quarta-feira, 25 de maio de 2011

Amsterdam, na Holanda




Amsterdam, ahhh Amsterdam...Definitivamente é demais pra mim! Eu digo que é uma cidade que vai além, muito além da Holanda, ela não é mesmo apenas a capital de um país. Ela é um país!!!! Eu escutei muito inglês e quase nada em holandês (fiquei um pouco triste), a cidade é cheia de gente de fora, muito  jovem, principalmente homens! (coincidência?)


A cidade é lindaaa!!!! Ainda no trem eu já fiquei eufórica com as vistas. Descemos na Estação Central e fomos puxando nossas 50 bagagens pelas ruas ali no meio do povo (escutamos um gritinho em português: "devem ser brasileiras"). Tudo começou bem divertido! Saindo da estação já estávamos na Damrak, uma das ruas mais importantes com todo tipo de loja, museu e restaurantes. Chegamos fácil no nosso hostel o St-christophers, que como toda construção de Amsterdam era um prédio bem alto, estreito e velho. O clima do hostel era legal...eles foram bem simpáticos e guardaram nossas malas até dar a hora do check-in. Enquanto isso fomos dar nosso 1° giro na Sin City.


Ali bem perto já estava a Dam, uma praça bem grande que tem Koninklijk Paleis (Palácio Real) e o Museu de Cera Madame Tussaud's, entre outros. Nós estávamos mortas de cansaço mas fomos andando, andando e quando vi no mapa estávamos bem longe do hostel, faz parte! Você se encanta mesmo! Os canais são lindos, os barquinhos ancorados são um charme, as casas parecem pintura...simplesmente sensacional. Como é de imaginar: muita bicicleta. A cidade também é muito fácil de andar, todas as ruas tem uma plaquinha com nome e apesar de serem aqueles nomes mais monstruosos é super fácil (eu me surpreendi).


Tem muita coisa para conhecer, como passar pela Dam, se animar, ir no Museu de Cera, ir na Museum Plein (Museumkwartier) onde tem os Museus do Van Gogh, o Rijksmmuseum (principal museu de artes da Holanda), do Rembrandt e o  Museu Diamant. Lá também está o letreiro "I amsterdam" que é superlegal! Vá por favor no Heineken Experience (Stadhouderskade 78 Amsterdam 1078AE perto da Museum Plein) que é sensacional e você ainda ganha vários chopps. O Vondel Park é o maior da cidade e é o conhecido pelos topless no verão. Outra atração, nesse caso bem emocionante, é a visita à Casa da Anne Frank (Menina judia que morou com sua família durante 2 anos escondida dos nazistas num anexo da casa durante a Segunda Guerra Mundial. Livro: Diário de Anne Frank (em frente o canal Prinsengracht). Tem o moinho holandês De Gooyen Molen, esse não deu tempo de ir mas acredito que seja bem bonito. A Leidseplein é uma das principais praças da cidade, é bem movimentada cheia de barzinhos e lojas. Ali nos arredores encontramos um restaurante brasileiro que incrementou ainda mais a viagem, caro como sempre mas valeu a pena.


As lojinhas de souvenirs são coisa de louco, tem muita besteira e coisas pornográficas além de utensílios e produtos à base de cannabis (tipo pirulitos)...hehehehehehe! Eu não comprei porque achei o cheiro horrendo...aliás a cidade tem muito disso, apesar de não ser liberado o uso de certas coisas nas ruas, você se habitua a andar e sentir aquele cheiro de maconha saindo dos lugares...isso é meio chato. Tão diferente de Bruxelas que exala pelas ruas aquele cheirinho de chocolate. Eu acho que a liberação dessas drogas leves tiram um pouco o brilho e beleza de Amsterdam.  Falando nisso, por toda cidade você vai encontrar os "Coffee Shops" que são lugares que vendem as drogas. Eles são proibidos de vender alcool e só entram maiores de 18 anos, o melhor é que têm o melhor suco de laranja do mundo, a rede mais famosa é a Bulldog.


O que eu mais amei foram os croquetes holandeses, principalmente os que são vendidos nas lojas Febo. Vira e mexe você passa por uma loja (eu entrava todas a vezes) que tem um sistema muito engraçado de venda. Eles ficam numa vitrine e você põe as moedas (acho que custava € 1,50) e a portinha se abre e você pega seu lanchinho. Eu comia sempre com ou sem fome...kkkkkkk tem vários sabores mas o meu preferido era o Runvleeskroket (de carne).


As baladas são quentes! E eu confesso que fiquei com medo do que encontraria na noite. Como sempre dê uma olhada no dia da semana e programação de cada casa. Alguns nomes grandes estão na Rembrandt Plein (uma praça bem movimentada anoite) como a Escape. Outra que eu morri de vontade de conhecer é a Paradiso (mas não tinha programação para o dia que estávamos lá), essa funciona numa antiga igreja, passei em frente e quase tive um surto de euforia com a ideia...hehehehe...ela fica ali próxima a Leidsplein.


Pra finalizar, tem ainda o famoso Red Light District (detalhe que nosso hostel ficava nele...kkkkk). A rua principal é a De Wallen e é a que você tem no seu imaginário quando pensa em vitrines, luzes e mulheres. Já virou atração turística então é comum além dos potenciais clientes, muita gente passa por ali como casais, famílias, crianças...é extremamente proibido tirar fotos e por mais que você camufle sua máquina, elas sempre conseguem descobrir (kkkkkkkkk...e abrem a portinha e pagam sapo!). No geral elas são muito bonitas, eu fiquei impressionada! Tem para todos os gostos e elas ficam provocando e chamando todo mundo. No guia do hostel pede para os homens ficarem cientes de que nem todas são mulheres. Nos arredores tem muito coffee shop e lojas eróticas. Uns idiotas pegaram eu e minha prima para Cristo, nos seguiram, falaram um monte de piadinha. Nós ficamos com medo e tentamos achar algum policial mas sem sucesso, ai fomos andando o mais rápido possível para nosso hotel. Só assim eles descolaram da nossa aba. Foi meio tenso!


Uma dica valiosa é não esquecer que sair do país com certas substâncias na mala/bolso é extremamente ilegal, apenas na Holanda o negócio é liberado então tome cuidado para não ter problemas depois. Use tudo antes de ir embora!!! hehehehehe


Eu cheguei lá falando que esse seria um lugar no qual eu moraria, sai de lá pensando o contrário! O que eu digo é: ande bastante, cuidado com as bicicletas, tome cuidado e tenha a cabeça aberta! Viva Amsterdam!

Amsterdam - Holanda      Viagem: 2011 (março).

´Assista: Operação Amsterdam, Paraísos artificiais, Eurotrip.

Berlim, na Alemanha



Eu fiquei um pouco nervosa quando pousamos em Berlim, não sei se foi por conta de estar numa das principais cidades do mundo ou se a carga histórica era pesada demais pra qualquer visitante. Provavelmente uma mistura dos dois. Enfim, cheguei na primeira cidade de um país que era totalmente obscuro na minha cabeça, não sabia o que ver e nem o que poderia encontrar...aquela sensação perdida de quem pousa na terra depois de um salto de paraquedas.

Pegamos um taxi (todos eram Mercedes com teto solar...uau!) e eu me senti num brinquedo da Disney de tão impressionada fiquei com a cidade. Ficamos hospedadas na parte soviética - se ela ainda fosse dividida como antigamente. Nos localizamos rápido no mapa e fomos bater perna, também usamos bastante o sistema de ônibus.

A primeira parada foi na Alexanderplatz (foi bombardeada e totalmente reconstruída) com suas diversas linhas de trens e bondes, estação de metrô, a imensa loja Galleria e também o relógio mundial. Há poucos passos tem a Torre de TV (a Berliner Fernsehturm) com uma vista esplêndida da cidade. Pelas ruas você já observa a “modernidade” das pessoas, são de todos os tipos e tribos.

