sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Fim do Mundo: vida nova! 21.12.2012

"Birds flying high, you know how I feel..."

Em pleno dia "D" do mundo moderno me deu vontade de escrever qualquer coisa aqui no blog. Talvez seja porque hoje, exatamente às 1:19 enquanto eu estava no mais profundo REM dos meus sonhos, recebi uma ligação de um número misterioso. Levei o maior susto do universo e tudo que consegui foi recusar a ligação achando que tudo aquilo fazia parte de um sonho (hoje de manhã me certifiquei de que foi bem real). Na verdade recusei porque fiquei com um medo incrível de ser alguém me avisando que o mundo já tinha começado a acabar. Preferi assumir o risco de não saber a novidade e voltar para os meus lindos sonhos (que nem lembro como eram). 

Depois de acordar mais de 40 min atrasada para o trabalho - esqueci de programar o despertador -, peguei um "trânsito disneylândico" de tão bom e, por conseguinte, abri minha caixa de emails e vi uma mensagem de uma amiga me mostrando uma p*** promoção de viagem num site de compra coletiva da vida. 

Depois disso tudo, como não encher o coração de esperanças e acreditar que hoje pode estar sendo sim o "fim do mundo", e mais, o melhor fim do mundo de todos, pois temos a oportunidade de começar uma vida nova. Sem aquela balela de réveillon que sempre nos prometemos mudanças e no dia 2 de janeiro já esquecemos de tudo. Não! Dessa vez, é a chance de começar uma nova fase de vida sem ter que morrer, nascer de novo, reencarnar ou afins. 

Eu costumo sempre ser positivista para as coisas, acho que de alguma forma há sempre algo bom à nossa espera (menos nos dias em que dou uns surtos de teoria do caos e crises existenciais relativas à passagem do tempo). E ao contrário de muitos que estão colocando músicas tema para o fim do mundo, eu quero compartilhar a música que é tema do meu dia 21/12/2012, do reset do mundo: "Feeling Good" de 1965.

"It's a new dawn, it's a new day, it's a new life...for me...and I'm feeling good""




Ps.: Hey você que me ligou e lembrou de mim no Fim do Mundo, você preencheu um requisito na minha lista de desejos de um bom marido. Agora só falta me dizer que colocaria primeiro em mim a máscara de oxigênio no avião. 

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Caso: Bebida batizada em Paris

Dá Série Cuidado na Estrada!



Descrição de cenário: última noite em Paris depois de alguns dias muito frenéticos. Especificando um pouco mais, estávamos no cair da noite de domingo depois de conhecer os dois (sim, dois) parques temáticos da EuroDisney, quando o telefone toca...

De volta ao primeiro dia na cidade luz, ficamos "brother" do recepcionista do hotel que era de Portugal e falava um entendível português. Ele nos deu várias dicas, tirou muitas dúvidas e nos convidou para um "forró" brasileiro que iria rolar em algum dia daquela semana. Como assim? Um forró em Paris? No ato aceitamos o programa de índio. Seria hilário ver tudo isso. Ele ficou de conferir a data do tal evento e assim que soubesse nos daria notícias à respeito. 

Enquanto isso, a gente foi desbravar o máximo possível da cidade no modo "Ir ao banheiro é coisa de fracos". No domingo logo de manhã, o amigo nos abordou no saguão do hotel informando que a tal baladinha seria naquele dia anoite (detalhe que já saímos do hotel direto para o mercadinho do lado onde compramos muitos energéticos, a noite passada tinha terminado muito tarde no favela Chic). Sem pensar demais na agenda, fomos, como crianças, realizar nossa missão Disneylândia.

No fim do dia, depois de dois parques, filas, brinquedos e um trem de volta à Paris, pegamos o metrô rumo ao hotel e finalmente sentamos em nossa sonhada caminha. Mal tirei minha bota, e pelo o menos umas 3 calças que já estavam "queimando" minha pele, e o telefone toca com o Nuno (português amigão):

Nuno: E ai meninas, vamos para o forró? Consegui entrada pra todos!
Aline: Só um minutinho!

               Aline: Prima, é o guri lá do forró e tá perguntando se a gente vai. E ai? A gente vai?
                Clarissa: Uai, a gente vai. Mas não podemos fazer nada, senão o cansaço vai bater. É só trocar de roupa, fazer uma 
                 make e zarpar desse quarto!
                Aline: Fechou!

Aline: Beleza a gente vai! Que horas será?
Nuno: Vocês tem 5 minutos para descerem!
Aline: Quêêêê?
Nuno: 4:59,  4:58, 4:57...

