segunda-feira, 18 de outubro de 2021

Viagem com bebê - Itens para levar

        

Vou listar aqui as dicas que acabei recebendo e que descobri na prática de coisas importantes e que ajudam demais a gente na rotina com baby na praia/viagem.

Brinquedos de água

Aqueles corpinhos de encaixar e brinquedinhos de borracha ou plástico são ótimos pra praia principalmente pois se caírem na areia são fáceis de lavar (se tiverem alças melhor ainda por que dá pra amarrar e não ficar caindo na areia o tempo todo).
No caso de crianças maiores, aqueles kits de baldinho e apetrechos é sucesso total. 

Prendedor de chupeta
Essa alça é ótima para amarrar em algum brinquedo e não ficar na nóia de ficar vigiando para não deixar cair na areia. Aqui não usamos chupeta então improvisei uma alça de uma bolsa. 


Brinquedos para avião/carro/restaurantes
Separe também brinquedos específicos para entreter no avião e no carro. Além de brinquedos, separamos uma garrafinha de água que foi sucesso para ele ficar mordendo (sim, Fischer Price que lute). Tem uns bem legais com ventosas (achei na Cia Toy) para pregar na cadeirinha ou mesa dos restaurantes.


Tenda e piscina
Acho válido levar para criança brincar quando não estiver no mar ou piscina do Beach Club (eu sinceramente achei que algumas ficavam sujas demais). Compramos a nossa no AliExpress e recomendo pedir com antecedência para ter uma folga no prazo de entrega. 

Compramos essa da foto nesse link aqui: https://a.aliexpress.com/_mPicd6R

Esteira de palha
Se tiver espaço pra mais parafernalhas, a esteira de palha é legal pra deixar ele um pouco no chão (só vivia nos colos). Até deixamos uma vez ou outra na canga mas o trampo era grande para ele não comer areia.

Borrifador de água
Caso vá para um lugar extremamente quente leve um borrifador para jogar água de vez em quando no baby e aliviar a sensação térmica (não precisamos fazer isso dessa vez).


 
Roupão/Poncho de praia

Não sei a razão mas os roupões de bebês são todos curtos, então a dica é levar umas 2 toalhas de piscina ou um poncho de praia (vi alguns na TipTop). 


Fralda de piscina

Levamos fraldas descartáveis de piscina e cabe dizer que as ecológicas também podem ser usadas. A partir do terceiro dia levamos ele sem fralda  para o mar e não tivemos incidentes. Compramos nossas fraldas da marca Happy Flute no AliExpress.


Remédios
Peça ao seu pediatra uma receita de farmácia básica para o bebê. Caso a viagem seja para o exterior, peça eventuais receitas de remédios que as exijam, tipo antibiótico.

Roupas com proteção UV
Leve várias peças pra o caso de alguma não secar para o dia seguinte (apesar do sol e calor nossas coisas não secavam fácil em Maragogi). Minha dica são as roupas da Miniboo que, além de terem um tecido muito confortável e leve (não irrita o bebê pra colocar e nem tirar quando molhada), tem proteção UV, são no formato de body ou romper (eu não gosto daquelas camisas normais que ficam subindo e deixando a barriga de fora), tem nas opções regata, manga curta ou manga longa, tem as estampas mais lindinhas ever, e o melhor, o preço é super ótimo.

Chapéu
Eu testei dois modelos de chapéu com proteção solar e indico aqueles tipo do Chaves que são maiores na nuca e que tem a aba mais firme (é importante porque quando molhar não vai ficar caindo no rosto). Eu gostei muito de um modelo que vi num baby lá na praia da loja Litoraneus (link aqui).



Protetor solar
Seguindo a recomendação de uma dermatologista, minha dica é comprar 2 tipos e mesclar o uso durante os dias. Um no formato de creme cuja composição tem elementos de proteção físicos e químicos (Mustela ou La Roche-Posay Anthelios) e outro no formato bastão que é bom para o rosto e tem elementos de proteção apenas físicos (Babyganics ou Neutrogena).
Obs: Opte sempre por produtos específicos para bebês/crianças. 

 

Lenços umidecidos
Como a rotina vai envolver sol, umidade e água salgada, opte em levar lenços com o menos potencial de alergia ou irritação para pele, ou seja, sem álcool e sem perfume. Sugestao: Bepantol ou Jonhsons amarelo. 


 

Óleo de côco 
Anoite passe todo dia o óleo de coco (cuidado: escolha o extra virgem 100% natural) para evitar assaduras. Como a gente espalha uma gotinha de nada, leve-o num potinho pequeno para facilitar a vida e economizar peso e espaço. Também usávamos durante as trocas durante o dia o Cicastela. 


Talco
Essa foi a melhor dica que recebi, usar talco para tirar areia da pele do baby. É muito incrível. Eu usava, além disso, para dar uma secada quando a gente saia da ducha antes de colocar roupas secas. Também usamos uma vez pra jogar em cima de um xixi que ele fez na cama. O talco "suga" o líquido do colchão que é uma beleza.

Sabão líquido

Eu levei um potinho com um pouco do sabão líquido que usamos para levar as roupas para o caso de acidentes de xixi/coco em que fosse bom dar uma lavadinha em alguma roupa na pia do banheiro. Teve saída.