A principal avenida chama-se Unter den Linden que termina na Pariser Platz onde fica o gigantesco Brandenburger Tor. Como quase tudo em Berlim, também foi alvo dos ataques da 2° guerra e completemente destruido. Passando pelo portão, do lado direito você tem o Reichstag, o parlamento alemão (não deixe de entrar e conhecer a linda cúpula de vidro lá dentro, as visitas precisam ser agendadas pela internet), e do lado esquerdo você passará pelo Memorial aos Judeus Mortos na Europa, e ir se aproximando cada vez mais da divisa com a Alemanha Ocidental, o Check Point Charlie. Na rua Niederkirchnerstrasse ainda tem um pedaço do Muro original e por ali está o Topographie des Terror, um museu aberto com algumas fotos e informativos (onde ficavam as centrais da SS e da Gestapo). No lado ocidental estão os prédios mais modernos ali nos arredores da Postdamer Platz, como o Sonny Center (lá tem o museu do cinema).

Experimentamos a Curry Würst, não podíamos deixar de comer a salsicha alemã, o schnitzel, o pretzel e o apple strudel, a torta de maçã no Cafe Einstein na Unter de Linden. Sentimos muito frio nas margens do rio Spree, passamos pela Berliner Dom, pelo enorme palácio de Berlin, Berliner Scholss. Você poderá ir, ainda, na ilha dos museus (Museuminsel), o que mais me atraiu foi o Neues Museum, que abriga o busto da Nefertiti, mas já estava fechado quando chegamos. Não pode faltar nessa estadia a ida até o East Side Gallery onde está uma grande parte do muro restaurado com pinturas de artistas de todo mundo.

A noite é fora de série. A eleita 2° melhor boate da Europa está ali, a Panorama Bar/Berghain que é uma antiga usina elétrica desativada, fica no meio do nada, todos os taxistas conhecem, tem um ar completamente sombrio e uma fila grande na porta. O critério de entrada é um dos mais rígidos que já vi e o cara que seleciona é totalmente amedrontador. Além da Panorama, existem outras baladas maravilhosas como a Watergate às margens do rio Spree com um visual e músicas sensacionais e tem a Weekend Club ali na Alexanderplatz no alto de um prédio comercial, não conseguimos achar o raio do endereço (uma pena), nem nós e nem Felipe (o meu GPS). Saiba mais sobre as baladas de Berlim aqui.

Se tiver um tempinho e quiser fugir do frio dê uma olhada nesse programa que pode ser uma ótima opção: Tropical Islands. 

Ainda tem muita coisa a se fazer por aquelas bandas, Berlim volta pra “To do list”, principalmente pelas atrações noturnas. Vinte e dois anos depois da queda do muro eu pude chegar pertinho dele, foi uma das maiores emoções da minha vida já que foi um dos acontecimentos mundiais que pude acompanhar (mesmo sendo bem novinha nunca saiu da minha cabeça, em 1989 tinha apenas 3 anos).

Berlim - Alemanha      Viagem: 2011 (março).

´Assista: Desconhecido, Eurotrip, A lista de Schindler.

Köln / Koeln/ Cologne / Colônia, na Alemanha




Eu descobri mais uma cidade no mundo na qual eu moraria! Já começo a falar assim dessa cidade maravilhosa. É a quarta maior cidade da Alemanha e é banhada pelo Rio Reno. Ela foi uma das sedes da Copa do Mundo de 2006 e pelo que deu para perceber é uma cidade de gente bem rica, dá pra ver pelos carros de luxo e as lojas das grifes mais famosas do mundo. Ela tem todo um climinha de cidade pequena (aqueles condados dos filmes), uma atmosfera apaixonante! Rota obrigatória pra quem pretende visitar a Alemanha.


Escolhemos Colônia principalmente por ser uma das cidades que tem a tradição de comemorar o carnaval. Eles celebram nos mesmos dias que nós aqui no Brasil e preciso dizer que achei o máximo. Eles montam estruturas de arquibancada e enfeitam a cidade toda. É uma festa imensa e todos contam os dias o ano inteiro para a chegada dessa época (apesar do frio). Todos vão para as ruas com um único intuito: beber cerveja! São 3 dias frenéticos de comemoração nas ruas com todos muito bem fantasiados, e são as fantasias mais bizarras tipo palhaço, pato, cachorro...etc. No quarto dia parece ser feriado pois poucas coisas estão abertas e você não vê muita gente nas ruas (parece que estão todos se recuperando do que houve nesses 3 dias). Na TV, tem uma programação bem tosca de um programa de auditório onde a platéia está fantasiada e participam de uns concursos, musicais...parece aqueles programas dos anos 70 da nossa TV. Coisa de louco!


A gente andava pela cidade e via só a "sujeira" do carnaval, tinham umas garrafinhas jogadas pelas ruas que sempre despertaram minha curiosidade, peguei uma no chão e cheirei: era algo doce com alguma coisa de vodca, creio eu (depois descobri que era uma bebidinha alcóolica bem docinha que deve ser tomada duma vez só). Virava e mexia, você via pegando o metrô ou o ônibus algumas pessoas ainda fantasiadas, e era super normal...rimos bastante. Conhecemos algumas pessoas nativas e conversamos bastante sobre o carnaval. Descobrimos que acontecem uns desfiles com carros alegóricos (nada comparado com o Rio) e o pessoal bebe "como se não houvesse amanhã" usando uns colares com pingentes tipo uns brasões, e em uma certa hora o pessoal dos carros jogam para platéia doces (???). Pena que não pudemos ver isso tudo acontecendo, por isso tenho motivos mais que plausíveis para voltar em Colônia.


Voltando à cidade (que me conquistou), apesar de ser grande você pode fazer os trajetos andando. Tem o KölnMesse uma das maiores feiras do país (tipo um centro de convenções), o Lanxess Arena o estádio de futebol, a sensacional, magnífica e gótica catedral Kölner Dom (dizem que os restos mortais dos três reis magos estão lá dentro), além dos muitos museus como o Museum Ludwig que têm muitas peças do Picasso e Andy Warhol e o Museu do Chocolate onde os chocolatinhos da Lindt são predominates (a melhor lojinha de museu de todas), também comi muitos pãozinhos de sal que achava pelas bakery espalhadas nas ruas.

A característica que mais me marcou foi a quantidade de ruas de compras que existem por lá: Impressionante! Além dos shoppings fechados, existem centenas de ruas que se cruzam e que são shoppings ao ar livre (com as lojas mais poderosas do mundo) e o melhor: com preços muito acessíveis. Eu adorei e me surpreeendi porque não esperava por isso. Colônia é uma cidade com um padrão de vida muito alto, o metro quadrado custa muito caro e quem não tem tanta condição acaba morando em cidadezinhas vizinhas que ficam a uns 30 minutos do centro da cidade. O sistema metroviário é bem distribuido e funciona com muita eficiência.

A dica de restaurante é o Farms e o bar/restaurante Colinas. A cerveja super famosa de lá é a Kölsch (gostosinha) e as pessoas são bonitas e simpáticas. A parte de diversão noturna tambem é muito boa, tem centenas de opções e muita gente jovem.

Eu simplesmente amei Koln e com certeza voltarei lá todas as vezes que visitar a Alemanha (espero que muitas).

Dicas de balada: aqui.

Colônia - Alemanha      Viagem: 2011 (março).

Düsseldorf, na Alemanha



Começo passando informações: Dusseldorf é a capital do estado da Remânia do Norte-Vestfália (???), é sede dos escritórios das maiores agências de publicidade do mundo, está às margens do romântico rio Reno, é a cidade natal do menininho que achou o cartão dourado e foi visitar a Fantástica Fábrica de Chocolate, é chamada de "Capital da Moda" e, finalmente, é uma das referências do país no quesito carnaval (existe uma pequena rixa com Colônia pra ver qual fica com posto de mais animado).

