sábado, 7 de março de 2020

Como escolher seu hotel em Las Vegas



Sempre ouvi dizer que a hospedagem em Las Vegas é um item muito fácil de resolver, porque são muitas opções e, portanto, acaba sendo muito barata (e digna). Quando iniciamos as pesquisas, a primeira coisa que fomos descobrindo é que, para a época escolhemos ir, a parte do "mais barato" não era bem assim.

E a segunda coisa, é que os hoteis têm diferenças gritantes de categoria. Todos são interessantes e luxuosos, porém, atente-se para o fato de saber escolher o que cabe no seu bolso e lidar melhor com a expectativa vs realidade.

Quanto ao luxo (pelo que vi) os principais são: Caesars, Bellagio, Aria, Wynn, Encore, Paris, The Venetian, The Palazzo.

Os que achei mais caidinhos: Bally's, Circus Circus, Flamingo, Harrahs, Cassino Royale.

Observação: essas duas listinhas acima foram feitas apenas com base na minha observação como turista (que não se hospedou nesses lugares e tirou essas conclusões apenas julgando pelas áreas públicas e cassinos de cada um deles).

Considere o Bellágio como centro da Strip. E aí veja como vai funcionar seu roteiro de interesse na cidade (a que shows vai querer ir, pool parties, baladas, etc) e uma saída é escolher um hotel no epicentro de tudo isso. 

Você pode fazer como nós (fomos pela primeira vez) e escolhemos ficar em frente ao Bellágio, no Hotel Paris, porque a ideia era rodar tudo.



Eu acredito que os valores irão ser os grandes definidores dessa escolha. Numa pesquisa no Booking já é possível notar uma variação gritante de valores, e, pode acreditar, essas diferenças estão na categoria dos hoteis. Cuidado com isso, principalmente se tiver problemas respiratórios e alergias (lembre-se que os quartos nos EUA são todos em carpete). 

Resumindo, preste atenção na escolha da hospedagem e muito cuidado com essas promoções geniais e muito baratas. Geralmente, os hoteis escolhidos ou são de uma categoria mais baixa (Circus Circus) e/ou ficam fora da avenida principal (Trump, Circus Circus, Hard Rock ou Stratosphere), o que vai te fazer ficar refém de transporte. Não vejo nada de errado nisso, contanto que você saiba desses detalhes antes de embarcar.

quinta-feira, 5 de março de 2020

Las Vegas: opções de bate-e-volta








Dependendo da época em que for, e do tempo que for ficar na cidade, vale a pena fazer uns bate-voltas ao redor de Las Vegas. Aqui no post vou falar apenas sobre alguns deles que acho bem oportunos para entrarem no roteiro:

Grand Canyon
Se você tentar ver um pacote nas agências espalhadas pela cidade, vai perceber que basicamente existem duas opções de roteiros para o Grand Canyon:

1. West Rim: o mais próximo de Vegas e que envolve a ida à represa Rover Dam (que abastece a região e separa os estados de Nevada e Arizona). Esse pedaço fica dentro da reserva indígena dos índios Hualapai, e é possível fazer voos de helicóptero, passeios pelo Rio Colorado e andar pela passarela de vidro suspensa no abismo, Skywalk. Dá pra fazer em 1 dia. Opções de ida: helicóptero, excursão ou de carro por conta própria.

2. South Rim e North Rim: pedaço mais distante e dentro do Parque Nacional do Grand Canyon. As excursões fazem em 1 dia, mas pelo que deu pra perceber é bem na correria. Melhor ir por conta própria e com mais calma (fazendo per noites). Opções de ida: excursão ou de carro por conta própria.

Resolvemos fazer a opção 1 meio que de última hora pois o tempo mudou (quando estávamos planejando desistimos de ir pois os relatos diziam que devido à neve, as vistas estariam comprometidas). Alugamos um carro no sufoco no Bellágio pois as locadoras estavam com praticamente todos os carros já reservados e fomos pro conta própria.

Chegamos a ver uma excursão num quiosque na Strip, porém, o fogo no rabo da vida loquice não nos permitiu entrar no mundo das regras (além do mais, o horário de saída era muuuito cedo).  Portanto, paramos no "mercado" (Lê-se "farmácia CVS"), compramos mantimentos alimentícios e tocamos o pé na estrada guiados pelo Google Maps.

Achamos a experiência muito boa, dizem que em termos de "Grand Canyon", o South e North Rim oferecem vistas melhores ainda, mas pelo que vimos, garanto que valeu a pena. Principalmente pra quem tá sem tempo ou não tem muita paciência para esse estilo de passeio. O pôr do sol é maravilhoso!