Sabonete Líquido
Levei num recipiente tipo spray o sabonete líquido que usamos durante o banho diluído em água para usar durante os banhos nas duchas na praia. Toda vez que saíamos do mar, levávamos ele na ducha de água doce para colocar uma roupa seca. Enquanto o pai entrava com ele, eu ia borrifando e já dando uma lavadinha de leve pra tirar o sal.

Hidratante de pele
Além de usar na rotina noturna, sempre depois dos banhos na praia passávamos para evitar qualquer problema de pele. Na primeira vez que ele entrou ficou com umas marquinhas vermelhas que logo saíram e nunca mais apareceram. Dica: use produtos sem perfume, tipo Cetaphil. Usamos umas embalagens de bolso que foram bem práticas. 


Repelente
Apesar de não ter sido necessário usar nessa viagem, na bolsa, sempre levei o repelente da Granado que tem base de icaridina com duração de proteção por maior tempo.


Sacola de mercado reciclável
Leve uma dobrada na mala para usar na praia tanto para transportar a piscina, bóias ou brinquedos, como para levar no fim do dia as coisas molhadas.

Material de limpeza nasal
Não deixe de fazer a rotina da limpeza nasal, aqui usamos o combo soro fisiológico, seringa e nosefrida. 

Soro fisiológico 
Use tanto para limpeza nasal como para limpar o rosto.em caso de problemas de água do mar no olho.

Ruído branco
Indico demais o ruído branco para usar no quarto, principalmente, porque o bebe vai dormir e vocês ainda estarão acordados arrumando as bolsas do dia seguinte, tomando banho, etc. Daí é só deixar a luz mais baixa, ligar o ruído branco e ele segue dormindo lindamente.  

Pessoas
Na medida do possível, com bebê de colo, eu achei importantíssimo levar mais pessoas na viagem para ajudar de alguma forma os pais. Mesmo não indo com essa pressão de ajudar, elas sempre dão uma super força nem que seja pra gente descansar os braços ou tirar uma soneca. Se der, faça viagens em grupo deixando claro que as pessoas estão livres pra seguir o roteiro caso você e o baby tenham que sair mais tarde do hotel ou sair mais cedo da praia. Cada bebê deve ser respeitado na sua paciência ou falta dela na viagem.

Outras infos:

- Levávamos o Theozinho no mar duas vezes ao dia, de manhã até as 10h e pouquinho, e depois das 16h;
- Ficávamos o dia todo na praia, ele amava tirar sonecas no colo do pai deitado nas redes;
- Como o Theo estava com 6 meses, e ainda em amamentação exclusiva, não nos preocupamos em levar nada de comida/bebidas pra ele



quarta-feira, 13 de outubro de 2021

Primeira viagem com bebê para praia - Dicas

 

Devido a todas as questões de saúde relacionadas ao covid e à maturidade corporal de um bebê, resolvemos levar o Theozinho pra conhecer o mar com 6 meses (levando em consideração a liberação de uso de protetor solar pela pediatra, desenvolvimento da coluna cervical, maturidade para aguentar o incômodo no ouvido nos voos, etc).

Escolhendo o destino
Essa parte não foi fácil pois listei uma série de pré-requisitos necessários para encontrar a praia quase perfeita. Meus principais critérios foram:

1. Capital com no máximo 2h de voo (sem conexões/escalas e dentro do Brasil);
2. Praia próxima do aeroporto/com logística simples (já sabia que as melhores praias não estão nas capitais então teria que fazer um percurso de carro);
3. Praia com temperatura mais quente (já sabia que seria no nordeste);
4. Praia com água clara/degradê (queria algo bem bonito e especial);
5. Praia sem muita alga, sujeira, histórico de água-viva, tubarão, etc;
6. Praia com hotel pé na areia para hospedagem;
7. Praia perto de outras legais pra poder variar durante os dias;
8. Praias com estrutura de comida e banho (pois a logística de um bebê exige no mínimo sombra e água doce a vontade);
9. Praia que não estivesse em período de chuva na época da viagem (foi no final de setembro e início de outubro);
10. Praia que não tivesse muito sal, vento forte e areia grudante (sim, detalhes de uma psicopata mas que na vida real fazem diferença);
11. Praia calma, sem ondas, no estilo piscina natural.

Enfim...não foi fácil! E depois de muita pesquisa decidimos ir para Alagoas e conhecer a região da Costa dos Corais. Ficamos no hotel Vila de Taipa em Japaratinga que está no meio entre São Miguel dos Milagres e Maragogi.

Posso dizer que acertamos em 98% dos itens, vou explicar: 

- Algumas poucas praias e em certas horas do dia tinha uma ou outra alga atazanando nossas pernas. Porém resolvemos a questão facilmente passando essa faixa de água;
- Apesar de nessa época não ter previsão de chuva, nos dois primeiros dias o clima variava muito entre sol e chuva, as vezes permanecia predominantemente com chuva.

Dica: cheque a tábua de marés da cidade que for visitar e selecione os dias que estiverem mais baixos. Nessa região, a maré baixa proporciona experiências maravilhosas de piscinas naturais. Combinando com o tempo ensolarado ainda rola uma degradê surreal no mar em praticamente todas as praias. Padrão Caribe assim como é conhecida a região ("Caribe Brasileiro").


Turquesômetro
Impressionante como essa região de Alagoas realmente é o Caribe Brasileiro. Eu fiquei pasma!

