Enviando cartões postais nas viagens

"There is no combination of words I could put on the back of a postcard..."

Para todo lugar que a gente vai, seja grande, seja pequeno, seja dentro ou fora do país, sempre damos de cara com aqueles vários e inúmeros cartões postais com as melhores fotos do local. E são tão baratinhos, um punhado por um valor irrisório. De forma quase que automática, sem sombra de dúvidas, saímos garimpando os cartões postais, socamos na bolsa, depois na mala e posteriormente numa gaveta qualquer de casa. 

Vi muito minha mãe fazendo isso, depois eu mesma comecei, até que finalmente parei de comprar os cartõezinhos. Na verdade, não tinha encontrado um sentido bom o bastante para me fazer participar da tradição do cartão postal, a função real dele nunca tinha ficado clara para mim. Porquê ao invés de amontoar papel pelas gavetas, não comprar cartões e enviá-los a alguém, de fato?

Isso mudou na minha viagem para Espanha. Dentre outras coisas que aprendi com minha amiga Núbia, como pregar um selo sem cola e com a língua (na verdade aprendemos juntas com o vendedor), aprendi a usar o cartão postal na sua função originária. Compramos nossos cartões e fomos descobrir como enviá-los para o Brasil lá mesmo da Espanha. Imagina que bacana as pessoas que são especiais para você receberem via correio (que tem toda sua mágica nos dias de hoje) um sinal de que você está do outro lado do Atlântico, se divertindo e, ainda assim, lembrando com carinho e saudade de todos. Olha...é uma sensação muito gostosa para quem manda o cartão cheio de expectativas e aposto que para quem o recebe despretensiosamente também.

O processo de envio varia de país para país. Na Espanha, tínhamos que comprar os selos (custavam centavos) nas Casas de Tabacaria, e somente nelas. Compre os cartões e procure se informar com o vendedor ou algum policial onde é possível comprar os selos. Minha dica é tentar realizar essa operação logo nos primeiros dias da viagem pois seu cartão vai percorrer um longo caminho até chegar no destino, ou então o risco de você voltar de viagem e receber o próprio cartão vai ser grande (de Granada levou mais ou menos dez dias para chegar na minha casa). Tome cuidado com as palavras que for usar, porque é um cartão postal que rodará o mundo sem envelope e vai passar pelas mãos de muitas pessoas, não precisamos traumatizar ninguém, ok?

Quem quiser me passar o endereço, estou super aberta a fazer essa nobre caridade.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zoo Luján de Buenos Aires: a pior coisa para se fazer na vida

Balada em Punta del Este, no Uruguai

Balada em Cartagena de Índias, na Colômbia