Chegamos na estação central umas 23h e no mesmo trem tinha dois guris conversando abobrinhas em inglês, eles se ofereceram para ajudar com nossas 500 malas e descobrimos que um deles era brasileiro. Era St. Patrick`s Day e eles insistiram muito para irmos encontrá-los no pub O`Rilleys que ficava na região mais boêmia da cidade, estávamos meio mortinhas da silva e eles eram bem "quarta-feira", optamos pela nossa caminha quentinha e acolhedora.

O dia começou uma delícia com um solzinho revigorante, em frente ao hotel tinha uma bakery e comemos muito pão francês. Dali a caminhada começou! Decidimos cortar a cidade até chegar às margens do Reno. Passamos pela rua de compras mais famosa (muita, muita e muita grife) a Königsallee. Passamos pelo Porto Média que é um quarteirão cheio de prédios bem planejados, como os três arquitetados pelo Frank Gehry. Ali pertinho você pode subir numa torre de TV que vai te dar uma vista muito bacana. Existe também o quarteirão antigo que são ruas com pavimentação de pedras, lotadas, cheias de pubs, bares, restaurantes e boates. Passamos por lá num domingo de sol, e estava muito animado com muita gente bebendo nas ruas mesmo (mais um biergarten). É considerado o balcão de bar mais comprido do mundo, com cerca de 260 bares (eles não gostam muito desse título, vai saber o porquê). Andar na orla do Reno foi uma graça, a paisagem é linda e o clima muito aconchegante.

Além da moda, Dusseldorf é muito bem vista em relação às opções de entretenimento de arte e cultura. A cerveja é bem tradicional, estilo altbier (cerveja escura), os próprios guias dizem que apenas pessoas nascidas ali apreciam esse tipo de cerveja. Pudemos experimentar e até dá pra dar mais de 3 goles (experimentamos a Diebels).

A noite me surpreendeu demais. Confesso que não esperava muita coisa, ainda mais depois de ter passado por Dresden. A primeira noite começou com chuva, procurávamos um lugar específico, não achamos, e entramos em outro (St. James). Eu gostei, local bacana, pessoas bonitas...sentamos no bar, nos deparamos com o bartender e a noite foi só alegria. Ali descobrimos que quem briga na balada tem que se virar com a polícia (por isso nunca vimos brigas) e se rolar stress no banheiro feminino, você precisa se expressar em alemão, se não os ânimos não vão ser nadinha acalmados. Na noite seguinte fomos para a Rudas Studios (indicação do barman), uma balada num prédio comercial, bombada com três ambientes e pessoas tops de linha (eu nunca me senti pequena num lugar) parecia uma festa de modelos. A música era ótima, ganhamos a admiração de mais um barman e nos divertimos à beça! Sen-sa-ci-o-nal!!!!

Dusseldorf - Alemanha      Viagem: 2011 (março).

´Assista: Alma Perdida. 

Dresden, na Alemanha

Rio Elba

Dresden, conhecida como a “Florença do rio Elba”, entrou no roteiro por indicações e basicamente pela beleza da cidade. Conheci dois alemães e um deles disse que eu iria adorar porque era um destino fantástico de compras e o outro me disse apenas: “Eu odeio aquela cidade!”. Bom, seguimos mais uma estação e fomos para lá. 

Eu já gostei da localização do nosso hotel, era de frente com uma das ruas principais. Chegamos, dormimos um pouco e saímos para a exploração. Realmente é a cidade das compras! Muitos e muitos shoppings, muito bacana! Nos jogamos feio (ou bonito) nas compras já que fizemos a parte turística bem rapidinho (não tem muita coisa). Lá descobrimos que nossa “família” de viagem teria que crescer, ou seja, mais malas se juntariam à nossa jornada.

Dresden é conhecida principalmente pelo bombardeio em 1945 que a destruiu quase que inteiramente, inclusive foi até controverso pois era considerada uma cidade sem relevância militar. É impressionante andar por suas ruas e saber que todas aquelas construções e monumentos foram todos reconstruídos. A cidade realmente é linda e eu indico uma visita no verão quando está toda florida e verdinha.

Os principais pontos turísticos estão às margens do rio Elba, no verão vira uma espécie de praia, o pessoal toma sol, joga vôlei e toma aquela cervejinha. Passamos pela Frauenkirche (igreja símbolo da cidade), pelo palácio Residenzschloss, o Zwinger (um dos edifícios barrocos mais impressionantes da Europa) e pelo Ópera Semper (uma das casas de ópera mais belas do mundo). Depois atravessamos uma das pontes sobre o Elba e conhecemos outra parte da cidade que era mais bucólica e romântica.

O agito noturno foi bem fraco, não conseguimos descobrir nada pra fazer. Até fizemos alguns esforços para não perder a noite como usar GPS, pesquisar na internet, fazer amigos e seguir jovens nas ruas, mas infelizmente nada com sucesso. Entretanto, quase sem querer vimos um prédio bem diferente ali bem próximo ao nosso hotel e várias pessoas indo na direção dele, fomos lá dar aquele “confere” e para minha sorte era um cinema. Sem titubear compramos ingressos para assistir o Nicolas Cage falar em alemão em 3D (e ainda pagamos meia com nossas carteirinhas estudantis do Brasil).

Se tiver um tempinho e quiser fugir do frio dê uma olhada nesse programa que pode ser uma ótima opção: Tropical Islands. 

Dresden também foi palco de um dos perrengues mais históricos da minha carreira de turista...lá na estação de trem que eu e minha prima não esqueceremos jamais. Leia aqui o relato disso

Dresden - Alemanha       Viagem: 2011 (março).

Belém, em Portugal - Parte 1




Pra quem está em Lisboa a ida até Belém é obrigatória. É muito fácil chegar lá, tem um monte de linhas de ônibus  (autocarro) que te levam até lá. Belém é tipo um bairro afastado de Lisboa e também é banhado pelo Rio Tejo (quando estive lá vi umas caravelas navegando).

Lá você pode visitar a Torre de Belém, O Mosteiro dos Jerônimos e o Padrão do Descobrimento. Além de, é claro, poder comprar o famossísimo e exclusivo Pastelzinho de Belém que é vendido em um único lugar; não tem como errar pois você vai ver a fila quilométrica na porta.


Belém - Portugal    Viagem: 2011 (março).

Lisboa, em Portugal - Parte 1

Resultado de imagem para lisboa



Estar em Portugal é uma sensação muito curiosa, você está num outro continente e se depara com placas e pessoas falando sua linda língua. Lisboa pra mim foi a última cidade de tantas outras, fim de festa, e eu adorei pois já deu pra ir matando a saudade de casa com o clima, as comidas e o português. Depois voltei por lá no ano seguinte e continuei com a mesma sensação boa da primeira vez. 

Lisboa é um misto de modernidade e velharia; e a sensação é de estar na casa dos pais, faz todo sentido. Desde o taxi já nos sentimos acolhidas com a simpatia do motorista; seguindo fomos quase adotadas pelo pessoal do Hostel (Lisboa Central Hostel) que ficava num localização fantástica e com uma acomodação melhor ainda. Detalhe: eu queria aquele quarto pra mim! Chegamos e fomos tri-bem recebidas, nos deram mapas e várias dicas do que fazer naquele dia. O retrato da população é de muita desigualdade, por um lado tem o padrão "Europa" mas também vimos muita gente mais idosa, bem humildes e sorridentes. Realmente é o Brasil europeu. O modo de falar também dá uma assustada, parece que estão brigando com você, mas no fundinho não estão não.

Bom, andamos muito e por esse caminho compramos souvenirs como imãs e chaveiros de galo (o apelidinho do país é "Portugalo") e umas garrafinhas de vinho do porto. Também comi coxinhas de frango que já eram meu desejo há uns 15 dias, experimentei o brigadeiro (não é feito da mesma forma)...enfim, tem muita guloseima deliciosa pelas "padarias" nas ruas. Experimente a bebida famosa por lá: a Ginja. É tipo um licor de uma frutinha vermelha que é uma delícia. 