Exatamente em 5 minutos estávamos prontas lá no hall do hotel. Ele nos encontrou e disse que tinha convidado duas brasileiras que também eram hóspedes. Perguntou se tinha algum problema, e obviamente dissemos que não. As meninas desceram, a Sammy e a "Ana" (nome falso para preservar a identidade), nos apresentamos rapidão e saimos para o forró. No trajeto dentro do carro, simplesmente ficamos melhores amigas e, entre outras coisas, descobrimos que todas nós morávamos em Brasília. 

Chegamos no local e não tinha nada a ver com forró. Era uma noite brasileira, com DJ brasileiro (bombeiro em Paris....hahaha), e que tocava um pouco de tudo (inclusive músicas muito velhas) e que garantiram nossa festa a noite toda. Foi sensacional! Nos divertimos horrores. Fomos até o bar e no cardápio tinha caipirinha (feita com pinga), conversamos com a moça e conseguimos a substituição por vodka. E como estava gostosa, meu Deus! 

Nos isolamos no nosso quarteto e curtimos a noite "como se não houvesse amanhã", afinal de contas, era nossa despedida (minha e de Clarissa) e a única experiência que teríamos com nossas amigas que conhecemos apenas no derradeiro dia. 

Tudo estava muito ótimo até uma de nós sair um pouco da panelinha e interagir com outrem na baladinha. Todo mundo sabe da velha regra de balada que diz que jamais compartilhe bebida com estranhos, e muito menos quando estiver no exterior. Acontece que nem todo mundo que sabe disso, aplica a regra na prática. 

Saímos sabe-se-lá-que-horas do esquema e de volta ao hotel o brotherzinho trouxe champanhe para brindarmos o fim daquela experiência mágica. Em pouco tempo, a "Ana" disse que não estava muito bem e queria subir para dormir. Logo depois me despedi da galerinha (meu sexto sentido me levou a tomar essa decisão...rsrsrs). Ficaram então apenas a Sammy e Clarissa. 

Certa hora da noite, eu ainda intercalando o dormindo-acordada, escutei minha prima se aprontando para dormir. O telefone berra do meu lado, ela atende. Era a Sammy pedindo ajuda no quarto delas. A Clarissa foi. Ela volta muito assustada para o quarto relatando o que houve. A "Ana" estava passando malzaça debaixo do chuveiro, disse que o que mais assustou foi a intensidade com que ela tremia (chegava a quase pular do chão), pensaram até em ligar para o hospital. Conversando com ela, descobriram que em certo ponto da noite ela deu goles em bebidas aleatórias (...). Estávamos todas muito crentes de que um religioso filho da mãe andou batizando bebidas pelo salão. Ela começou a passar mal muito subitamente, e com sintomas muito malucos para uma pessoa que estivesse apenas "bêbada". 

História tensa, mas esses erros de jardim de infância não podem acontecer. Acredito que nunca mais na vida ela comete um vacilo desses de novo. Amadorismo jamais!

Ps.: Apesar do fim da história, foi uma das melhores noites de todas e que me trouxe até hoje uma amiga muito querida: Dra. Sammyra, a gênia do pilates guaraense. 


sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Top presentes para quem ama viajar



Como o fim do ano já desembarcou de vez em nossas vidas, o que nos resta é encarar com alegria a temporada oficial de troca de presentes. De acordo com a tradição natalina, é necessário focar as energias no significado da data, na família, na ceia de Natal, nos doces, no amigo oculto e nos presentes. Então para ajudar todo mundo - os que receberão e os que distribuirão presentes - eu pensei numa lista (democrática) de itens bastante úteis para presentear aquelas pessoas que gostam um tiquinho de viajar.

No mínimo vão servir de inspiração...


                Secador de Cabelo Dobrável (bivolt)                
 Marcadores de bagagem (Tag Bag)
                                                     
                                                 Porta-passaporte                                                
    Almofada de pescoço
 
                                                Ipod Touch                                               
                      
  Guias Lonely Planet

                         Mapa Múndi Raspadinha (Imaginarium)                  

                          
Álcool Gel Perfumado de bolsa (Loja Bath & Body Works) 
    

                                           Esmalte Adesivo                                   
                                  

Saco para roupa suja em viagens
 

                                            Mala de mão da Tommy                                        
                         
Pen Drive
  
                 Álbum de fotos temático por país             
                                

           Maleta Vintage de NY, Paris, London...
         