Em nível de coloração da água vou enumerar as praias com águas mais turquesas que vimos:
1. Ponta de Mague (Maragogi)
2. Antunes (Maragogi)
3. Barra Grande (Maragogi)
4. Praia da Lage (São Miguel dos Milagres)
5. Burgalhao (Maragogi)
6. Pontal do Boqueirão (Japaratinga)
7. Bitingui (Japaratinga) 

Nossa experiência

Optamos em Japaratinga pois é uma cidadezinha mais tranquila do que a turística Maragogi. Gostamos do mar e do hotel Vila de Taipa, principalmente da culinária (tinha até opções veganas), porém, eu hoje indicaria a hospedagem na praia Ponta de Mangue, umas das praias de Maragogi  principalmente pela qualidade do mar. Em segundo lugar, algo na Praia de Antunes, e em terceiro na Praia de Barra Grande. Tudo fica muito próximo então dá pra explorar bem a região (não repetimos nenhuma praia e nem fomos em tudo).


Dica de hoteis em cada praia que vi e estavam em ótimos pontos de praia (sem muvuca e com um mar lindo):

Ponta de Mangue: Grand Oca Maragogi
Antunes e Barra Grande: Rangai e Anttunina.

Obs: só indico em relação às suas localizações pois não me hospedei pra avaliar outros quesitos.

Escolhendo o hotel
Gostamos do Vila de Taipa pois as recomendações, principalmente em relação às comidas, eram ótimas. Eles tem o restaurante Cia da Lagosta que é aberto também a não hóspedes. Suas instalações são bem instagramaveis e os funcionários educados e solicitos. As duas gatinhas do hotel são uma atração a parte. O serviço, como todas as nossas experiências em outros restaurantes, é mais devagar e confuso. Parece ser uma característica de todos, inclusive em vários locais a taxa de 10% do serviço não vai para os funcionários. Antes de pagar a conta certifique-se disso e dê a gorjeta "por fora" aos garçons.

Resumindo, o hotel é bom, a comida é boa, e a praia também faz jus. Indico! Principalmente para casais e pra quem alugar, assim como nós, um carro pra rodar pela região.

Pra quem vai com bebês, não tinha berço, mas colocaram uma cama extra que juntamos e deu certo no final. Tinha uns gato pingado de crianças, mas claramente a predominância era de casais e grupos de amigos.

Eles estão finalizando um novo hotel em Maragogi, então de repente vale a pena dar uma olhada nele: Villa Pantai Maragogi (cuidado pra não confundir com o de São Miguel dos Milagres).

Onde ficar em cada praia

As dicas vão valer pra quem tem crianças/bebês ou não. Levamos em consideração os melhores pontos de praia, infraestrutura, cobrança de day use, aglomeração, facilidade de acesso/estacionamento.

Praia Pontal do Boqueirão
Restaurante Cia da Lagosta no Hotel Vila de Taipa (apenas consumação).

Praia de Bitingui
Barraca da Praia (apenas consumação).

Praia de Burgalhao
Beach Club Pontal do Maragogi (day use R$ 30 + consumação).
Dica: tem uma micro feirinha na praia.

Praia de Antunes
Marinheiros Beach (apenas consumação).

Praia Ponta de Mangue
Mão Divina Beach Club (apenas consumação)

Dica: Ali próximo tem uma espécie de mini Caminho de Moisés além de uma micro feirinha na praia.

Praia de Barra Grande
Barra Mar Beach Club (day use R$ 25 + consumação)

Ele fica em frente ao Caminho de Moisés (na maré baixa um grande caminho de areia se abre mar a adentro e dá pra caminhar por toda sua extensão. No meio do caminho tem jangadas vendendo comida e bebida, sorvete, cenários para fotos...é bem legal. Confira a tábua de marés pra saber o melhor horário de ir. Quanto mais próxima de maré 0.0, melhor), porém quando a maré sobe não fica nenhum ponto de praia acessível.

Outros que ficam ali ao lado e, se eu não me engano, tem ponto de praia: Araras Beach e Casa da Praia.

Praia da Lage
Restaurante Sonhos do Pataxo (day use R$ 10 + consumação)

Restaurantes
Sempre acabávamos nossos dias indo jantar em algum restaurante no centro de Maragogi ou no nosso hotel Vila de Taipa em Japaratinga, além dele destacamos o
Russo Bar que tinha opções veganas, sushi, carnes, massas, yakissoba, frutos do mar, fora o ambiente que é mara.

Na avenida principal de Maragogi tem uma diversidade bem democrática de restaurantes, bares, lanchonetes...com certeza vai achar algo por lá.

Lembre-se de perguntar se os 10% vão para os garçons, se não for, pague a gorjeta "por fora".

O que fazer além das praias

Croa de São Bento em Japaratinga
Piscinas Naturais em Japaratinga
Mirante de Japaratinga
Passeio de encontro com os Peixe Boi em São Miguel dos Milagres
Piscinas naturais em São Miguel dos Milagres
Passeio de bugre pelas praias de São Miguel dos Milagres
Piscinas naturais de Maragogi
Caminho de Moisés em Maragogi
Passeios de bugre pelas praias de Maragogi
Feirinha de artesanato na rua da praia no centro de Maragogi
Rua de restaurantes na rua da praia no centro de Maragogi

Como estávamos com baby decidimos não fazer nenhum passeio de barco. 