O caminho foi super tranquilo e sinalizado, apesar de em alguns trechos estarem com gelo nos acostamentos. As paisagens são incríveis! Paramos o carro a cada 2 km para tirar fotos.

Resumo do nosso roteiro: Roover Dam, Dam Bridge, ponto de observação Taming the Colorado, a cidade de Dolan Springs. Chegamos na entrada da reserva Hualapai Mountain Park. Lá você deixa o carro estacionado (de graça) e paga por pessoa para entrar e ter acesso ao:

- Eagle Point: tem ótimas vistas do Grand Canyon, barracas típicas dos índios e a passarela de vidro Skywalk (achamos o vidro meio riscado demais apesar de ninguém entrar de sapato e com proteção nos pés.Também não é permitido entrar com bolsas, celulares e câmeras. Isso significa que se você quiser fotos, vai ter que pagar por elas. Tem um restaurante (quando chegamos estava fechado).

- Guano Point: foi ponto de observação do Grand Canyon que mais gostamos. Se estiver sem tempo priorize-o. Tem um restaurante que estava aberto.

- Hualapai Ranch: é uma cidadezinha cenográfica no estilo faroeste. Meio bobalda mas você pode se interessar. Tem até lojinha de souvenir.

Para acessar esses três pontos, eles disponibilizam um ônibus gratuito de transfer que sai de 15 em 15 minutos. Lá na entrada da reserva também saem os passeios de helicóptero.

Las Vegas Ski Resort
Já pensou em ir a Vegas e esquiar na neve? Sim, é super possível! É só alugar um carro e ir até o Las Vegas Ski Resort, que fica a cerca de 80 Km de Vegas, no Mount Charleston. O translado vai durar tipo 1h (cada perna) e é conveniente você pegar um carro apto para o trajeto que provavelmente terá neve. Uma boa ideia, é ficar alguns dias no resort, mas caso não seja possível, algumas pessoas fazem um bate-volta de 1 dia. 

Não fomos até lá, mas pelo que pesquisei, não use a opção de ir de Uber pois no fim do dia vai ser quase impossível achar um pra te trazer de volta. 

Los Angeles
É bom cogitar dar um rolê pela costa oeste dos EUA, principalmente no verão. A viagem vai durar cerca de 4h de carro até Los Angeles (cada perna). Não fomos pois achamos muito apertado para ir e voltar no mesmo dia.

Kingman (Rota 66) 
Se quiser conhecer a famosa Rota 66, baste dirigir até Kinggman, uma cidadezinha, no estado do Arizona. A partir de lá, você poderá dirigir pelo o maior trecho ininterrupto da Rota 66.

Seven Magic Mountains
Um artista suiço resolveu fazer uma obra de arte no meio do deserto. Daí fez uma espécie de instalação de pedras coloridas e empilhadas ali pertinho de Las Vegas. É um daqueles lugares instagramáveis, com certeza. Acabamos não indo pois ficava para o lado contrário do Grand Canyon que estava no nosso plano. Mas, se não me engano, é possível ir de Uber, pois não fica muito longe da Strip. 



segunda-feira, 2 de março de 2020

Las Vegas, nos Estados Unidos (Parte 2)



Se você não leu à Parte 1 do relato de Las Vegas, clique aqui.

STRIP 
O roteiro da viagem vai levar em consideração a lógica da Strip, a avenida principal da cidade onde estão os famosos cassinos e atrações.

Como havia dito, é importante escolher o hotel de acordo com o posicionamento na Strip, não acho interessante ficar muito nas extremidades e nem fora dela. Mas vai do bolso e desejo de cada um.

Pode parecer à primeira vista rápido e fácil vencer a Strip e suas atrações, mas acredite quando te digo que você vai perder (e deve perder) uns diazinhos por ali vendo cada detalhezinho.

Detalhe que achei essa rua extremamente limpa, apesar de anoite rolar coisas que a gente não pode nem prever, não tem nem panfletos no chão. Nota 10!

Outra coisa importante, para atravessar a rua, é preciso usar as escadas rolantes. Apenas onde tem faixa de pedestre é permitido a passagem. Cuidado para não ter problemas com isso.


FREEMONT STREET
Quando você vencer a Strip, não se esqueça de pegar o ônibus em direção à Freemont Street (tem um ponto que pára praticamente na entrada dela). Ela fica um pouco distante da Strip, lá no que chamam de "Old Las Vegas", pois foi onde construiriam o primeiro cassino da cidade. Inclusive, têm cassinos mais raiz pra quem for do ramo das apostas.