Andamos bastante do local do nosso hotel (atrás da Av. Liberdade) até a Baixa, passando pelo Rossio até a Rua Augusta. Nesse caminho chegamos até o Elevador da Santa Justa e a Praça do Comério que fica às margens do Rio Tejo (pôr-do-sol lindíssimo). Já era possível avistar no aaaalto do morro o Castelo de São Jorge (tem uma vista da cidade muito bacana). Também escolhemos um restaurantezinho e aproveitamos uma promoção do jantar e pagamos baratíssimo (9 euros) numa picanha com arroz e feijão (huummm). Depois você precisa ir até o Parque das Nações, é uma área mais moderna da cidade que tem uma estação de metrô (Gare do Oriente) sensacional desenhada pelo famoso arquiteto Calatrava, tem o 2° maior Oceanário do mundo (interessantíssimo), o shooping Vasco da Gama, um teleférico e o Museu de arte antiga. Almoçamos num restaurante brasileiro que tem por ali, foi bem caro mas valeu a pena. 

Ida até Belém é obrigatória. Lá você pode visitar a Torre de Belém, O Mosteiro dos Jerônimos e o Padrão do Descobrimento. Além de, é claro, poder comprar o famossísimo e exclusivo Pastelzinho de Belém. (Dê uma olhada no post "Belém")

O esquema de baladas funciona assim: por volta das 21h todos vão para ruas do bairro Alto. Você entra em vários bares, pede uma bebida aqui, outra ali...fica na rua...esse é o clima. Tem muita gente bonita. Às 2h da manhã todos os bares fecham e ai a galera toda pega um taxi e vai direto para as baladas propriamente ditas (1 balada top: Lux). Tem de todos os tamanhos e estilos. Os preços variam de acordo com o seu look e sua cia. Nas mais tops você vai encontrar muita dificuldade pra entrar. Como é praxe na Europa não existe regra ou manha, só reze para não receber palavras do tipo: "a entrada custa 300 euros sem consumação" ou "é uma festa só para convidados ou com nome na lista". 

Nas baladas mais acessíveis você pode até entrar mas os preços vão variar, existem comandas de todos os preços e quem definirá a sua é o segurança da porta depois de uma análise bem preconceituosa do seu visual. Existem umas boates menores nas Docas, são coisas mais bagunçadas mas ficam lotadas, apesar de termos entrado de graça e ainda ganhado uns 5 vales bebidas, não gostamos. Pra falar a verdade eu não gostei muito da noite de Lisboa. Achei as bebidas péssimas, as músicas horrendas e as pessoas assustadoras. Mesmo assim eu toparia dar uma segunda chance e tentar algumas outras noites por lá. Engraçado mas em Lisboa eu tomei uma das melhores bebidas da minha vida: Moranguito (era um mix-shot de tequila, batida de côco e groselha).

Preciso dizer que existe o “Projeto Forró de Lampião” todo domingo às 21h no Steps Clube Estação que é um barzinho que toma o melhor forrozinho pé-de-serra importado diretamente do Brasil. Eu fiquei enlouquecida quando descobri mas infelizmente fomos embora de Lisboa justamente no domingo anoite. Eu até propus irmos de mala e cuia pra lá e depois correr para o aeroporto, mas a minha ideia não foi muito aceita.

Você deve estar se perguntando se eu não experimentei o bacalhau. Eu não como peixe e nem nada que venha do mar. Por mim, não faria falta alguma. Porém a dona do Hostel e nossa melhor amiga de imediato nos convidou para um jantar que ela mesma prepararia: uma super bacalhoada. Foi impossível dizer não. Chegamos da rua no horário marcado (eles fazem muita questão da pontualidade) e lá estava ela finalizando sua especialidade. Eu nem gosto desses trens mas o cheiro me encantou. Todos comeram bastante e não pude fazer essa desfeita e dei meu prato. Ela me serviu (aliás, ela serviu todo mundo e empurrou em todos o repeteco), foi um prazer mas, definitivamente, eu atestei o meu des-gosto pelo bacalhau. Sorte de quem gostava!!!

Para quem vai fazer um bate-volta, no aeroporto já existe uma estação de metrô que te dá acesso a todas as áreas da cidade. E um táxi da região do Bairro Alto até o aeroporto custou apenas 10 euros. Mesmo que você só tenha algumas horas livres até o seu embarque, não hesite em descer no Rossio, jantar num lugar legal, emendar uma baladinha no Bairro Alto e só depois voltar ao aeroporto. 

Leia o relato de Lisboa Parte 2 aqui. 



Lisboa - Portugal Viagem: 2011 (março), 2012 (agosto).


segunda-feira, 23 de maio de 2011

Bruxelas, na Bélgica


Resultado de imagem para bruxelas

Para quem não sabe, Bruxelas é a capital da União Européia. É uma cidade bem bonitinha, pequena mas cheia de detalhes.


Ficamos no hostel Sleep Well que ficava numa localização muito boa, fora as instalações que eram muito confortáveis. Eu aconselho poucos dias, tipo uns três tá ótimo. Você pode ir visitar a parte mais moderninha da cidade onde estão os prédios e escritórios da UE, mas também tem muito prédio antigo e mal conservado. Pode ir andando pelas ruas até chegar à Grand Place, é bem bonita e circundada com prédios lindíssimos e vários restaurantes (muito parecida com a Plaza Mayor, em Madri). Na maior parte do ano a cidade é fria e durante seus 20 e poucos dias de sol anuais, muita gente vai pra lá tomar um solzinho.


O que atrai mais visitantes com certeza são seus chocolates e waffles. Você vai andando pelas ruas sentindo aquele cheiro enloquecedor de chocolate...meu Deus! Meu preferido é o Neuhaus mas tem outros vários famosos como o Godiva e o Pierre Marcolini. Também tem as batatas fritas servidas em cones totalmente lambrecadas com algum dos zilhões de molhos disponíveis (eu não achei nada de diferente, e nem comi tudo porque não gostei). Não deixei de experimentar pelo o menos uma cervejinha né: Jupiter (muito boa). E por favor, tome muito suco de laranja natural!


Além da Grand Place, vá ao The Atomium (escultura gigantesca que fica um pouco afastada do centro - vá de metro), Mini Mundo, Museu do Quadrinho (achei meio chato), ao Manequinho - Manneken Pis Fountain (é meio bobo) e à Cathedrale Saint-Michel. A Bélgica também é a terra natal dos Smurfs e do Tintin então sempre você vai cruzar com algo relacionado a esses personagens.


Uma curiosidade é a língua (ou línguas) usada pela população. Metade fala holandês e a outra fala francês, isso mesmo. Inclusive as placas e estações são traduzidas nas duas línguas. Nas escolas eles obrigatoriamente aprendem as duas línguas mais a maioria fala também o alemão e o inglês. É uma loucura!!!

A experiência na noite de Bruxelas não foi das melhores, mas eu não descarto outras tentativas de jeito algum nessa terra mãe do Tomorrowland. 


Quem vai até Bruxelas aproveita e passa nem que seja um dia em Bruges (fica ao lado). É bem conhecida e linda (ar medieval). Bom, aproveite e compre muito chocolate!!!

´Assista: Perseguição Implacável.

Bruxelas - Bélgica     Viagem: 2011 (março).

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Fort Lauderdale, nos Estados Unidos




Fort Lauderdale é mais um condado de Miami onde só moram os ricaços com seus carros e iates "estacionados" nas portas e piers das casas. Pense num lugar que tem gente jovem...

Aproveite a praia da lá que é super visitada, a Fort Lauderdale Beach, passeie também pela Atlanctic Boulevard (beira mar) que tem um monte de restaurantes legais, gente jovem e bonita.