Próximos posts:
Dia a dia na praia
No carro
No avião
Arrumando as malas
Preparação para viagem (itens para levar)
Volta da viagem

terça-feira, 23 de fevereiro de 2021

Caso: Perdendo a escala da Copa Airlines no Panamá



Depois de todo transtorno que tivemos para chegar em Aruba saindo do Panamá, chegou a hora de encerrar a viagem voltando para Brasília, porém, tendo que novamente passar pelo mesmo caminho da ida.

Já fazendo trocentas orações para o nosso voo pra casa não ter overbooking, fomos surpreendidos por mais uma gracinha do destino. Estávamos no aeroporto de Aruba aguardando o embarque para o Panamá quando vimos uma movimentação estranha e recebemos a informação de que nosso avião apresentara um problema que estava sendo resolvido pela equipe de mecânicos. Até aí tudo bem, essas coisas acontecem. Nos deram uns vouchers de alimentação e todos do voo fomos para praça de alimentação. Depois de algumas horas, quando nos foi informado que o problema tinha sido resolvido percebemos que claramente perderíamos nossa escala para o Brasil.

Lá vem treta de novo! O avião decolou, chegamos no Panamá e lá estava aquela confusão generalizada de pessoas que também perderam suas escalas. Nossa batalha agora era para conseguirmos ser encaixados em algum voo para Brasília, mesmo tendo que ir primeiro para outras cidades, tipo Rio ou São Paulo, fazendo aquele quica quica dos diabos. A gente só queria chegar em casa.

A batalha foi perdida miseravelmente e nossa saída foi aceitar a proposta da Copa Airlines de ficar num hotel e pegar o voo do dia seguinte para Brasília. Depois de uma organização bem mal feita com todos os outros passageiros na mesma situação fomos transportados com nossas malas para o tal hotel.

Esse post é mais para dar o alerta do cuidado de marcar as férias e não usar os dias contadinhos pensando em estar livre dos imprevistos. Ainda bem que tínhamos esse "dia extra" na nossa agenda e não precisamos nos prejudicar no trabalho. Essa dica vale muito pra mim, a psicopata das férias que fica arrumando jeitinho pra fazer render sempre mais contando sempre com a sorte.

No fim das contas foi um mal que veio para o bem, pois ficamos no maravilhoso hotel Riu da Cidade do Panamá e no dia seguinte pudemos dar um rolé pela cidade, fomos conhecer o famoso Canal do Panamá e o Albrook Mall, um dos shoppings famosinhos pela decoração com animais e que lembra bastante o layout dos malls dos EUA. Para quem não sabe, o Panamá é conhecido como "paraíso das compras". Gostamos demais da cidade e ficou a vontade de voltar com mais calma e, além da capital, conhecer a região das praias que são beeem interessantes.


Dicas:
- Faça um seguro viagem;
- Deixe pelo o menos um dia de respiro na volta para casa pensando nos imprevistos que podem acontecer;
- Não gaste todo seu dinheiro, é bom voltar sempre com uma quantia para casa. Essa quantia pode te salvar em algum imprevisto;
- Tenha internet;
- Esteja aberto aos imprevistos porque o que poderia ser uma experiência totalmente ruim, pode se revelar uma boa surpresa.


quinta-feira, 4 de fevereiro de 2021

Caso: Cadê minha mala em Aruba?

                                                          Da Série: Cuidado na Estrada!



Já não bastava todo perrengue para gente chegar em Aruba (leia aqui), assim que desembarcamos aconteceu aquilo que a gente mais teme na frente da esteira de bagagem: minha mala não veio! Obviamente na bagunça generalizada que a Copa Airlines fez no aeroporto, como entramos no avião nos 47 min do segundo tempo, eles não acharam minha mala para socar ela no porão do avião. Sim porque além do nosso pânico em conseguir uma poltrona no avião, levar a mala junto já seria sorte demais...(ainda por cima tendo que estabelecer os diálogos em espanhol). 

Cheguei em pleno verão caribenho sem nada compatível com esse clima para usar. Eu cometi o leve vacilo de não obedecer as dicas básicas que dizem para deixar na mala de mão algumas coisas de emergência caso você seja o felizardo sem malas do rolê. Uma hora ia dar merda né...

Ainda no aeroporto, fomos até o balcão da cia aérea para reportar a ocorrência. Me disseram que a mala viria no voo do dia seguinte. Foi uma luta explicar ao rapaz a cor da mala (vinho), então fica a dica de tirar fotos das malas e tê-las no celular. Eles combinaram de deixar a mala no meu hotel. A partir dali, partiu Caribe!

Nos acomodamos no hotel e praia já estava nos chamando que nem um canto de sereia. Como a única coisa que eu tinha para improvisar era uma echarpe que virou canga, perdemos tempo indo atrás de todo resto: chinelo, biquíni, escova de cabelo, protetor solar, escova de dente, pasta, case e líquido da lente de contato, short e blusa. Detalhe: a moeda mais utilizada em Aruba é o dólar, então tivemos que nos submeter aos preços (mesmo dando uma leve pesquisada no amplo comércio que graças ao Senhor tinha nos arredores do hotel). 

A "sorte" foi ter feito o seguro viagem, que além de outras coisas, cobria esses problemas de malas. Eu sempre faço o seguro com aquele sentimento de não querer usar nunca porque eu sei o trampo que acaba sendo. Pensando no reembolso, paguei as coisas todas no cartão de crédito e a dica é pegar todas as notas ficais que vão entrar no processo de reembolso. Geralmente existe um limite de gasto para esse reembolso e regras mínimas do que são itens de primeira necessidade, depende do plano que você fechar.