                    Alça diferente para Câmera Fotográfica          
             Cantil Porta-bebida para viagem
                 
                  
                                     GPS Garmin (ou TomTom)                       
                      
                Chinelas Havaianas
             
                           Kit de Lentes de Contato para Viagens          
                         

           Quebra-cabeça 3D de monumentos
                         

                    Cartão de memória para Câmera Fotográfica        
                                        

              Capa para Ipad, Iphone ou Ipod
              
                                   Assinatura de 1 mês no Netflix                      
       

                         












                     Mochila Semipermeável com bolso traseiro (Loja Uncle K) 

                                                        

                          Toalha de microfibra de natação (alta absorção)             














                       Capa para mala      
                                                             Resultado de imagem para capa para mala
    
                                                                                  Pau de Self                                                                   














Máquina GoPro

                                                         
Miniatura de Perfumes













Carregador portátil 
















quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Balada em Amsterdam, na Holanda

A minha magic animação em conhecer a sin city, Amsterdam, entrou no modo hard desde quando a referida cidade entrou no roteiro. Pois chegamos lá pela manhã e já saímos direto para realizar o conhecimento do território enquanto nosso check-in não ficava aberto. Essa caminhada rendeu e só voltamos para o hotel depois te termos conhecido praticamente 2/3 do nosso roteiro. Sim, ela é mágica, cativante e exuberante. 

As regras das drugs nos assustou um pouco. Afinal de contas o que iríamos encontrar na noite da cidade que atrai jovens de milhares de locais muito por conta dos atrativos proibidos: prostituição e drogas? Confessa que se a gente parar e pensar, realmente é algo um pouco psicodélico!

Nos hospedamos no hostel St-Christopher's que, só para você ter uma ideia, se localiza no Red Light District, ou seja, era festa dentro e fora do albergue o tempo todo. Nossa primeira noite foi domingo, e naquele friozinho miserável zarpamos para a Rembrandtplein, praça que reúne uma porção de restaurantes, baladas e coffee shops. Também rola um agito pesado na Leidsplein, vale a pena considerar essa área para diversão. 

Use para se locomover os ônibus ou bondinhos de superfície. Na alta madrugada não hesite em pegar um táxi se você estiver num grupo só de mulheres. O que mais se escuta do quarto do hotel são os grupos de pessoas que circulam pela rua fazendo festa nas altas horas da noite. 

Engraçado mas como saímos num domingo anoite muitas baladas não tinham programação, então se você faz questão de bombar na noite holandesa pesquise bem os melhores dias e programe sua estadia para coincidir com os mesmos. Eu gostaria muitíssimo de conhecer a Paradiso, que é uma balada feita dentro de uma igreja desativada. Passamos na frente dela durante o dia e eu mega empolguei mais ainda, mas infelizmente nos dias em que ficamos em Amsterdam não tinha programação de nada.

Lugares bacanas: Escape, Paradiso, Club Up, Little Buddah Bar e Cue Bar

Não hesite em passar numa loja de croquetes Febo e faça um lanchinho pré e pós balada por lá...hummm. Que saudade!

Escape (Rembrandtplein 11 1017CT)

Escape


A Escape é uma balada grande que fica na Rembrandtplein, meio escondida atrás de um restaurante normal.  O local é lindo demais, com vários lounges e uma decoração incrível. Não pagamos nada absurdo para entrar e um drink era grátis. Fomos num domingo e os croquetes lá na Febo estavam bombando muito mais que a balada. Mas eu gostei muito do lugar e com certeza voltaria de novo num dia com uma programação mais nervosa. 

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

6 Coisas que aprendemos em viagens em grupo

"Humm is always better when we're together..."

Viajar em grupo pode ser a experiência mais fantástica da sua vida e, de uma hora para outra, transformar sua mala numa mochila de soldado e te jogar - sem paraquedas - no meio de uma guerra fria. Eu já escrevi várias vezes sobre a importância de levar a(s) pessoa(s) certa(s) para o local certo. E isso independe do relacionamento que vocês estabeleçam no dia-a-dia, em se tratando de viagens é outra história....outra história cheia de detalhes, limitações e etc. Táticas de guerrilha à parte, eis as 6 coisas que aprende-se viajando em grupo:

1. Princípio da Reciprocidade
Cuidado com a ditadura e por mais que você esteja muito animado com algo na viagem, respeite as condições físicas do seu companheiro. Pode ser o seu pé machucado no outro dia, ou sua coluna vertebral fazendo um "S" durante a caminhada. Então, respire fundo quando algo te incomodar e lembre-se que o outro dia, é um outro dia.

2. Companheirismo
É bacana viajar acompanhado e realmente saber que ali existe uma parceria, seja para ir naquele museu, para pedir aquele prato, desistir daquele passeio ou ficar até aquela hora na balada. Saber ser companheiro é ótimo e ainda nos dá prazer em valorizar algo que para nós não significa nada, mas para o seu amigo já vale por toda viagem.