Outro lugar que é extremamente lotado e divertido é o Seminole Hard Rock Hotel & Cassino. Tudo lá dentro é lindo e posso chamar de um complexo de diversão. Fora a jogatina, tem vários restaurantes e boates. Dá um pessoal bem bacana e um pouco diferente do estilo "South Beach" de ser. Vá na boate "Passions" (existe esquema de nome na lista, acesse o site ou facebook). 

Fort Lauderdale - Estados Unidos   Viagem: 1997 (janeiro), 2001 (janeiro), 2005 (julho), 2009 (agosto), 2011 (dezembro/janeiro), 2012 (dezembro/janeiro).

Tigre, na Argentina

Resultado de imagem para tigre argentina


Quem vai a Buenos Aires pode pegar um trem e chegar até o município de Tigre. Fica a algumas horinhas do centro da capital Argentina.

É um local muito aconchegante e parace ser a "casa de praia" do pessoal mais riquinho. Muito carro bom, lanchas e iates. É possível embarcar de lá num passeio pelo delta do rio Tigre.

Na verdade, fiz essa micro viagem para lá por conta de um parque de diversões: Parque de La Costa. Em termos de comparação seria equivalente ao Playcenter de São Paulo. E nessa balança coloco minhas moedas todas no pratinho do parque brasileiro. O Parque de La Costa é muito fraquinho e as pessoas (adolescentes) tem aparência péssima, de descuido...etc. É tipo um trem fantasma a céu aberto. Não gaste tempo e dinheiro. 

Mas vale dizer que a cidade é linda, passamos por lá num domingo e estava fazendo um solzão. Tinha muita gente na grama tomando sol, fazendo piquenique, jogando bola...clima alto astral!


Tigre - Argentina   Viagem: 2010 (novembro).

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Tampa, nos Estados Unidos

Resultado de imagem para tampa florida

Tampa é mais uma cidade da Flórida. Ela fica ali próxima a Orlando (+/- 130 km). Na verdade eu não sei muito da cidade, apenas sei que é sede de um dos parques temáticos que mais me alucinam: o Bush Gardens (o maior parque de animais dos Estados Unidos).

Com o tema "África", ele tem muitos shows de animais mas a principal especialidade deles são as montanhas-russas. É o paraiso pra quem gosta de adrenalina. Tem de todos os tipos: de madeira, invertida, mais alta, mais baixa, na água, com ou sem chão, com ou sem looping... O parque tem umas bem famosas dos EUA como a Sheikra que tem uma queda de 90 gaus. É sen-sa-ci-o-nal!


Principais atrações: Cheetah Hunt (muita velocidade e sem looping), Sheikra (descida 90°), Gwazi (alta velocidade na madeira), Congo River Rapids (descida na corredeira), Kumba (reproduz barulhos de lẽao e incontáveis loopings), Muntu (invertida), Scorpion (mais tradional).



Eu só fui descobrir depois de muito tempo que o Sea World e o Discovery Cove (nade com golfinhos) não pertencem à Disney, e sim ao Bush Gardens (com aquelas montanhas-russas era de ser esperar). Dá pra comprar tickets-combo para os parques por preços mais bacanas.  

Falar de Tampa é engraçado pois em vários sites do ramo de turismo e viagens é possível ver textos mostrando o outro lado da cidade que, definitivamente, não gira apenas em torno do parque. Existem bons restaurantes, museus, parques e a baía de Tampa que valem a visita.

Atravessando uma ponte super extensa (não preciso nem comentar como trajeto é lindo) que passa dentro da Tampa Bay, existe a cidade de St. Petersburg que abriga um complexo de esportes muito bacana no qual eu já tive oportunidade de assistir a um jogo de futebol americano dos play offs da liga universitária.

Outra coisa que sei, é que eles tem um time muito bom de futebol americano o Tampa Bay Buccaneers que disputa a NFL.

Um outro lado de Tampa, leia aqui.

Bate-e-volta para Anna Maria Island, leia aqui.

Tampa - Estados Unidos  
Viagem: 1997 (janeiro), 2005 (julho), 2009 (agosto), 2011 (dezembro), 2018 (abril), 2019 (setembro).

´Assista: O apocalipse

Viña Del Mar, no Chile



Perto de Santiago está o balneário de Viña Del Mar, é a praia do pessoal de Santiago. No calor todos fogem pra lá. 

É lindo e vale uma ida com certeza, fica a algumas horas de carro. Sem falar que é uma boa oportunidade de conhecer as águas do Oceano Pacífico. 

Das pontes de observação dá pra ver um monte de animalzinho no mar, tipo leões marinhos e focas (mto legal). Se passarem por aqui, não se esqueçam de visitar algum restaurante principamente na avenida beira mar (o nome da avenida eu não lembro).

Andando pelas ruas você vai encontrar num canteiro “O Relógio de Flores”, diante da praia de Caleta Abarca, é bem bonito. Também é possível achar uma escultura da Ilha de Páscoa (original).

Viña Del Mar - Chile       Viagem: 2007 (agosto).

´Assista: After shock, O apocalipse.

Key West, nos Estados Unidos

Resultado de imagem para key west

É a útlima cidade ao extremo sul da Flórida. O caminho feito de carro até lá é impressionante de lindo...tem uma parte em que é apenas uma ponte muito longa em cima do mar. A ponte é conhecida como "A Ponte das Sete Milhas" e se você assistiu ao filme True Lies (adoro) sabe bem do que estou falando. É super elitizado com muitas lojas caras e pessoas elegantes. Mais um daqueles paraisos de verão!

Nem preciso falar das praias que são um espetáculo de perfeitas. Também é possível visitar o Museu do Ernest Hemingway, que se mudou para lá com a mulher e viveu por algum tempo. 

Não deixe de ir passar pela rua principal com restaurantes de vários tipos e arquiteturas. Creio eu ser um lugar muito frequentado por gays, pois eu vi muitos taxis rosas pelas ruas. De lá também é possível embarcar em cruzeiros (geralmente têm como destino o Caribe).

Muitos imigrantes, principalmente de Cuba, tentam a entrada nos EUA através de Key West, por isso lá a segurança é bem reforçada.

 
Key West - Estados Unidos       Viagem: 1997 (janeiro).

´Assista: True Lies.

Orlando, nos Estados Unidos

Resultado de imagem para orlando florida


Orlando é uma cidade que te oferece basicamente três tipos de entrenimento:

1. Volte a ser criança nos Parques
2. Seja um adulto e faça muitas Compras
3. Seja um adulto e descubra as excentricidades noturnas

Tem gente que vai pra lá com esses três objetivos no espaço de geralmente uma semana. Eu acho inviável. Infelizmente. Ainda asim vou tentar escrever um pouco de cada um e você tenta ver o que gosta e quer fazer.
  1. Volte a ser criança nos Parques
Orlando é sede de várias redes de parques de diversão: Disney, Universal, Wet'n'wild, Discovery Cove, Sea World, etc. O certo (e talvez ainda pouco) é você reservar um dia para cada parque. Como não temos 5 meses de férias por lá, alguns parques entram no roteiro, e outros não. Então é bom definir suas vontades, por exemplo, se quer ir nos mais visitados, se prefere os aquáticos, se quer os de animais...etc.

Walt Disney World

A Disney World (de Orlando) tem váááááários parques, eu costumo dizer que é uma cidade inteira chamada "Disney", pois fica, digamos, do lado de Orlando, é um mundo à parte. Tem parques de animais, de adultos, de crianças, dos dois, e aquáticos. Lá dentro também tem uma rede de hotéis e uma parte para divertimento noturno.

Magic Kingdom: É o principal parque e imenso. Apesar de ser meio infantil é uma parada obrigatória definitivamente. Principais atrações: Castelo da Cinderela, Piratas do Caribe, Show de encerramento "Wishes", Parada Disney (desfile ao longo do dia), Splash e Space Mountain (a tradicional e histórica montanha-russa), It's a small world e o Mickey's Philhar Magic (o melhor cinema 3D que já fui na vida). 

