiro saiu de Roma e foi até as ilhas gregas, confesso que fiquei um pouco receosa de como seria o rendimento da viagem no que diz respeito às visitas nas cidades onde iríamos parar. 

Obviamente, uma parada de cruzeiro limita muito a sua estada em qualquer lugar que seja e, é a partir daí, que você precisa entender que a viagem vai seguir um ritmo próprio (e não o do seu planejamento mirabolante) de acordo com as "vontades" do navio. Isso é ruim? A resposta é sim e não. 

Para que a experiência não seja ruim ou frustrada é importante embarcar na viagem sabendo que o maior atrativo dela é o navio em si (junto com todas as suas várias atrações), e que as paradas e cidades serão todas uma espécie de bônus. Dá pra aproveitar os 2? Sim, e muito. 

Eu sonhava todos os dias comigo ficando pra trás a cada partida do navio de um porto. Fato, eu ia ficar pra trás. Mas por incrível que pareça não fiquei, na verdade, estive muito longe disso. As paradas são aquela correria? Sim, em alguns lugares sim, mas em outros é muito tranquilo, então a dica é fazer um planejamento mínimo para cada parada e já desembarcar com um plano A e B em mente. Planejando tudo direitinho, o tempo acaba rendendo e dá pra conhecer/fazer bastante coisa nas cidades. 

Resumindo, eu amei a experiência e indico a todos que estão na dúvida, lembrando que é preciso estar certo de que o personagem principal da viagem será o cruzeiro e suas atrações. Levando as coisas assim, a viagem vai ser maravilhosa porque o navio, seja ele de que tamanho for, é muito divertido, desde a comida, até as atrações, festas e etc. 

A dica do post é a mesma de sempre: PLANEJAMENTO mínimo, mais do que nunca.

Ano Novo em Las Vegas

Depois do Natal em Nova Iorque , decidimos voar para Las Vegas para curtir o reveillón. Plano ousado e cheio de expectativas.  Pri...