3. Democracia
Sim, se antes não se fazia presente na sua vida, lá na viagem vai fazer. A democracia é regra para a convivência social, apaziguamento das múltiplas ideias e diretriz para a rápida solução de conflitos. A voz do povo será a voz do guia!

4. Cumplicidade
Quando a viagem dá totalmente certo na relação entre você e seu amigo, algo muito importante existirá entre vocês e que vai ser levado para vida toda: a cumplicidade. Ele vai sacar no ato quando algo não te agradar ou quando algo realmente for a sua praia, certamente vai até te estender a prancha. É uma ótima oportunidade de fortalecer as amizades.

5. Lidar com a TPM
Viagens com mulheres e homens, tanto faz, vão inspirar TPM's em todo mundo em algum ponto da viagem, fato. Você vai aprender que, ou você se tranquiliza e engole a fase critica do seu amigo ou você se tranquiliza e engole (ponto final).

6. Valor na Amizade
Uma coisa ótima de viajar em grupo é perceber nos menores detalhes o quanto é bom ter amigos para poder partilhar de momentos tão marcantes em nossas vidas, tais como a própria viagem. Dá gosto investir nas relações e cultivar as energias positivas.

Fora a lista de "princípios", existe também a lista menos formal como:

Você poderá contar com alguém para...

...tirar suas fotos,
...segurar sua bolsa e casaco na hora do banheiro,
...te emprestar grana quando você estiver "desprevenido",
...rachar as contas de restaurante, hotel, táxi e etc,
...te ajudar a escolher o vestido melhor,
...ficar na fila do caixa para você,
...levar na mala coisas que não couberam na sua,
...ter a paciência de escutar 300x a mesma história e rir junto contigo,
...chamar sua atenção para algo que passou desapercebido,
...ser testemunha de algum fato,
...olhar as coisas enquanto você dá um mergulho no mar,
...ser o seu "freio" no momentos mais intensos,
...ter um colo para deitar nos deslocamentos,
...dividir as responsabilidades com você,
...tornar a viagem inesquecível.


segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Clube de Viagem - San Francisco (EUA)



Para finalizar os posts do Clube de Viagem, a última parada desse ano vai ser em San Francisco na Califórnia. A perspectiva da viagem vai ser dada do ponto de vista da minha querida mamãe que embarcou com minha tia em novembro e gastou 5 dias inteirinhos por lá. 

Estilo da Viagem: Família.
Hospedagem: Hadisson Hotel Fisherman's Wharf (R$ 1.700) Indicaria? Sim.
Deslocamento: Passagens normais (American Airlines).
Grana: Gastou menos que o previsto.
Sugestão de dias mínimos na cidade: 5 dias.

Golden Gate


O que indicaria?
                Tomar café da manhã em algumas das Boudin Bakery, peça a famosa sopa no pão. Não deixe também de fazer o passeio até a ilha de Alcatraz para visitar a misteriosa prisão. Outro local imperdível é a "rua quebrada" (Lombard Street) que é muito famosa e além de tudo, linda.

O que não indicaria?
                    Se hospedar muito longe da baía de San Francisco (principalmente do super visitado Pier 39).

Resumo da Viagem: Gostei da cidade, mas agora vou para outros lugares.


Quer tirar mais dúvidas? É só mandar um email pra ela: elenaide.cavalcante@gmail.com


E 2012 se vai...


Tão abruptamente 2012 está “indo nessa” e, além de comprar a listinha de presentes da sua família e quebrar muito a cabeça com o presente dos seus amigos ocultos (sim plural), dezembro é uma ótima época para planejar o próximo año. Não querendo ser sistemática demais, mas já sendo...acho que é uma boa ideia virar o ano cheio de planos e pensamentos positivos. Para quem não vai viajar nesse réveillon é uma boa saída para diminuir aquela deprê que assola nossos corações. É desejar que o tempo passe – só um pouquinho –  para que os momentos bons cheguem logo.

Dentre outras coisas, se seu foco ano que vem estiver mirando a realização de viagens, usar o tempo à seu favor é o pulo do gato, ou melhor, o galope da hena. Vale escrever de novo aquela informação de que com antecedência seu orçamento consegue ficar com valores muito melhores - Convenhamos que esse já é um assunto pacificado.

Que tal fazer um exercício mental? Pense agora naquele lugar que você sempre admirou e sempre quis conhecer. Depois de ter pensado em pelo o menos um lugar (não consegui selecionar menos de cinco locais) será que 2013 não é a hora certa para investir nesse plano? Só depende de você, a “hora certa” não existe...ela é sempre agora mesmo. 