Disney's Hollywood Studios: É o antigo MGM, e um dos parques mais adultos da Disney. Principais atrações: Torre do Terror (elevador que despenca), a montanha russa indoor no escuro do Aerosmith, Indiana Jones, e um dos melhores shows de encerramento "Fantasmic".

Disney's Animal Kingdom: É um parque mais voltado para o público infantil, e confesso que nunca fui, mas tenho informações que vale super a pena. Principais atrações: Procurando Nemo (musical), Dinosaur, árvore da vida (árvore gigante no centro do parque) e a Everest Expedition (uma da montanhas-russas mais famosas da Disney). 

Epcot: É aquele parque que tem uma bola gigante de Golf. É a concepção do mundo do futuro imaginário do grande Walt Disney. Tem uns poucos brinquedos legais como o Test Track, e uns simuladores de naves no espaço. Tem uma área "Cola-Cola" onde você pode experimentar o refrigerante de várias partes do mundo. Ao redor do grande lago, ele é todo dividido em países com réplicas famosas de templos japonezes e a Torre Enfel, por exemplo. Aí você pode visitar cada "país" onde encontrará comidas típicas, filmes, etc. O show final também é bacana com um show de fogos lançados de um barco. Basta ir uma vez ao Epcot.

Downtown Disney: É uma região aberta com muitas lojas (as melhores da Disney), restaurantes (de vários estilos), boates e entretenimento (Plasure Island). Funciona durante o dia, mas são melhores anoite. Tem lojas (a melhor da Disney inteira).

DisneyQuest Indoor Interactive Theme Park: É um park indoor situado no Downtown Disney. As atrações são jogos eletrônicos e simuladores de todos os tipos. Seria a Disney hi-tech, também é pago para entrar.

Cirque du Solei La Nouba: Também no Downtow Disney tem um dos espetáculos fixos do Cirque du Solei, apresentando o "La nouba". Sem comentários.

No complexo da Disney World ainda tem outras opções de parques, os aquáticos. Na época do verão, são uma ótima opção de programa.

Universal Studios

Na minha opinião tem as melhores atrações para adultos. Eles têm dois parques, um do lado do outro. Com um ingresso você pode entrar nos dois parques num dia só. Para quem já conhece os dois parques é legal fazer essa correria, já pra quem vai pela primeira vez eu aconselho um dia para cada parque que igualmente têm muitas atrações, consequentemente mais gente, e ainda mais fila.

Para chegar aos dois parques você passa por uma avenida chamada "City Walk" tem muita loja, restaurante, música, boate, cinema e etc...é uma ótima pedida para noite (se você ainda tiver forças).

Universal Orlando: Foi o primeiro parque construido. Tem atrações muito legais baseadas em filmes tipo: O exterminador do Futuro, Twister, A múmia, Shrek 4D, ET, Pica Pau, Homens de Preto, Os simpsons, Terremoto, a montanha-russa Rock it!, etc. Todos são super produções e usam muitos efeitos especiais. Você se sente nos filmes.

Islands Of Adventure: É o parque mais novo e tem atrações mais radicais como: a montanha russa do Hulk, Dueling Dragons (duas montanhas ao mesmo tempo se entrelaçando), Harry Potter Zone, Homem-aranha, X-man, Jurassic Park, Poseidon, entre outros.

Bush Gardens

Existe um parque que é um dos amores de minha vida o Bush Gardens, mas ele fica em Tampa, fica perto de Orlando (+/- 130 km). Com o tema "África", ele tem muitos shows de animais mas a principal especialidade deles são as montanhas-russas. É o paraiso pra quem gosta de adrenalina. Tem de todos os tipos: de madeira, invertida, mais alta, mais baixa, na água, com ou sem chão, com ou sem looping... O parque tem umas bem famosas dos EUA como a Sheikra que tem uma queda de 90 gaus. É sen-sa-ci-o-nal!

Principais atrações: Cheetah Hunt (muita velocidade e sem looping), Sheikra (descida 90°), Gwazi (alta velocidade na madeira), Congo River Rapids (descida na corredeira), Kumba (reproduz barulhos de lẽao e incontáveis loopings), Muntu (invertida), Scorpion (mais tradional). 

Eu só fui descobrir depois de muito tempo que o Sea World e o Discovery Cove (nade com golfinhos) não pertencem à Disney, e sim ao Bush Gardens (com aquelas montanhas-russas era de ser esperar). Dá pra comprar tickets-combo para os parques por preços mais bacanas. 

Sea World: Esse parque mais infantil, com muitos animais. Tem o show dos golfinhos e da famosa baleia Shamu. Tem 3 atrações que fazem a loucura dos adultos. Tem gente que vai até lá só pra ir na montanha russa Kraken (uma das melhores que já fui: mais alta, mais rápida, mais longa e única montanha-russa sem piso de Orlando), a Manta (montanha-russa na qual todos vão deitados) e a Journey to Atlantis uma montanha-russa na água que tem uma descida muito inclinada e longa pra caramba. Lá você pode pagar e nadar com golfinhos, tocar em tubarões e coisas desse tipo.
  1. Seja um adulto e faça muitas Compras
Orlando é bem visitada em função das compras, tem muita variedade de produtos e bons preços.

Tem dois shoppings (Orlando Premium e Prime Outlets) a céu aberto que dispõe das outlets das melhores marcas. Pela cidade você também encontra comércios que oferecem de tudo, eu indico principalmente as perfumarias. Além dos outlets tem as lojas normais com as coleções da época. Os brasileiros fazem a festa.

Para o almoço encontre o restaurante brasileiro Camila's (5458 International Drive). É muito bom, lotado e a comida é muito gostosa. Já comi lá coisa mais gostosa do que encontro aqui no próprio Brasil. Existe um em Miami também.
  1. Seja um adulto e descubra as exentricidades noturnas
Em todos hotéis existem aqueles zilhões de panfletos sobre atrações da cidade. Orlando tem muuuuuita coisa pra fazer além desse circuito parque-outlets. Tem uns bares de gelo, tem simuladores de vôo e gravidade zero, bungee jump, boates...Se der, vale a pena reservar um tempinho anoite para essas opções de diversão.

Leia sobre o bate-e-volta para Anna Maria Island aqui. 

Orlando - Estados Unidos       
Viagem: 1997 (janeiro), 2001 (janeiro), 2005 (julho), 2009 (agosto), 2011 (dezembro), 2018 (abril), 2019 (setembro).

Paris, na França - Parte 1





Ah que delícia falar sobre essa cidade. Indescritível! É tudo lindo, tudo romântico, tudo gostoso, o idioma apaixonante, as roupas bacanas...até do cigarro eu gostei (não fumei e nem fumo).

A minha (primeira) ida até lá foi apenas por 4 dias. É uma cidade que tem muita coisa pra fazer e é impossível fazer tudo em 4 ou 5 dias. Eu indicaria uma estadia de 15 dias, no mínimo. Enfim, qualquer tempo que você passe por lá, nem que seja 1 dia de escala valerá a pena. Você vai voltar para casa diferente.

O meu hotel ficava num bairro popular da cidade (La Villete) ele não era muito perto ali do centro mas o sistema metroviário é sensacional. Facílimo de entender e usar, além de chegar em todos os cantos possíveis de Paris (menos  até o Palácio de Versalhes).

Ande bastante, nada melhor que do que conhecer e sentir a cidade andando. Identifique os pontos principais num mapa e trace sua rota. Eu passei por muitos lugares chave tais como a Torre Eifel (filas grandes mais é parada e subida obrigatória), o Museu do Louvre (imenso e com um acervo incrível incluindo a pequena Mona Lisa), o Arco do Triunfo (prepare-se para subir uns 300 e poucos degraus), a des Champs-Élysées (rua chiquérrima, não se assuste, olhe as vitrines e  entre nas lojas, tem coisa acessível), o Centro Georges Pompidou (é um centro de convenções com uma arquitetura super diferente, sentar num café ali perto é o máximo), a Catedral de Notre-Dame (linda, linda e linda), as ruinas de Lutécia, o Montmartre (é o bairro da boemia cheio de bares e pubs. Lá também estão o Molin Rouge - as reservas são antecipadas e super caro) e a Basílica de Sacré-Coeur que tem umas das melhores vistas (infelizmente não deu tempo pra mim), a Saint Chapelle (uma das poucas contruções dos reis), as Galerias Lafaiete (famosíssimas e com as lojas e vitrines animadas mais tops do mundo), a Ópera de Paris, sem falar nas trocentas praças com a de La Concord, Place Vendôme, Republic, de La Bastille e a de La Resistance.