O maior atrativo com certeza é o teto imenso de Led que fia mudando de cor o tempo todo. Por isso vale a pena ir anoite. É um arraso! Dá até pra fazer uma tirolesa por toda extensão do teto.

Você encontrará lojas, restaurantes, bares, pubs, shows, apresentações de rua e afins. Saindo da Freemont, você também pode caminhar até a Freemont East District, uma rua ao ar livre cheia de restaurantes e bares. Difícil saber onde ficar. Good Luck! Dica: inclusive tem um restaurante Nacho Daddy (que amamos muito) por lá. Ótimo para veganos, celíacos e chatos pra comer.

SHOWS
Quanto aos shows, a oferta é tão grande que vai ser difícil definir o que fazer. O bom é que, como alguns deles fazem mais de uma apresentação por dia, dá pra assistir a pelo o menos uns dois na mesma tarde/noite, basta ter muito $ no bolso.

E tem de tudo...espetáculos de Circo di Solei, mágica, dança, strip tease, comédia, shows musicais, até paródias, teatros, covers e por aí vai. Fora as baladas que são uma atração à parte.

Tivemos certa dificuldade, assim como em Nova Iorque, em selecionar nossos shows mas no final das contas deu tudo certo.

Escolhemos o Cirque de Solei Zumanity (único espetáculo para maiores de 21 anos, exclusivo de Vegas e com tema erótico...valeu cada centavo! Favor não perder a chance de ir! Tente sentar na parte debaixo e o mais centralizado possível), Le Rêve (show que envolve água e foi escolhido por vários anos o melhor show da cidade. Outro que não pode deixar de ir. Tente sentar mais atrás), Cris Angels Mind Freak (show do mágico famoso. As mágicas em si, achamos fraco. Porém, em termos de produção e apresentação de show, som e imagens, vale como pós graduação para quem trabalha na área. Tente sentar o mais próximo possível para ver melhor as mágicas.) e o show do Maroon 5 (como sou fá, não tenho do que reclamar. Cabe ressaltar que o comportamento das pessoas em shows que não sejam no Brasil é meio broxante, eles não sabem curtir como nós. Mas um quesito que o Brasil dá de 10 a 0 nos gringos. Evite sentar atrás da mesa de som).

Dica: chegue sempre com o mínimo de 30min de antecedência, principalmente para trocar os vouchers da internet pelos ingressos.

INFERNINHOS
Ao cair da noite, quando estiver andando pela rua, você vai notar umas senhorinhas distribuindo panfletos. Você pegará para ajudar, e aí vai se dar conta de que são santinhos de prostitutas e acompanhantes (de todas as raças etnias e signos). Inclusive, a maioria já vem com os preços.

Outra coisa que vai ver, são pessoas, geralmente homens, anunciando as boates de strip tease (que ficam fora da Strip). Algumas propostas oferecem ida de limonsine, entrada gratuita e apenas a obrigatoriedade da consumação de um drink. Eu confesso que queria muito ter ido, porém, devido à falta de tempo, não rolou.

Para fechar o tema "inferninho", é possível, ainda, comprar e usar recreativamente maconha no estado de Nevada. Só tome cuidado com as regras de consumo e seja feliz.

ALUGUEL DE CARRO
Sobre o carro, confesso que não acho necessário para rodar pela cidade, pois o sistema público funciona 24h e muito bem. Agora se você ficar em hoteis fora da Strip, quiser ir a supermercados (ficam distantes) ou lotar o porta-mala de compras dos outlets, também acho bom cogitar um carro. 

Mas para fazer uns bate-e-voltas é essencial e, além de tudo, super fácil de fazer o aluguel (precisamos apenas da carteira de motorista do Brasil). Praticamente todo hotel tem uma agência de aluguel de carro no Concierge e qualquer pessoa pode usufruir do serviço (não apenas hóspedes). Nós alugamos o nosso no Bellágio. 

A dica é fazer logo a reserva antecipada e não correr o risco de ficar sem, como a gente quase ficou porque a demanda era grande no Ano Novo. Fomos até o Grand Canyon, o carro deu uma sujadinha básica por conta de umas estripulias na neve, e nem precisamos pagar por uma limpeza extra. Dica: usamos o Google Maps para nos localizar. 


Leia também: 
Las Vegas, nos Estados Unidos (Parte 1)
Las Vegas: opções de bate-e-volta


Las Vegas - Estados Unidos
Viagem: 2019/2020 (dezembro/janeiro).

Ano Novo em Las Vegas

Depois do Natal em Nova Iorque , decidimos voar para Las Vegas para curtir o reveillón. Plano ousado e cheio de expectativas.  Pri...