Quer ajuda em descolar um destino? Abra o link do mapa múndi e divirta-se! Aproveite que já é possível pesquisar e comprar passagens aéreas até outubro de 2013, mas cuidado com o exasperamento porque o dólar está muito alto e os preços na mesma proporção. 

Se sobrevivermos ao dia 21 próximo (não cometa suicídio e nem mate sua família, por favor), é o sinal claríssimo de que o universo está ao nosso favor, que nossos planos nasceram para dar certo.    

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Capitais do Delito

"Onde há turistas, sempre há trapaceiros."

Outro dia estava em minha casa zapeando, como praxe, pelos canais da TV à cabo, e uma propaganda de um programa captou toda a minha atenção: o "Capitais do Delito" (Scan City) apresentado por Conor Woodman, e que passa atualmente todas as segundas anoite no canal National Geographic Channel. A propaganda apresentava o tal programa, e entre palavras como "turismo", "viagem", "mundo", "golpes"...finalizava com a frase: "Eu sou lesado para que você não seja". Pronto, era tudo que eu precisava assistir naquela noite!

O documentário canadense, como as tags já anunciam, trata de uma equipe de reportagem que viaja para as cidades mais famosas do mundo com o foco unicamente em desvendar que golpes, trapaças e malandrices que estão sendo aplicados, principalmente, na classe dos turistas (nós), usando os melhores equipamentos de espionagem. O Conor se faz de isca para sofrer os "atentados" e mostrar, através das câmeras disfarçadas, como funciona tudo, além de conversar com os malandros e entender a cabeça deles. Muitas vezes ele pratica os atos ilícitos para provar que somos mesmo um bando de distraídos.

É muito interessante saber o que rola nesse mundo dos taxistas antiéticos, da lavagem de dinheiro, dos batedores de carteiras, das prostitutas golpistas e suas drogas, do dinheiro falso, das reservas falsas, dos jogos desonestos, dos furtos, das propagandas enganosas, entre outros. 

Eu nem preciso dizer que adorei o programa, contudo, confesso que depois de assistí-lo bateu um medo muito grande de sair por ai pagando de "patinha inocente" para esse sub-mundo lucrativo do turismo. Ainda assim, acho que é sempre uma ótima forma de se preparar e dar um gás no modo "alerta" de todos nós. 

Dei uma olhada no youtube e ainda não estão disponibilizados muitos episódios dublados em português. Porém, no canal de origem do programa, achei mais episódios em mais cidades, mas sem dublagem ou legenda. Vale muito a pena assistir, e mais uma vez eu digo: Cuidado na estrada!

Episódios em português:

Las Vegas - assista aqui.
Rio de janeiro - assista aqui.
Istambul - assista aqui.
Barcelona - assista aqui.
Buenos Aires - assista aqui.
Bangkok - assista aqui.

Vários vídeos da série no canal originário T+E: veja aqui.

Atualizando o post: a 1ª e 2ª temporada já estão disponíveis no Netflix. 

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Balada em Berlim, na Alemanha

Da mesma forma que iniciei o post sobre Berlim, repito aqui: foi muita emoção pisar na capital da Alemanha por tudo que ela nos representa. Confesso que a obscuridade de pousar em Berlim sem saber o que encontrar e rodeada do "preconceito branco" sobre o seu passado, não abriu lacunas para pensar muito nas atividades noturnas da viagem. Na verdade foi pensado, fiz uma pesquisa básica ali pelo papai Google, pela Lonely Planet...e foi ai que a coisa ficou séria, muito séria.

Já me empolguei com a noite sem nem ter saído do Brasil. Pudera, uma das noites mais bombantes do mundo é a de Berlim. Tem para todos os gostos, e quando digo isso, acredite. Opções não faltam e o nosso problema se transformou em como escolher os destinos. Problema recorrente em várias cidades, ou seja, tirinho no escuro. 

Minha imagem "truncada" de Berlim foi se desfalecendo depois de ver que a eleita Melhor Club do Mundo (em votação no site Resident Advisor) era de lá, a Panorama Bar/Berghain. É simplesmente uma balada feita numa usina elétrica desativada. Com todo esse "filme" ela, por outro lado, é conhecida como a maior vilã do face control, se reserva ao direito de barrar pessoas sem o mínimo de critério possível. A fila é bem extensa, faça calor ou temperaturas negativas, e a vibe bem sinistra. O segurança com poder nas mãos é assustador, digno de filmes do próprio holocausto. Não entramos, e continuo tendo muita vontade de entrar lá dentro. 