Um sou completamente demente e não podia deixar de ir na Eurodisney que fica ali próxima a Paris. Você pega um trem específico e desce na última parada (não tem erro). São 2 parques um do lado do outro e com seu ticket te dá acesso aos dois no mesmo dia. Não se compara com o complexo de Orlando, mas tem umas atrações exclusivas e outras iguais às da própria Disney World. O que mais me marcou foi o show final no parque principal ali em frente ao Castelo da Cinderela...além das músicas, luzes e fogos, eles fizeram uma “chuvinha” de alguns minutos de neve. Eu ameeeiii!

Eu sugiro a visitação de todos os principais pontos: Louvre, Torre Eifel e Arco do Triunfo de dia e de noite. As subidas todas são pagas então suba de dia em um, e anoite no outro. A vista panorâmica da “cidade luz” é super famosa e realmente faz jus ao sucesso. Você pode comprar um daqueles cartões (vendidos na bilheteria dos principais pontos turísticos) que te dão acesso a vários pontos por dias determinados, vale a pena. Não me lembro o valor, mas compramos um que valia por 2 dias.

Noitada: eu sai dois dias apenas, fomos no Favela Chic (tem um também em Londres)...tecnicamente brasileiro mas só tem francês e apenas no fim da noite achamos um ser humano que falava português (o dono). Pessoas bonitas, decoração sensacional, 10 euros pra entrar, bebida boa pra caramba e musica melhor ainda (vá de metro descendo na estação Republic). Do nada rolava um funk e um sambão tipo escola de samba e o povo ia ao delírio....confesso que chamamos muita atenção sambando...hehehehehehe. A gente se jogooouuu...foi o máximo!!! Nesse lugar acho que não tinha essa conversa de ser barrado. A única coisa ruim é que no fim, foi bem difícil conseguir um táxi pra ir embora, na ida fomos de metrô. Na outra noite fomos num lugar que não vou conseguir lembrar o nome, mas era uma noite brasileira também, quem nos levou foi o recepcionista do hotel e fomos batidas da Eurodisney (imaginem o estado), tomamos umas tequilas imaginárias e fomos! Valeu muuuito a pena, fiz uma amizade incrível que dura até hoje e nos jogamos na caipirinha à la Brasil (com vodca).

Conheci um brasileiro que mora lá e ele disse que é tensa mesmo essa questão de ser barrado na porta. As roupas contam demais, tipo mulher sem salto não precisa nem entrar na fila. Mas as baladas são tops...acho que valerá a pena insistir para curtir. Se arrume bastante afinal de contas você está em PARIS!


Consulte as informações sobre o serviço de transporte executivo que liga os aeroportos à cidade por um preço bacana.

Em suma: gaste, coma, ande, visite, se jogue e depois volte à sua rotina completamente mudado!!!

Veja aqui meu segundo relato sobre minha segunda vez na Cidade Luz. 

Leia o relato do post Paris - parte 2.

Paris - França   Viagem: 2009 (novembro), 2014 (maio).


´Assista: Meia noite em Paris, Um dia, O Turista, A identidade Bourne, Busca Implacável, Amour, Meia noite em Paris, O fabuloso destino de Amélie Poulain, Piaf um hino ao amor, Alguém tem que ceder, Coco antes de Channel, O Diabo veste Prada, O corcunda de Notre Dame, Intocáveis, Maria Antonieta, A invenção de Hugo Cabret, Ratatouille, Antes do por do sol, Paris eu te amo, Lola, Molin Rouge, O código da Vinci, Último tango em Paris. 

Buenos Aires, na Argentina

Resultado de imagem para buenos aires

O hostel que fiquei é o Hostel Suites Florida, ele está entre os melhores do mundo todo no ranking do Hostel World e eu aprovo demais. É barato, limpo, confortável, animado...etc. Fiquei num quarto duplo e pagamos um adicional depois por um colchão para uma amiga que decidiu em cima da hora. A localização também é perfeita: Calle Florida. Acho que é a melhor opcão e eles ainda têm um serviço de traslado para o aeroporto. Eu sempre falo para tomar cuidado com os hotéis de lá, alguns são muito velhos então caso você queira ficar em algum hotel escolha os que tenham de 4 estrelas pra cima.


Bom, Buenos Aires é considerada a cidade mais européia da América Latina, e preciso dizer que realmente tem umas ruas e um clima muito gostoso. A minha intenção era aproveitar a badalação que dá muitos créditos à cidade. Muita gente viaja por alguns dias exclusivamente para pegar umas baladinhas "da hora".


O circuito-turista você consegue fazer em uns 3 dias, por isso acho que reservar 4 ou 5 dias em B.A é suficiente. Porém, isso não dá pra conhecer todas as atrações noturnas que ela oferece.


A noite começa muito tarde, tipo 1:30 / 2h da manhã. Você pode andar o dia todo, voltar para o hotel, acertar seu alarme, dormir, acordar e ir pra farra. Reserve um club por noite checando a programação (pois tem umas que só abrem em determinados dias). Capriche no visual, lá eles selecionam a entrada do pessoal com uma análise geral do indivíduo, as brasileiras (lógico) fazem sucesso mas nem sempre isso vai salvar sua barra se você não estiver vestida de acordo.


Vou dizer o nome de algumas baladas conhecidas e mais procuradas pelo pessoal: Pacha, Kika, Terrazas del Leste, Club One, Shampoo, Asia de Cuba, Crobar e Museum Club. Também existem centenas de barzinhos que já servem como bons "esquentas". Quanto aos barzinhos a dica é se informar com o pessoal do hostel, além de já ir fazendo uns amiguinhos, eles podem te dar os nomes dos lugares mais bombantes da época.


Coisas que quem vai à Baires precisa conhecer: Sorvete Freddo de Dulce de lecche (doce de leite), Av. 9 de julho, barzinhos, Alfajor Havanna, Cerveja Quilmes, Calle Florida (tipo a 25 de março/SP), Café Tortoni (Av de Mayo) e o Teatro Collón.


Locais para turistar: Obelisco, Praças de Maio e 9 de Julho, La Boca (El Caminito), Feirinha de San Telmo, Cemitério da Recoleta (Evita Perón está lá), restaurantes do Porto Madero, Casa Rosada, La Bombonera (estádio) e os outlets do Pallermo.

Tem também o Show de Tango (importantíssimo)! Existem várias casas com os mais variados preços e estilos, escolha um e vá para o jantar (incluso no pacote) e depois assista ao show. O mais famoso e conhecido como "um show de Tango" é o Señor Tango. Um menor e mais intimista bem bacana é o Piazzola Tango ali na própria rua Florida. Veja o que melhor se encaixa no seu bolso, eu indico os dois da mesma forma. 


Tome cuidado com dinheiro e bolsas ao andar pelas ruas. Não dê mole pois você não está na Europa! E também tente pagar os táxis (estão por todos os lados em todos os lugares) com notas mais baixas. E não aconselho pegar táxi do aeroporto para o centro da cidade, ele fica muito afastado e vai ficar meio caro. Use o traslado de um trecho (ida ou volta) do hostel e veja algum transfer com valor já combinado.