Resumindo, já no Brasil abri o processo do seguro e no fim das contas eles não aceitaram algumas das notas fiscais "porque não estavam com detalhamento suficiente", e acabaram me reembolsando apenas uma parte dos gastos. Ok, vida que segue neam...


Dicas:
- Tire fotos das malas fechadas e abertas sempre que for viajar;
- Não se esqueça de colocar seus dados e contatos nas malas (principalmente o email e o seu whatsapp com todos aqueles números internacionais (Ex: +55 61....);
- Coloque junto com seus dados o nome do hotel que você irá se hospedar (não esquece de tirar essa informação quando for para outra viagem);
- Misture as coisas nas malas, tipo coloque coisas suas na mala do marido e vice e versa;
- Coloque na mala de mão algumas mudas e itens de primeira necessidade para o caso de ter problemas com a mala embarcada;
- Faça um seguro viagem.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

Caso: Copa Airlines e a loteria dos infernos do overbooking

 Da Série: Cuidado na Estrada!


Esse relato vai diretamente para as pessoas que vão viajar para alguma das Américas com a cia aérea panamenha Copa Airlines, principalmente, nos voos que fazem escalas no famigerado aeroporto da Cidade do Panamá. O aeroporto em si é um querido, com super lojas e boa infra justamente porque acaba sendo o destino de praticamente todos os voos dessa companhia. As minhas passagens por esse aeroporto foram em viagens que fiz às ilhas do Caribe (Cancún e Aruba) e Miami.

O que acontece em praticamente toda troca de escala da Copa é o odioso/temido/lazarento overbooking. Sim, vc tá lá pleno e ansioso para chegar na praia e recebe uma chamadinha no serviço de som. Vai atrás pra saber o que houve e te avisam que não tem lugar pra você no avião e que você vai ter ir no próximo voo (que geralmente é no dia seguinte) e dane-se seus planos e reservas. Detalhe: mesmo que vc tenha feito check-in online antecipado e ter efetuado a compra da passagens com anos de antecedência. Ah, e isso pode acontecer tanto na ida como na volta e sem critério nenhum (vi grupos sendo divididos sem choro nem vela). Ou seja, é uma baita loteria dos infernos!

Nas vezes em que "dei sorte" (em todas, menos no episódio de Aruba) eu vi passageiros desesperados com a notícia ali no balcão de embarque, muito estresse, briga, discussão e tudo que se tem direito. O que a cia aérea faz? Simplesmente oferece a quem tem assento a oportunidade de ceder o lugar em troca de $250 e hospedagem na Cidade do Panamá (que inclusive gostamos) para viajar no voo do dia seguinte. Uma vez cheguei a cogitar para aproveitar a oportunidade de conhecer um lugar novo. Caso tenha interesse nisso, fica a dica! Só deixar uns dias a mais de férias pra tentar conseguir esse "bônus" na volta pra casa (é praticamente certo que vai rolar essa oferta no seu voo também). 

Voltando à história, saímos de Brasília para Aruba com escala no Panamá. No check-in em Brasília, pegamos os bilhetes dos dois voos, porém o trecho do Panamá-Aruba não trazia o número dos assentos (Alerta!!!!) e o atendente desconversou dizendo que o sistema dele não estava permitindo a marcação mas que a equipe do aeroporto do Panamá faria isso sem problemas. Nós, tontos, acreditamos. 

Chegando lá, antes de irmos ao balcão pedir a marcação, fomos anunciados no serviço de som. Fomos até lá e recebemos essa informação de que não tinha lugar para a gente no voo. Sim, direto e reto. Eu entrei em pânico, pois estávamos com diárias de hotel e carro pagos lá em Aruba. Como assim íamos perder isso? Como assim íamos perder um dia de nossas sonhadas férias na praia? A situação foi piorando à medida em que os outros passageiros foram recebendo essa mesma informação. O caos começou a reinar ali com a falta de profissionalismo e organização da cia aérea (que faz overbooking de praxe, pra quem não sabe, é a venda de bilhetes acima da capacidade do avião). Ninguém sabia dar informações claras para resolver os problemas. E a partir dali virou guerra entre os "rejeitados" para uma lista de espera. A última esperança de embarque era a desistência de algum passageiro com assento ou de alguém perdesse a escala vindo de algum lugar.

Isso foi acontecendo a conta gotas. Eu já estava emocionalmente desestabilizada com aquela cena de guerra (e olha que sou uma capricorniana muita racional e prática). Comecei a chorar junto com a galera que também já estava chorando...hahaha...efeito manada on! No fim das contas, ficamos eu, Math e mais duas mulheres por último (alguns desistiram e aceitaram "perder" o voo). E pra nossa sorte, e azar de quem perdeu a escala, conseguimos embarcar. Fomos os últimos lobos solitários entrando no avião completamente lotado e já preparado para voar em busca de assentos para sentar. Pense na adrenalina!

A parte boa foi finalmente chegar em Aruba na data planejada, a parte ruim é que nessa brincadeira, não colocaram minha mala no voo. Mas essa é uma história para um novo post, assim como a nossa volta para casa dessa viagem passando pelo terrível aeroporto do Panamá (sim, teve mais treta). 