Peguei Berlim no fim do inverno (inverno propriamente dito para nós brasileiros) e sair anoite era tenso. Enfim, ative o modo "Liga da Justiça" e vá desbravar a anote alemã. Se o frio estiver muito pesado, use os Mercedes, digo, táxis, a maioria dos clubs se concentram no centro da cidade ali pelos arredores das Alexander Platz e afins. 

Não se decepcione com o Face Control, foi barrado? Pegue o táxi e vá tentar a alegria na próxima fila. Não fique triste, em Berlim nem sempre as pessoas são barradas por conta da beleza (ou escassez dela), não tem critério, pode ser por causa da sua gola mau passada, pela cor do seu sapato, pelo tamanho do seu brinco...ou porque você não "combina" com a proposta da boate. 

Não me lembro dos preços mas acho que são preços justos, nada exorbitante quanto Ibiza nem nas entradas, nem nas bebidas.

Se estiver em Berlim procure pela Week End, que fica ali pela Alexander Platz, no alto de um prédio. Certifique-se de descobrir precisamente onde ela está, pois nós rodamos, rodamos, rodamos e infelizmente não conseguimos achar essa club.

Watergate X (Falckensteinstraße, 49)
http://www.water-gate.de/

Watergate
A Watergarte também é nome presente nas várias listas de eleição de Melhores Baladas do mundo. E é bem legal mesmo. Rola uma filinha básica na frente e o temido face control também. Conheci uns brasileiros que foram barrados porque um deles, de acordo com o segurança, estava arrumado demais. E olha que ele me disse que estava usando uma calça jeans, uma pólo e um sapato (?). Não é muito grande mais o clima do local é muito contagiante, as paredes são inteiras de vidro dando uma mega visão privilegiada do rio Spree, sim, fica nas margens do rio. No segundo andar a balada pega fogo com DJ's sensacionais e pessoas dispostas a curtir a vida ao máximo. Eu me diverti horrores, vale muito a pena. 

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Trens na Espanha: viajando na Renfe


Não há dúvida nenhuma em usar o serviço ferroviário nos deslocamentos entre cidades na Espanha. Os trens são rápidos, pontuais, práticos e confortáveis: são concorrência pesada para qualquer outra opção de transporte. Os preços também são tranquilos, compramos bilhetes para o mês de julho (verão) que custaram em média 50 euros por pessoa o trecho para viagens interestaduais. Para as viagens curtas, a média estava na casa dos 10 euros o trecho.

Para comprar passagens e fazer pesquisa de horários de trens, entre no site da Renfe, a companhia de trens espanhola. Assim como a maioria dos trens da Europa, ela é super bem estruturada e tem muitas opções de saídas e destinos. Achei que fosse encontrar trens mais lotados pela época em que se deu a viagem, mas curiosamente estavam bem tranquilos (diferentemente dos alemães). 

Como partimos do pressuposto de que nossas viagens, principalmente as grandes, são planejadas com tempo hábil, provavelmente sua pesquisa pelos trechos de trens serão prejudicadas pelo fato da abertura da agenda de vendas de bilhetes se dar apenas com três meses de antecedência da data de embarque. Mas não precisa se render ao pânico! Como eu disse, no site da Renfe é possível fazer as pesquisas por trecho e horários. Vai dar para montar todo o roteiro com detalhes de horários sem problemas, só não vai ser possível realizar a compra, mesmo se você estiver afoito demais para começar a parcelar o orçamento. 

Quando finalmente a agenda de venda de bilhetes estiver aberta para a época do seu interesse, vai surgir mais um "probleminha" na sua vida: o site da Renfe não aceita cartões de fora da Espanha, mesmo habilitados para o uso no exterior. Mas nada de pânico again! Não precisa se lastimar e ter que deixar para comprar os bilhetes lá na hora (com o risco de perder o juízo e os melhores preços por antecedência de compra). É possível comprar os mesmos bilhetes da cia Renfe no site da Rail Europe, inclusive pagando logo em Reais.

No ato da compra, não se esqueça de selecionar a tarifa mais barata "Joven < 26" (se, claro, você tiver menos de 26 anos na data da viagem) e analise os valores cobrados com antecedência, muitas vezes vai compensar pagar por um bilhete numa classe superior. 

Viajando de trem, mais dicas aqui

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Enviando cartões postais nas viagens

"There is no combination of words I could put on the back of a postcard..."

