sexta-feira, 28 de abril de 2017

Caso: A pegadinha de voltar de ônibus da balada em Cancún

Da Série Cuidado na Estrada!


Era noite e estávamos hospedados no resort Park Royal Cancún, em frente ao Shopping La Isla, na Zona Hoteleira, naquela pista super extensa que dá acesso a todos os hotéis de Cancún, a Blvd Kulkucan. Na sua "ponta" norte está o concentrado de restaurantes, barzinhos e boates tão famosos da cidade. 

Nessa noite decidimos ir até a Glow Party no Señor Frogs de ônibus, só eu e o Matheus. Eu já tinha ido a Cancún e logo o convenci de pegarmos o transporte na parada em frente ao hotel já que é super tranquilo (todo mundo faz isso) e custa muito barato, tipo 1 dólar ou alguns poucos centavos de pesos mexicanos. 

A ida foi bem fácil, logo chegamos no burburinho e na primeira parada descemos para curtir a festa das tintas. A noite foi bem divertida e deu para ele perceber que aquelas baladas são muito americanizadas e pouco se percebe de México em tudo (talvez só na tequila). Eram muitos turistas, muitos dos EUA, nenhum mexicano e pessoas de todos os estilos, looks e aspectos. Enfim, jantamos, ficamos para a festa e depois decidimos ir embora. 

"Vamos pegar o ônibus de novo para voltar para o hotel", eu disse. Em relação à segurança ficamos bem tranquilos porque sempre tinha muita gente nesse circuito do "chegando e saindo". Na madrugada  adentro rola até uma fila para entrar nos ônibus de volta para os hotéis.

Saimos do Senõr Frogs e, na pista na direção contrária da que chegamos, esperamos pelo ônibus. Ele chegou, entramos e sentamos. 

Esquisitice 1: não tinha fila pra entrar;
Esquisitice 2: Poucas pessoas no estilo pós balada subiram;
Esquisitice 3: Não tinha um carinha com violão tocando "La bamba" pra animar o pessoal e ganhar moedas;
Esquisitice 4: O ônibus percorreu o resto da Zona Hoteleira e não fazia o retorno em direção ao nosso hotel nunca!

Estávamos calados e o Matheus só curtindo a viagem sem sonhar na treta que eu já tinha percebido que tava rolando. Não quis entrar em pânico e esperei até o último retorno para começar a lacrimejar. Quando o ônibus não fez o retorno, e foi ao centro de Cancún adentro o meu alerta "Cuidado na Estrada" acendeu tipo a reserva do carro. Pra piorar eu dei um look nos passageiros e todos tinham cara de mexicanos e falavam espanhol, ou seja, eram os trabalhadores voltando para casa. 

"Gente pra onde estou levando meu namorado a essa hora da noite? A gente só queria dormir pra acordar cedo amanhã!!!", pensei eu. Falei para o Matheus ir lá perguntar ao motorista num espanhol digno se ele não estava indo para Zona Hoteleira, ele pediu pra eu ter calma e esperar mais um pouco. Claro que não me segurei e fui lá perguntar tudo isso na língua que eu mesma inventei. Ele disse para descermos imediatamente e esperar o ônibus número X, pois aquele estava indo para vários outros bairros de Cancún e não para os hotéis. 

Descemos, e junto com a gente uma mulher esquisitaça que estava acompanhada de um cara muito suspeito desde o Señor Frogs (eu reparei). Fiquei mais segura quando ela desceu, mesmo suspeitando desde a balada da profissão dela. O ponto estava vazio pra caramba, escuro, sinistro e logo o casal do bussiness foi embora. Nosso ônibus não passava nunca, cada segundo valia por 10 minutos. Comecei a ficar com frio, meu vestido tava curto pra caraca, e o Matheus só ria. 

Finalmente o ônibus chegou e a parte boa foi ter que passar de novo lá no burburinho da balada e não precisar competir para sentar no ônibus que lotou em 3 segundos. Depois de quase uma hora nessa brincadeira, chegamos ao hotel sãos e salvos. 

Dicas: 
  • Não ande com o dinheiro contado da passagem;
  • Desconfie se no fim da noite o ônibus estiver "vazio";
  • Desconfie se não tiver música ao vivo no ônibus da volta;
  • Quando for pegar o ônibus de volta para Zona Hoteleira, caminhe até o outro lado do quarteirão. Não pegue o ônibus na pista contrária de onde desceu na chegada. 
  • Antes de entrar pergunte ao motorista de se está indo para Zona Hoteleira ou o nome do seu hotel;
  • Não confie totalmente no(a) engraçadinho(a) que diz saber de tudo só porque já foi;
  • Vá e volte de ônibus para as baladinhas, custa barato, passam toda hora, são seguros, são rápidos, são bons locais para fazer amigos e são muuuito divertidos. 