Dicas: 
- Faça o check-in online dos voos na hora exata em que estiver disponível (pode ser que aumente suas chances de evitar o problema. Se bem que no nosso caso não evitou);
- Não saia de Brasília sem os bilhetes de todos os voos que vai pegar impressos e com os assentos marcados (é mais fácil fazer barraco no seu país em português do que lá em espanhol);
- Considere que ou vai ter problema de overbooking ou vai ficar sem mala, então, faça uma mala de mão pensando nisso (coloque mudas de roupas, itens essenciais de higiene, biquini e etc); 
- Considere que vai ter problema de overbooking na ida (não tem o que fazer, apenas se preparar mentalmente e aceitar "perder" o primeiro dia da viagem e suas reservas. Nesse caso, é bom já rascunhar um email/mensagem para o hotel e agência de carros avisando do ocorrido para que não cancelem sua reserva inteira. Se realmente acontecer você envia para todos) e na volta (deixe pelo o menos dois dias de férias sobrando para não se prejudicar no trabalho);
- Só compre passagens envolvendo a Copa Airlines e o aeroporto do Panamá se não tiver outra opção;
- Boa sorte desde já!

Pensa que esse foi o único estresse da viagem? Mal podíamos esperar pela chegada em Aruba e a volta pra casa...

quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

Rio Quente Resorts: vale a pena ir?



Antes do Theozinho nascer voltamos ao Rio Quente Resorts para acalmar a alma e equilibrar a mente nas águas quentes do maravilhoso rio Quente. 

Localização e distância

Para quem não conhece, a Pousada do Rio Quente (ou Rio Quente Resorts) fica na cidadezinha de Rio Quente que fica coladinha em Caldas Novas-GO. De Brasília, demoramos cerca de 4h dirigindo até lá (uns 310 km). A dica é ir por Luziânia, parar na Quitanda São Judas Tadeu para comer uns salgadinhos deliciosos, e comprar polvilho na saída da cidade de São Miguel do Passa 4.

Custo-benefício

Se você der uma pesquisada nas principais opções de hoteis/resorts de categorias superiores aqui nos arredores de Brasília, vai perceber que os valores são bem altos (Tauá Resorts em Alexânia, hotéis fazenda, pousadas boutiques na Chapada dos Veadeiros, Pousada dos Pirineus e Pousada do Comendador em Piri...). Os diferenciais são locais que disponibilizam piscinas de água quente ou não, privativas ou não, que possuem os regimes de pensão completa, all inclusive ou não, além de maiores detalhes sobre a infraestrutura em geral. 

No caso do Rio Quente Resorts, acredito que possua a melhor infra de todos os citados anteriormente. São inúmeras piscinas com águas vindas diretamente do rio Quente. Além de ter toda a estrutura do HotPark, um parque aquático com piscina de ondas, rio lento, toboáguas e tudo que se tem direito. O entretenimento noturno também é bacana, sempre tem uma programação de shows ou musicais, música ao vivo e, é claro, mais piscinas naturais quentinhas. É um local muito family friendly, agrada dos mais velhos aos mais jovens sem restrição (ainda que eu indique que você vá em grupos pra ser mais divertido). 

Apesar de todas essas benesses que falei, os valores praticados como valor de diária e preços de refeições, bebidas e petiscos, passam um pouco do limite do aceitável. São valores muito altos que desencorajam o consumo e acabam ofuscando a experiência. 

Eu confesso que não sei muito bem como funciona o esquema de reservas, pois usamos diárias do programa RCI para ficar no Hotel Cristal, mas posso dar uma base de valor de diária de R$ 1.000 para um quarto duplo (SEM café da manhã). 

Isso significa que ou você leva uma trambolhada de comidas e bebidas para deixar no quarto, ou vai ter que pagar uma nota para fazer as refeições básicas lá dentro do complexo do resort. A boa notícia é que dá pra levar as comidas e bebidas de casa, a má notícia é que no HotPark não é permitido entrar com elas. Já no Parque das Fontes é possível sim entrar com tudo. 

O Parque das Fontes é onde estão as várias piscinas privativas para hóspedes, já o HotPark estava acessível para nós e para day use de pessoas que não estão hospedadas. 

Alimentação/Veganismo

Como expliquei, não fechamos nenhum pacote de refeições no resort. Levamos muita comida para o café da manhã e lanches para durante o dia. Eu grávida, almocei todos os dias nos restaurantes do HotPark ou nos bares do Parque das Fontes. De noite, saímos para comer na Feira Gastronômica de Rio Quente e na rua principal da cidade que também tem uma feirinha, restaurantes e lojinhas. Em ambas, apesar de muito restritas, achamos opções veganas para o Math. 

As opções veganas que vimos nos bares do Parque das Fontes eram bem limitadas e, devido ao valor, não valiam nem a pena. Em relação às opções dos restaurantes não posso opinar. Pesquisando antes de ir, vi que devemos informar as restrições alimentares com antecedência.  

Covid-19

Fomos em janeiro/2021 e o resort estava com a capacidade de hóspedes reduzida. O que foi ótimo pois o local já oferece tantas opções de piscinas e atrações que diluía essas pessoas por todo complexo e ficava tudo muito vazio. Tinha álcool espalhado para todo lado e o uso de máscaras era obrigatório.