Para todo lugar que a gente vai, seja grande, seja pequeno, seja dentro ou fora do país, sempre damos de cara com aqueles vários e inúmeros cartões postais com as melhores fotos do local. E são tão baratinhos, um punhado por um valor irrisório. De forma quase que automática, sem sombra de dúvidas, saímos garimpando os cartões postais, socamos na bolsa, depois na mala e posteriormente numa gaveta qualquer de casa. 

Vi muito minha mãe fazendo isso, depois eu mesma comecei, até que finalmente parei de comprar os cartõezinhos. Na verdade, não tinha encontrado um sentido bom o bastante para me fazer participar da tradição do cartão postal, a função real dele nunca tinha ficado clara para mim. Porquê ao invés de amontoar papel pelas gavetas, não comprar cartões e enviá-los a alguém, de fato?

Isso mudou na minha viagem para Espanha. Dentre outras coisas que aprendi com minha amiga Núbia, como pregar um selo sem cola e com a língua (na verdade aprendemos juntas com o vendedor), aprendi a usar o cartão postal na sua função originária. Compramos nossos cartões e fomos descobrir como enviá-los para o Brasil lá mesmo da Espanha. Imagina que bacana as pessoas que são especiais para você receberem via correio (que tem toda sua mágica nos dias de hoje) um sinal de que você está do outro lado do Atlântico, se divertindo e, ainda assim, lembrando com carinho e saudade de todos. Olha...é uma sensação muito gostosa para quem manda o cartão cheio de expectativas e aposto que para quem o recebe despretensiosamente também.

O processo de envio varia de país para país. Na Espanha, tínhamos que comprar os selos (custavam centavos) nas Casas de Tabacaria, e somente nelas. Compre os cartões e procure se informar com o vendedor ou algum policial onde é possível comprar os selos. Minha dica é tentar realizar essa operação logo nos primeiros dias da viagem pois seu cartão vai percorrer um longo caminho até chegar no destino, ou então o risco de você voltar de viagem e receber o próprio cartão vai ser grande (de Granada levou mais ou menos dez dias para chegar na minha casa). Tome cuidado com as palavras que for usar, porque é um cartão postal que rodará o mundo sem envelope e vai passar pelas mãos de muitas pessoas, não precisamos traumatizar ninguém, ok?

Quem quiser me passar o endereço, estou super aberta a fazer essa nobre caridade.


quarta-feira, 7 de novembro de 2012

O que calçar em viagens?


Um das minhas maiores dúvidas quando estou na fase de preparação para uma viagem, com certeza, são os sapatos ideiais para levar numa boa todas as fases do roteiro sem passar maus bocados (ou alcançar o sofrimento mínimo).

É fato, andar pouco não é uma opção. Não é mistério para ninguém que caminhar pelas ruas e usar o transporte público são umas das melhores formas de conhecer a cidade, entrar no clima real da sua cultura e povo. Então é mais do que necessário a escolha dos sapatos certos para realizar tal tarefa.

Mas é aí que começa toda preocupação. O certo é descolar os melhores calçados que vão amenizar os efeitos das andanças (inchaço e bolhas nos pés), uma vez que, infelizmente, a dor e o mal estar não há como evitar. Isso acaba dando certa dor de cabeça porque não gosto da ideia de andar de "qualquer jeito" só porque sou turista e estou de férias, até porque vou tirar muitas algumas  trilhões de fotos. 

Minha experiência diz que o melhor é não apostar fichas em sapatos novos, compre-os antes da viagem e vá testando seus desempenhos ao longo de alguns meses para se certificar de que eles merecem ter o passaporte carimbado. 

Sapatilhas
           As sapatilhas são ótimas opções para andar durante o dia e, dependendo, até ir para balada. Mas são sapatinhos muito traiçoeiros portanto só leve sapatilhas usadas e testadas para tal tarefa. Nada de comprar um dia antes de viajar e socar na mala. Para andanças frenéticas pode ser um tiro no pé, literalmente. 
          Eu geralmente uso sapatilhas Moleca de pano que tem uma tecnologia de conforto na palmilha, mas ainda assim nem todas são indicadas para viagem. A vantagem é que já existem uns modelos bonitinhos e que combinam com todas as variações de roupas, a desvantagem são os preços que subiram bastante. Vez em quando sinto dores nos pés porque o formato da minha pisada já deformou a palmilha.


Salto alto
         Para as baladas eles serão, na maioria dos casos, necessários. Mas é aquela coisa, salto é salto, uma hora vai machucar; então leve aquele que você sabe que demora mais para torturar. Posso estar louca falando isso, mas o uso dos saltos anoite até que é bom para quebrar um pouco a "rotina"dos pés. 
         Os modelos "meia pata" e "plataforma" geralmente são os mais indicados, mas se como eu, você não usa esses tipos de sapatos, tente os da Melissa. Eles podem ser mega altos, mas são incrivelmente muito confortáveis (além de lindos). Meus fieis escudeiros são: a Melissa Malika preta do bico quadrado, um cinza mais baixinho com salto quadrado da Ávida e um bege de salto médio da linha Comfort Plus da Constance.

