segunda-feira, 2 de março de 2020

Las Vegas, nos Estados Unidos (Parte 2)



Se você não leu à Parte 1 do relato de Las Vegas, clique aqui.

STRIP 
O roteiro da viagem vai levar em consideração a lógica da Strip, a avenida principal da cidade onde estão os famosos cassinos e atrações.

Como havia dito, é importante escolher o hotel de acordo com o posicionamento na Strip, não acho interessante ficar muito nas extremidades e nem fora dela. Mas vai do bolso e desejo de cada um.

Pode parecer à primeira vista rápido e fácil vencer a Strip e suas atrações, mas acredite quando te digo que você vai perder (e deve perder) uns diazinhos por ali vendo cada detalhezinho.

Detalhe que achei essa rua extremamente limpa, apesar de anoite rolar coisas que a gente não pode nem prever, não tem nem panfletos no chão. Nota 10!

Outra coisa importante, para atravessar a rua, é preciso usar as escadas rolantes. Apenas onde tem faixa de pedestre é permitido a passagem. Cuidado para não ter problemas com isso.


FREEMONT STREET
Quando você vencer a Strip, não se esqueça de pegar o ônibus em direção à Freemont Street (tem um ponto que pára praticamente na entrada dela). Ela fica um pouco distante da Strip, lá no que chamam de "Old Las Vegas", pois foi onde construiriam o primeiro cassino da cidade. Inclusive, têm cassinos mais raiz pra quem for do ramo das apostas.

O maior atrativo com certeza é o teto imenso de Led que fia mudando de cor o tempo todo. Por isso vale a pena ir anoite. É um arraso! Dá até pra fazer uma tirolesa por toda extensão do teto.

Você encontrará lojas, restaurantes, bares, pubs, shows, apresentações de rua e afins. Saindo da Freemont, você também pode caminhar até a Freemont East District, uma rua ao ar livre cheia de restaurantes e bares. Difícil saber onde ficar. Good Luck! Dica: inclusive tem um restaurante Nacho Daddy (que amamos muito) por lá. Ótimo para veganos, celíacos e chatos pra comer.

SHOWS
Quanto aos shows, a oferta é tão grande que vai ser difícil definir o que fazer. O bom é que, como alguns deles fazem mais de uma apresentação por dia, dá pra assistir a pelo o menos uns dois na mesma tarde/noite, basta ter muito $ no bolso.

E tem de tudo...espetáculos de Circo di Solei, mágica, dança, strip tease, comédia, shows musicais, até paródias, teatros, covers e por aí vai. Fora as baladas que são uma atração à parte.

Tivemos certa dificuldade, assim como em Nova Iorque, em selecionar nossos shows mas no final das contas deu tudo certo.

Escolhemos o Cirque de Solei Zumanity (único espetáculo para maiores de 21 anos, exclusivo de Vegas e com tema erótico...valeu cada centavo! Favor não perder a chance de ir! Tente sentar na parte debaixo e o mais centralizado possível), Le Rêve (show que envolve água e foi escolhido por vários anos o melhor show da cidade. Outro que não pode deixar de ir. Tente sentar mais atrás), Cris Angels Mind Freak (show do mágico famoso. As mágicas em si, achamos fraco. Porém, em termos de produção e apresentação de show, som e imagens, vale como pós graduação para quem trabalha na área. Tente sentar o mais próximo possível para ver melhor as mágicas.) e o show do Maroon 5 (como sou fá, não tenho do que reclamar. Cabe ressaltar que o comportamento das pessoas em shows que não sejam no Brasil é meio broxante, eles não sabem curtir como nós. Mas um quesito que o Brasil dá de 10 a 0 nos gringos. Evite sentar atrás da mesa de som).

Dica: chegue sempre com o mínimo de 30min de antecedência, principalmente para trocar os vouchers da internet pelos ingressos.

INFERNINHOS
Ao cair da noite, quando estiver andando pela rua, você vai notar umas senhorinhas distribuindo panfletos. Você pegará para ajudar, e aí vai se dar conta de que são santinhos de prostitutas e acompanhantes (de todas as raças etnias e signos). Inclusive, a maioria já vem com os preços.

Outra coisa que vai ver, são pessoas, geralmente homens, anunciando as boates de strip tease (que ficam fora da Strip). Algumas propostas oferecem ida de limonsine, entrada gratuita e apenas a obrigatoriedade da consumação de um drink. Eu confesso que queria muito ter ido, porém, devido à falta de tempo, não rolou.

Para fechar o tema "inferninho", é possível, ainda, comprar e usar recreativamente maconha no estado de Nevada. Só tome cuidado com as regras de consumo e seja feliz.

ALUGUEL DE CARRO
Sobre o carro, confesso que não acho necessário para rodar pela cidade, pois o sistema público funciona 24h e muito bem. Agora se você ficar em hoteis fora da Strip, quiser ir a supermercados (ficam distantes) ou lotar o porta-mala de compras dos outlets, também acho bom cogitar um carro. 

Mas para fazer uns bate-e-voltas é essencial e, além de tudo, super fácil de fazer o aluguel (precisamos apenas da carteira de motorista do Brasil). Praticamente todo hotel tem uma agência de aluguel de carro no Concierge e qualquer pessoa pode usufruir do serviço (não apenas hóspedes). Nós alugamos o nosso no Bellágio. 

A dica é fazer logo a reserva antecipada e não correr o risco de ficar sem, como a gente quase ficou porque a demanda era grande no Ano Novo. Fomos até o Grand Canyon, o carro deu uma sujadinha básica por conta de umas estripulias na neve, e nem precisamos pagar por uma limpeza extra. Dica: usamos o Google Maps para nos localizar. 


Leia também: 
Las Vegas, nos Estados Unidos (Parte 1)
Las Vegas: opções de bate-e-volta


Las Vegas - Estados Unidos
Viagem: 2019/2020 (dezembro/janeiro).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Como escolher seu hotel em Las Vegas

Sempre ouvi dizer que a hospedagem em Las Vegas é um item muito fácil de resolver, porque são muitas opções e, portanto, acaba sendo ...