Crianças

O HotPark em si já é uma ótima opção de entretenimento para crianças, tem de um tudo para elas, de piscinas com brinquedos a viveiros de animais (nem curto muito isso mas ok) e etc. No Parque das Fontes também tem piscina infantil e vi uma equipe de monitores com um grupinho num certo momento por lá. Os bebês amam a água quente. 

Diferenciais 

- HotPark;
- Piscinas naturais aquecidas;
- Infraestrutura gigantesca e com muitas atrações;
- Tranquilidade.

Dicas

- Leve bolsas térmicas, se possível mais descaracterizadas para não escancarar também;
- Leve toalhas ou roupão pois é cobrado aluguel das toalhas de piscina do resort;
- Vá nos showzinhos de noite pois são bem agradáveis (em época de Covid estavam todos em cadeiras delimitadas em espaços distanciados);
- Vá para as piscinas do Parque das Fontes anoite que é uma delícia;
- Informe suas restrições alimentares com antecedência caso vá fechar os pacotes de alimentação;
- Saia pra comer nas feirinhas da cidade.

Gravidez

Como grávida, tive que tomar alguns cuidados, especialmente em relação à água quente que não é muito indicada pois abaixa a pressão corporal. Minha médica liberou minha ida contanto que não ficasse por muitas horas seguidas na água aquecida, dessa maneira ficava entrando e saindo pra não ter  qualquer tipo de problema. Pra ser bem sincera, achei as piscinas do Tauá Resort mais quentes (têm aquecimento artificial). Infelizmente o rio Quente não tem mais as águas tão quentes como antigamente, o que pra mim foi ótimo e muito confortável. A pressão não caiu em momento nenhum e não tive desconforto (água quente pode gerar contrações).

Outro alerta é para o uso de repelente, principalmente, para evitar as picadas que transmitem o zika vírus que é extremamente perigoso para o bebê. A dica é dar uma olhada na incidência do zika e evitar regiões com o surto da doença quando for planejar uma viagem, além de se lambrecar bastante o tempo todo para não correr o risco (gestantes precisam usar repelentes com icaridina).

Quanto ao quesito "insetos", preciso ressaltar que, por incrível que pareça e apesar de estar envolto no cerrado, não tinha insetos voando nem durante o dia e nem à noite.


#pousadadorioquente #rioquenteresorts #omundoderepente

sábado, 14 de novembro de 2020

Tauá Resort Alexânia: vale a pena ir?


Eu disse que a temporada de resorts tava aberta...senta aí que lá vem experiência nova pra contar! Conhecemos o novíssimo Tauá Resort Alexânia numa oportunidade de comemorar o aniver do papai Math e fazer uma espécie de baby moon (já que precisamos cancelar nossa viagem "Plano A" por conta da pandemia).

Vou separar nossa experiência em tópicos para facilitar o convencimento entendimento (Nota: esse não é um conteúdo patrocinado, foi tudo escrito 100% na honestidade):

Localização e distância

A conhecida rede Tauá inaugurou há 3 semanas o seu novo complexo no Centro-Oeste, mais especificamente na cidade de Alexânia, cerca de 40 min de Brasília. Tudo que a gente tava precisando já que só tínhamos a velha Caldas Novas, Piri e o Rio Quente de opções (mais próximas). Nós amamos a ideia pois é muuuuito perto de Brasília, não cansa, não tinha pedágio, não precisamos abastecer o carro, o rádio não saiu do ar, a internet não caiu e ainda é colado no Outlet Premium Brasília.

Custo-benefício

Em relação às opções de resorts e hoteis fazenda aqui próximos, o custo saiu muito em conta levando em consideração que o regime do Tauá é de pensão completa (inclusos o café da manhã, almoço e jantar. Por enquanto o lanche da tarde não tá rolando mas um dia irá. Isso significa que você não precisa sair do hotel para fazer nenhuma alimentação, e paga por fora apenas o que for consumido nos intervalos dessas refeições, além das bebidas. 

Os preços dessas bebidas, petiscos e afins são bem camaradas e não rola aquela exploração exorbitante do nosso amigo lá do Rio Quente. Sendo assim, dá pra curtir as férias sem muita preocupação com a conta final. 

Habitações

Basicamente são três opções de quartos: sem varanda; com varanda; e com varanda e banheira de hidromassagem. Tudo pode ser visualizado no site. Particularmente não acho que vale a pena pegar o com a hidro (você não vai ficar muito tempo no quarto, a não ser que esteja indo só com esse objetivo).

Desconto

A minha dica é pesquisar o valor no Zarpo, no site do Tauá ou por meio do telefone deles (é 0800). No nosso caso o melhor valor ficou fazendo a reserva via telefone efetuando o pagamento no débito (aplicaram 10% de desconto).

Alimentação/Veganismo

Por enquanto só está funcionando um restaurante, onde são servidas todas as refeições que foram citadas, que funciona como um buffet clássico de resorts com aquelas mil opções de tudo. Há indicações de comidas sem lactose e glúten.

Em relação ao veganismo, não havia indicações e toda vez o chef precisava mostrar o que era vegano. Como praxe, avisei na reserva que o Math era vegano para que se preparassem para isso. Os atendentes no telefone e na recepção sempre deixaram bem claro que caso não tivesse algo do gosto dele, o chef poderia preparar o que ele pedisse. E aconteceu assim em alguma das vezes. Algo muito bacana, inclusive. Não sabemos se funcionou assim devido ao pequeno número de hóspedes, ou se será uma rotina normal em tempos de lotação máxima do hotel. 