Melissa Malika

Tênis
         Os tênis são ótimos companheiros nas longas caminhadas. Mas cuide para escolher o modelo certo, aqueles com muitas molas ou sem amortecimento algum, estilo AllStar, vão machucar. Os mais indicados são os usados para corrida que já tem todo um desenho ideal para ajudar na pisada e são muito leves.
         Tome cuidado com a meia, escolha uma de algodão puro senão em determinada hora é capaz de você sentir muita dor (queimação) com o material sintético da meia, digo isso por experiência própria. Se a viagem for para algum lugar muito quente, ainda corrermos o risco de não aguentar ficar com os pés cozinhando dentro de um tênis, é um caso a ser pensado porque eles pesam e ocupam lugar na mala.
Mizuno Wave

Crocs
          Todo mundo implica com as Crocs pela " beleza" que elas possuem, mas tenho certeza de que os donos desses comentários nunca colocaram os pés dentro delas. Sim, é coisa de Deus. O melhor é que eles já desenvolveram vários modelos mais bacanas e delicados para a gente não ter que se submeter a usar aquela “caixa de sapato”.
         Mas surpreendentemente eu consegui criar bolhas com minhas Crocs bonitinhas. A partir de certo estágio de caminhada elas não aguentam o tranco. Muito cuidado até com as Crocs; de novo, a dica é fazer teste drive simulando as mesmas condições de uso com as quais vocês (você e a Crocs) irão se deparar na viagem.
Crocs Olivia
Chinelo
         Podem ser boas opções de uso além do quarto e do chuveiro. Principalmente em viagens no verão, claro. Usar chinelo não precisa sempre retratar um momento “largado”do ser humano, dá para ficar fashion sem problema nenhum. 
        As  Havaianas predominam nesse caso, obviously. Mas tome cuidado pois até elas podem ser grandes vilãs, muito porque as “tiras” podem machucar e até “assar”o peito do pé. E se estiver muito certinha no seu pé, pode vir a machucar o calcanhar. Existem uns chinelinhos de pano que são ultra-leves e que podem te apoiar na andarilança. Para andar, por exemplo, em Parques de Diversão, não hesite em apostar na chineleira.

Chinelo de pano souvenir 
Bota
          Para locais frios é o item principal da mala, sem dúvidas. Tome cuidado com os saltos, muito altos vão dar problema, e sem nenhum, também não vai ser tão legal. Tente comprar uma bota com cano largo para caber as calças que estará usando. A regra da meia também vale aqui.
         As botas são ótimas, a maioria aguenta o trabalho sem se vingar do dono. Meu suporte está numa bota preta de cano médio que tem um salto inteiriço baixo, e numa cano baixo marrom da Piccadilly com palmilha anatônica. 
Ankle Boots Piccadilly

Outra dica é revesar durante os dias os sapatos que levou, um dia use um fechado sem meia, no outro um aberto para o pé respirar, depois use um fechado com meias. Vá mesclando o uso para que nenhum ponto do pezinho seja pressionado ocasionando uma temida bolha. Evitar bolhas é o canal (ou tentar adiar ao máximo o seu aparecimento). Se seu pé for enjoado, se antecipe e mumifique com esparadrapo os pontos mais críticos. 

Se as bolhas aparecerem, geralmente entre os dedos, o lance é recorrer sem hesitar às fitas estilo esparadrapo mesmo. Existe uma maravilhosa que tem uma super cola (não sai nem no banho), é transparente e maleável à pele, ou seja, perfeita e faz total diferença. A Núbia descobriu esse salva-vidas e carinhosamente o apelidou providencialmente de "Pró Pé", a fita Nexcare 3M. É possível achar em todas as farmácias, inclusive nas gringas. Esse é um daqueles itens imprescindíveis da mala. É tão bom que aposto que se estiver com azia, é só colar um pedacinho na barriga que ela vai embora rapidinho.
Fita Nex Care 3M
Ps.: Todas as dicas dos sapatos são validas associadas aos remédios para dores musculares e anti-inflamatórios que inevitavelmente tenho que usar em certas ocasiões. 

Ano Novo em Las Vegas

Depois do Natal em Nova Iorque , decidimos voar para Las Vegas para curtir o reveillón. Plano ousado e cheio de expectativas.  Pri...