Düsseldorf, na Alemanha



Começo passando informações: Dusseldorf é a capital do estado da Remânia do Norte-Vestfália (???), é sede dos escritórios das maiores agências de publicidade do mundo, está às margens do romântico rio Reno, é a cidade natal do menininho que achou o cartão dourado e foi visitar a Fantástica Fábrica de Chocolate, é chamada de "Capital da Moda" e, finalmente, é uma das referências do país no quesito carnaval (existe uma pequena rixa com Colônia pra ver qual fica com posto de mais animado).

Chegamos na estação central umas 23h e no mesmo trem tinha dois guris conversando abobrinhas em inglês, eles se ofereceram para ajudar com nossas 500 malas e descobrimos que um deles era brasileiro. Era St. Patrick`s Day e eles insistiram muito para irmos encontrá-los no pub O`Rilleys que ficava na região mais boêmia da cidade, estávamos meio mortinhas da silva e eles eram bem "quarta-feira", optamos pela nossa caminha quentinha e acolhedora.

O dia começou uma delícia com um solzinho revigorante, em frente ao hotel tinha uma bakery e comemos muito pão francês. Dali a caminhada começou! Decidimos cortar a cidade até chegar às margens do Reno. Passamos pela rua de compras mais famosa (muita, muita e muita grife) a Königsallee. Passamos pelo Porto Média que é um quarteirão cheio de prédios bem planejados, como os três arquitetados pelo Frank Gehry. Ali pertinho você pode subir numa torre de TV que vai te dar uma vista muito bacana. Existe também o quarteirão antigo que são ruas com pavimentação de pedras, lotadas, cheias de pubs, bares, restaurantes e boates. Passamos por lá num domingo de sol, e estava muito animado com muita gente bebendo nas ruas mesmo (mais um biergarten). É considerado o balcão de bar mais comprido do mundo, com cerca de 260 bares (eles não gostam muito desse título, vai saber o porquê). Andar na orla do Reno foi uma graça, a paisagem é linda e o clima muito aconchegante.

Além da moda, Dusseldorf é muito bem vista em relação às opções de entretenimento de arte e cultura. A cerveja é bem tradicional, estilo altbier (cerveja escura), os próprios guias dizem que apenas pessoas nascidas ali apreciam esse tipo de cerveja. Pudemos experimentar e até dá pra dar mais de 3 goles (experimentamos a Diebels).

A noite me surpreendeu demais. Confesso que não esperava muita coisa, ainda mais depois de ter passado por Dresden. A primeira noite começou com chuva, procurávamos um lugar específico, não achamos, e entramos em outro (St. James). Eu gostei, local bacana, pessoas bonitas...sentamos no bar, nos deparamos com o bartender e a noite foi só alegria. Ali descobrimos que quem briga na balada tem que se virar com a polícia (por isso nunca vimos brigas) e se rolar stress no banheiro feminino, você precisa se expressar em alemão, se não os ânimos não vão ser nadinha acalmados. Na noite seguinte fomos para a Rudas Studios (indicação do barman), uma balada num prédio comercial, bombada com três ambientes e pessoas tops de linha (eu nunca me senti pequena num lugar) parecia uma festa de modelos. A música era ótima, ganhamos a admiração de mais um barman e nos divertimos à beça! Sen-sa-ci-o-nal!!!!

Dusseldorf - Alemanha      Viagem: 2011 (março).

´Assista: Alma Perdida. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zoo Luján de Buenos Aires: a pior coisa para se fazer na vida

Balada em Punta del Este, no Uruguai

Balada em Cartagena de Índias, na Colômbia