             

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Cancún, no México - Parte 2




Mais uma vez nesse paraíso só para provar que às vezes a vida nos faz cada surpresa...apesar da demora em fazer o post (juro que tinha esquecido), não podia deixar de fazer esse relato. Dessa vez fui em fevereiro, e minha dica é ir em junho/julho, os meses de maior calor.

Dessa vez nos hospedamos por alguns dias no Comfort Inn Aeroporto, um hotel "normal", só com café da manhã incluso, para fazermos alguns passeios que duravam o dia todo (Dica de ouro: não gaste diárias em resort all inclusive se vai fizer passeios que duram o dia todo).  Pegamos o carro alugado no aeroporto e dirigimos para o Comfort que está na rodovia 307 Cancun - Tulum.

No dia que chegamos, dirigimos até Playa del Carmem para jantar na Quinta Avenida. Várias lojas e restaurantes novos surgiram, até o Shopping Quinta Alegria melhorou bastante (Miami total!). Nos outros dias dirigimos até o Xcaret (que agora não dá mais o equipamento de mergulho de brinde) mas continua uma delícia. 

Fomos até o Porto Juarez para irmos a Isla Mujeres (dá para fazer a travessia pelo Porto Embarcadero que é próximo a Zona Hoteleira). Deixamos os carros no estacionamento pago e fechamos um barco privado para nos levar até a ilha, bem como ficar a nossa disposição o dia todo. Quem quiser dá para pagar os tickets e fazer as travessias no ferry da Ultramar. A ideia do barco privado é ótima pois podem fazer várias paradas para mergulho, bem como percorrer todos os arredores de Isla Mujeres. Como eu amo aquele lugar, com certeza a melhor praia ever. 

Depois demos entrada no resort all inclusive Park Royal Cancun que fica exatamente em frente ao Shopping La Isla na Zona Hoteleira. Pra quem quiser fazer contas, pode valer a pena reservar diárias sem all inclusive e fazer refeições tanto no shopping, quanto nos milhares de restaurantes próximos que nos dão peso na consciência de não ir porque estamos no all inclusive de um hotel qualquer. O hotel é menor do que fiquei em 2013 (Gran Oasis Cancun) mas vale a pena.

Em Playa del Carmem pegamos o ferry para Cozumel, lá passeamos pelo comércio principal perto do porto, e depois pudemos passar o dia no Park Royal Cozumel que é maravilhoso! Sem explicações para esse hotel. Cozumel é maravilhosa para mergulho, não perca essa oportunidade.

Fizemos o combo Tulum-Akumal, indo cedo para Tulum para evitar as grandes multidões. Tulum é um sítio arqueológico maia diferenciado pois fica à beira mar. É bem grande, tudo bem sinalizado e a paisagem espetacular. Se o calor apertar é só descer as escadinhas e dar um mergulho no mar. Almoçamos em Tulum e de lá seguimos para Akumal.  

Akumal é aquela praia inexplicável em que é possível nadar com as tartarugas sem muita dificuldade. A praia tava bem cheia, mas o mar em si estava bem vazio. Além das lindas tartarugas, dessa vez vimos até arraias (bateu um medinho de leve mas deu tudo certo pois elas estavam bem perto da areia). É importante ir enquanto tem sol para clarear a água. Não caia na conversa do pessoal que trabalha como guia e aluga o material para mergulho. Logo na entrada da praia eles dizem que é proibido entrar sem colete salva-vida e blá blá blá. É mentira! Não é preciso alugar nada e pagar nada para nadar com as tartarugas, se tiver seu próprio equipamento de snorkel é só dar o tibum e ser feliz.

O pulo do gato dessa viagem foi fazer todos esses passeios por conta própria. Como alugamos os carros, não dependíamos das agências de turismo que cobram um valor muito alto por pessoa e ocupam muito tempo do seu dia (saem cedo demais e chegam tarde demais). Porém, a vantagem do passeio contratado é não ter que dirigir na volta de um dia cansativo de atividades. 

A diversão noturna ficou por conta do Señor Frogs (festa da espuma) e Cocobongo. Todos os detalhes aqui.

Depois disso tudo só posso dizer uma coisa: não dá pra enjoar/cansar de Cancún!

Cancún - México     Viagem: 2016 (fevereiro)

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Viagem segura: a importância de contratar um seguro viagem



Mudam-se os tempos, mudam-se os hábitos. E quando o assunto é viagem muita coisa mudou, desde a escolha do destino até os arranjos logísticos da aventura. Cada vez mais as pessoas tem assumido o papel do antigo "agente de turismo" (função que até hoje eu considero importantíssima se exercida com competência) e montando suas próprias viagens tal como num buffet no qual, principalmente, a internet é o carrossel de comidas. 

Esse é o tipo de viagem que eu defendo, mas concordo que não é a mais indicada para todo e qualquer tipo de pessoa. Então é preciso sempre muita cautela no desenvolvimento desse trabalho pois ele pressupõe a tomada de decisões muito importantes que estão diretamente ligadas à segurança dos envolvidos (de quem vai e de quem fica).