Covid-19

Um dos critérios para minha escolha desse destino (Math ganhou essa viagem de surpresa) era o volume de gente hospedada e circulando no local até porque temos uma grávida em questão (eu).

O Tauá está funcionando com capacidade reduzida, além de ter instalações bem amplas. Isso foi decisivo para optar em ir para lá. Logo no check-in recebemos um par de máscaras e álcool gel. Todos usavam máscaras e cumpriam os protocolos de segurança, tanto hóspedes quanto empregados. Em relação a isso, nos sentimos bem seguros. 

O restaurante funcionava no esquema de buffet no qual todos se serviam de máscaras e com luvas que eram disponibilizadas.

Uma das brincadeiras durante o dia era adivinhar quantas pessoas estavam hospedadas e pasmem que descobrimos que tinha 80 pessoas (incluindo as crianças e o Theo na minha barriga). 

Detalhe que tinha muita gente com bebês, crianças, idosos e outras grávidas nesse grupo. 

Diferenciais (atrações)

Na minha opinião os maiores diferenciais são as piscinas aquecidas, a proximidade de Brasília, as atrações para crianças e o custo-benefício. 

As piscinas aquecidas são tudo de bom. Eram exatamente 4: 

Piscina das jacuzzis (ao ar livre): pense numa piscina enorme toda recortada com 15 jacuzzis com água quentinha. Parece até que eles estavam pensando no distanciamento do corona vírus. Ficava cada um literalmente no seu quadrado. Nossa experiência foi fantástica pois sempre estavam vazias e, além de tudo, ficávamos isolados das outras pessoas. Cabiam tranquilamente em cada uma por volta de 16 pessoas.

Piscinas (cobertas): no prédio do SPA tem duas piscinas quentinhas disponíveis para adultos e crianças, além de uma exclusiva para adultos (elas funcionam 24h). Isso significa que vai dar para aproveitar mesmo se o clima tiver frio ou chuvoso. Esse era meu medo, já que fomos em novembro e geralmente o clima tá nublado. Pra nossa sorte a maioria do tempo fez um solzão (que inclusive ferrou com a nossa pele). 

Já as piscinas frias são:

Piscina colada com a das jacuzzis (ao ar livre): ela tem uma temperatura intermediária entre a quente e a mais fria.

Piscina com vista do cerrado (ao ar livre): uma piscina gigantesca com uma vista deslumbrante, mais funda e mais fria. Tem umas espreguiçadeiras na água além de um bar molhado. 

Piscina das crianças (ao ar livre): aquela piscina amada pelos kids, com brinquedos, fontes e etc. 

Demais atividades

Além das piscinas frias e quentes, rola o SPA (fizemos uma divina massagem nos pés), um bar de esportes para drinks (numa noite rolou música ao vivo) além da Jota City, um baita prédio colorido específico para atividades de crianças. Tinha de tudo lá dentro, boliche, piscina de bolinhas, quadra de esportes, ping pong, escorregadores, labirintos, cinema, espaço baby, salas de oficinas de beleza, culinária, física, enfim, diversões mil que nem estou conseguindo lembrar. Além das brincadeiras com os monitores durante o dia e a noite. A meia dúzia de crianças que vimos estavam fritando. 

No hall do prédio dos quartos também rola uma cozinha para os babys.

Ah, é muito importante dizer que crianças de até 12 anos não pagam.

Eventos especiais

No site é possível ver uns pacotes para datas comemorativas e feriados que podem caber no seu orçamento. 

No momento da reserva, perguntaram se nossa ida era para alguma comemoração especial, e quando eu disse que seria o aniver do Math incluíram um mini bolo que foi entregue de surpresa no nosso quarto (bem fofo e gostoso). 

Gravidez

Como grávida, tive que tomar alguns cuidados, especialmente em relação à água quente que não é muito indicada pois abaixa a pressão corporal. Minha médica liberou minha ida contanto que não ficasse por muitas horas seguidas na água aquecida, dessa maneira ficava entrando e saindo pra não ter qualquer tipo de problema. De qualquer forma, fizemos uma ultrassonografia na véspera para ver estava tudo bem com ele. 

Outro alerta é para o uso de repelente, principalmente, para evitar as picadas que transmitem o zika vírus que é extremamente perigoso para o bebê. A dica é dar uma olhada na incidência do zika e evitar regiões com o surto da doença quando for planejar uma viagem, além de se lambrecar bastante o tempo todo para não correr o risco (gestantes precisam usar repelentes com icaridina).

Quanto ao quesito "insetos" no Tauá, preciso ressaltar que, por incrível que pareça e apesar de estar envolto no cerrado, não tinha insetos voando nem durante o dia e nem à noite (nem abelhas no refrigerante a gente viu). 

Demais considerações

A experiência relatada diz respeito à nossa hospedagem no mês de novembro de 2020, em tempos de protocolos de segurança frente ao corona vírus, e com a recente inauguração do resort (várias outras atrações e melhorias ainda serão implementadas). 

Para ver mais fotos do resort, acesse no instagram: @omundoderepente e @aline_carla. 

#tauaresortalexania #tauaresorts #omundoderepente


Viagem com bebê - Itens para levar

         Vou listar aqui as dicas que acabei recebendo e que descobri na prática de coisas importantes e que ajudam demais a gente na rotina...