Quem vai passar mais dias por lá tem a dica de visita ao município de Tigre: dê uma olhada no post de "Tigre". E uma outra grande oportunidade é poder ir ao Uruguai, basta atravessar o Rio de la Plata de ferry e chegar na cidade uruguaia de Colônia del Sacramento. De lá, é só pegar um ônibus para Montevidéu ou Punta del Este. 




Buenos Aires - Argentina   Viagem: 2007 (agosto), 2010 (novembro).


´ Assista: Relatos Selvagens.

Miami, nos Estados Unidos

Resultado de imagem para miami

Por favor vá à praia, se você estiver por lá na época do sol: Vá à praia! South Beach é a mais famosa, a que você vai encontrar aquelas pessoas do nosso imaginário quando pensamos em Miami e lógico nos tradicionais topless. Burguesia total!

Em Miami Beach, a Ocean Drive é uma das principais avenidas com restaurantes, cafés e bares enloquecidamente espetaculares em frente à praia. Atrás da Ocean, está a Collins Avenue uma avenida cheia de lojas famosas, restaurantes e boates. Ali nas proximidades está o Lincoln Road Mall uma área cultural das galerias e restaurantes. Posso dizer que é a região mais top da cidade. 

Lá no centro da cidade, em Downtown Miami, está o Beyside, uma feira permanente ao ar livre (tem uma parte coberta). Lá você tira muitas fotos legais e tem um Hard Rock Café, um Hooters (peça chicken wings que são ótimas) e uma loja tipo FNAC que é super legal: FYE (For Your Entertainment) e vários barzinhos bacanas. 

Uma área bacana para agito é Fort Lauderdale (mais ao norte) onde só moram os ricaços com seus carros e iates "estacionados" nas portas e piers das casas. Aproveite a praia que também é bem visitada, tem a Atlantic Boulevard (beira mar) que tem um monte de restaurantes legais, gente jovem e bonita! (dê uma olhada no Post Fort Lauderdale).

Em questão de shopping vá ao SawGrass Mill Mall, é um dos maiores shoppings dos EUA tipo atração turística e tem muita loja interessante e preços bons. Ele é imenso! Você vai querer voltar várias vezes, símbolo dele é um Jacaré. Lá dentro tem um restaurante da RainForest Café que é a coisa mais fofa do mundo. Outros shoppings legais: Dolphin Mall, Aventura Mall e o The Falls.

Tem o Palácio de Vizcaya, um prédio em estilo renascentista que tem um museu e jardins sensacionais. No downtown Miami você vai encontrar uns bondes elevados (metrorail) que rodam o próprio centro e são de graça. Não me lembro exatamente o local , mas o Romero Britto tem uma galeria lá que é uma gracinha, é ali na parte central e top da cidade.

Coma no Pollo Tropical (um dos meus favoritos com uma comida cubana muito boa) tem um arroz, feijaozinho preto e frango que são sensacionais! Outro restaurante que você não pode perder é o Samurai, entre e peça o cardápio, escolha um tipo de carne/ frango e sente-se em volta da mesa que é uma big chapa quante e o "japa" traz sua carne cruinha e faz ali na sua frente. É uma deliiiiiiiiccciaaa... meu Deus! E tem umas 20 coisas de entrada, e o prato principal é espetacular e muito bem servido. E por fim, outro restaurante é o Camillas, é brasileiro e a comida é simplesmente maravilhosa (existe um em Orlando também).

Eu ainda quero voltar em Mia na época do spring break (meados de março), que é o recesso das escolas e faculdades. A galera se joga nas baladas e a loucura é imensa. Totalmente a cara de Miami Beach!!! A vida noturna da cidade promete e cumpre! Algumas boates bem famosas: Liv, Mokai, Set, Mansion e Nikki Beach.

Consulte as informações sobre o ônibus executivo que liga o aeroporto à cidade por um preço mega bacana.


Miami - Estados Unidos     Viagem: 1997 (janeiro), 2001 (janeiro), 2005 (julho), 2009 (dezembro/janeiro), 2011/2012 (dezembro/janeiro), 2018 (abril), 2019 (setembro).

´Assista: Miami Vice, Velozes e Furiosos 2, Scarface, Sem dor sem ganho, Cassino Royale, Dexter, Bad boys, Marley & eu, Homem de ferro 3, Voo noturno, Quem vai ficar com Mary, Carga Explosiva 2. 

Santiago, no Chile

Resultado de imagem para santiago chile


Santiago é uma cidade muito agradável, limpinha, silenciosa, com pessoas feias e estranhas, porém muito receptivas e simpáticas. Percorra tudo a pé ou então use o metrô. A cidade tem muito jovem devido a universidade então a noite é promissora!

O Mercado Central não foge de ser essas grandes feiras de alimentos e tudo, eu achei meio insuportável ficar muito tempo lá, porém tem uns restaurantes muito bons e com preços legais. Pra quem gosta, tem aquelas lagostas gigantes e muitos frutos do mar (do Pacífico).

Pela cidade você encontra muita loja de departamento, a mais famosona é a Falabella, também tem a Ripley. Você pode achar muita roupa de frio super barata e não pode perder a oportunidade de comprar. E a qualidade é boa pois eles lá tem um inverno rigoroso.

O Parque Metropolitano é o maior do Chile, onde você pode subir e ter uma vista linda da cidade (às vezes a única coisa que dá pra ver a poluição) e da Cordilheira dos Andes. Na verdade as vistas lindas dos Andes estão por toda parte inclusive quando se anda a pé pelas ruas. É o máximo! A cidade está localizada dentro de um vale e ao seu redor apenas a sinuosidade das montanhas, você olha para o horizonte é consegue ver aqueles topos branquinhos de neve. Um arrazo! Dependendo da época também dá pra ver o rio Mapocho todo congelado.

Tem o Palácio de La Moneda (Presidencial), fica na praça mais famosa da cidade. É possível ver a troca da guarda, só não sei falar a hora que é feita.

Geralmente no hall dos hotéis você encontra vários panfletinhos sobre passeios até o alto das montanhas pra esquiar e tudo mais. É só escolher um e pegar os casacos. Geralmente eles até já buscam no hotel e a distância entre o centro da cidade e as estações é muito pequena, em poucas horas você já está na cordilheira. Uma grande estação de esqui está em Valle Nevado. Com certeza o caminho até lá em cima é bem adrenalínico, pois são ziguezagues onde só cabem um carro numa estrada coberta de neve. Uma vez li uma reportagem dizendo que é um dos caminhos turísticos mais perigosos do mundo (não no sentido ruim da ideia, mas sim de que é uma programa radical e divertido). Não fiquem preocupados, é tranquilo.

Também existem passeios até as vinícolas, eu fui na do Concha Y Toro (uma das mais famosas do Chile). Lá você faz um tour e degusta muitas taças de vinho. O mais famoso deles é o Casilero del Diabo. No fim tem a lojinha onde pode-se comprar muitas garrafas com preço óóóótimo!

Perto de Santiago estão as cidades de Valparaizo e Viña Del Mar, são os principais refúgios praianos do pessoal de Santiago. É lindo e vale uma ida com certeza, ficam há algumas horas de carro. Sem falar que é uma boa oportunidade de conhecer as frias águas do Oceano Pacífico. (Dê uma olhada no Post Viña Del Mar)

Em Santiago tem algumas lojas que vendem jóias e adereços feitos com a pedra lápisláluzi, uma pedra preciosa muito rara que só tem lá no Chile. Dá pra comprar uns souvenirs bacanas. A avenida Paseo Ahumada é a mais famosona de pedestre e compras.

Não sai a noite, então na questão "balada" eu não posso falar nada. Mas creio ser muito bom devido ao número de universitários que vivem lá. O bairro da boemia é o Bellavista com muitos restaurantes e bares.

´Assista: After shock

Santiago - Chile   Viagem: 2007 (agosto).

Como escolher seu hotel em Las Vegas

Sempre ouvi dizer que a hospedagem em Las Vegas é um item muito fácil de resolver, porque são muitas opções e, portanto, acaba sendo ...