Por isso, a dica desse post é ressaltar a importância do seguro viagem. Com essa forma de viajar com independência das agências, muita gente não se atenta para o fato de que é preciso, também por conta própria, contratar algum seguro que esteja de acordo com os objetivos da viagem (existem seguros que cobrem vários itens, desde o extravio de malas, reembolso de remédios, acidentes com esportes radicais, etc).

Quando simplesmente o contrato do seguro viagem não é esquecido, alguns se enganam com o seguro viagem oferecido pelas empresas de cartão de crédito que, quando usados para comprar as passagens, contemplam o titular do cartão. O problema dessa forma de seguro é que a maioria deles funcionam na base do reembolso, você paga a pequena fortuna das despesas médicas e depois entra com o pedido de ressarcimento (que na maioria das vezes tem um teto). 

Apesar de ser algo que a gente paga torcendo para não usar, vale mais a pena também não economizar no seguro viagem - que nem é tãão caro assim. Eu sempre faço cotações dos meus seguros no site da Real Seguro Viagem, vejo as propostas e escolho a que mais me apetece. 

Pra não pesar muito, feche o seguro na semana ou um dia antes de embarcar. E quando receber a apólice no seu email, leve uma versão impressa e envie uma cópia para todas as pessoas que estarão com você no passeio, bem como para seus pais/cônjuge ou responsáveis que não viajarão. No caso de emergências é bom todo mundo ter acesso a essas informações. 

Sempre contrate um seguro viagem, seja pra onde for e por quanto tempo for.

Esse vídeo explica megadidáticamente como acionar o seguro viagem caso seja necessário:

Ganhe 10% de desconto na contratação de Seguro Viagem clicando aqui: Seguro Viagem na Real


segunda-feira, 3 de abril de 2017

Canoa Quebrada, no Ceará



Canoa já foi muito badalada num passado próximo e apesar de muitos falarem que a sua época já passou, eu gostei bastante. Já tinha ido nesse passado próximo citado, e ainda assim curti bastante as opções de lazer que ela continua oferecendo. 

Claro que não é preciso reservar muitos dias para ficar lá (tipo uns 3 tá bom), mas por estar tão perto de Fortaleza (e muitas vezes ser passeio de uma dia) vale a pena!

Me hospedei na Pousada Latitude que ficava exatamente no começo da Broadway, a principal rua de comércio, restaurantes, bares e afins. Preço justo, quarto confortável e café da manhã no "padrão nordeste". Se quiser ir até a alguma barraca de praia mais afastada é só pedir para o recepcionista fazer uma ligação que eles fazem o serviço de transporte grátis (num buggy). 

Ficamos um dia na Chega Mais Beach uma barraca de praia meio afastada e que tem uma estrutura bem próxima às da Praia do Futuro em Fortaleza, Apesar de para entrar na piscina ter que pagar por fora, e o ponto do mar ser mais agitado, curtimos. 

No outro dia fechamos na agência de turismo que fica na Broadway, Arriégua Adventure, os dois próximos passeios que íamos fazer nos dias seguintes.   

Primeiro foi o de quadriciclo (pode ser de buggy também) pelo Parque das Dunas e lagoas, passando pela maior tirolesa do Ceará, pela Barraca Oásis que tem um restaurante que frita pastel de arraia na hora e tem uma lagoinha para banho. Depois paramos na Duna do Pôr do Sol para fechar o dia vendo aquele espetáculo.

Dica: use tênis no passeio de quadriciclo se ele não for automático (dói o pé na hora de passar as marchas). 

No outro dia muito cedo, fomos para o outro lado num passeio de buggy indo até Ponta Grossa, passando por várias praias. Também é possível fazer uns passeios de jangada mar adentro, esse eu passei porque bateu medo preguiça. Veja todas as opções e detalhes dos passeios na Arriégua, eles são bem competentes e responsáveis. 

No dia seguinte curtimos as barracas e a praia que ficam no fim da Broadway. Pessoalmente, curti mais o mar nesse ponto. Era bem mais tranquilo, além de morninho. De lá fechamos o passeio de parapente pelas falésias tão famosas de Canoa, custou uns R$ 120. Pra quem tem coragem, super indico pois é lindo e tranquilo. Dá pra fechar na agência ou lá na hora mesmo. 

Fizemos o transfer para Fortaleza aqui. Pra quem quiser, ainda dá pra sair de Canoa e passar no Beach Park que é super caminho até Fortaleza (dica de hospedagem -  Hotel Praia e Louge Pier 85). 

Viagem: Março (2016).


Ano Novo em Las Vegas

Depois do Natal em Nova Iorque , decidimos voar para Las Vegas para curtir o reveillón. Plano ousado e cheio de expectativas.  Pri...