Delícia de Lençóis....(Maranhenses)






Toda vez que cito minha passagem por São Luís, mais especificamente, os Lençóis Maranhenses, eu acabo exaltando demais a experiência e depois de algumas perguntas com mais curiosidade eu decidi escrever logo sobre esse paraíso.

Quando eu digo que é o paraíso, não estou usando do meu tradicional exagero de expressão. Acredito que esse seja o melhor destino para aquelas pessoas que seguem a política de conhecerem primeiro o Brasil, e depois o exterior. O Brasil reúne uma beleza turística de colocar muito destino estrangeiro no chinelo (Havaianas, de preferência). E não é por qualquer coisa que os Lençóis são um dos lugares mais visitados pelos gringos no nosso país.

Depois do preconceito quebrado, marque logo uma viagem até São Luís. A capital do reggae e de praias que são uma delícia de se aproveitar. Imediatamente, procure uma agência de turismo e compre um pacote para o passeio até os Lençóis. Os pacotes incluem o traslado, hotel e entrada no Parque Nacional dos Lençóis.

Mas o que são os Lençóis? A água das chuvas se acumula entre as dunas de areia que formam imensas piscinas de água natural (doce), por isso é muito importante ir logo depois do período das chuvas para pegar todas as piscinas cheias (de maio a outubro). Nos outros meses também têm piscinas cheias (bem menos opções) e a vantagem é o menor número de pessoas em circulação.

O passeio funciona assim: te pegam no hotel no carro 4x4 na cidade de Barreirinhas. É preciso fazer a travessia do Rio Preguiças numa balsa (perde-se muito tempo aqui), já dentro no Parque Nacional o carro anda um certo tempo entre estradinhas de areia e atoleiros (algumas pessoas passam mal com a agitação do carro). Pegamos uma voadora (espécie de lancha) que correu várias partes do Rio Preguiças, passando por manguezais e mais coisas lindas do nordeste. Fizemos paradas no povoado de Caburé para o almoço, num único restaurante que só tem frutos do mar no cardápio, e onde comi o melhor peixe da minha vida (palmas para a piscina do restaurante e a opção de aluguel de quadriciclos para exploração do local). A viagem seguiu na voadora até o município de Vassouras (que conta muito com ajuda turística para subsistência, ou seja, ajude as criancinhas que se oferecem de guias no desembarque da lancha). Lá é possível subir num farol e ter a linda vista do Rio Preguiças se encontrando com as águas do Atlântico.

De volta ao 4x4, todos eles vão até certo ponto na beira das dunas, e a partir dali todos descem para começar a marcha ao paraíso. Descemos de chinelo, e o guia mandou deixar no carro, eu me preocupei com a areia quente torrando nossos pezinhos. Ele insistiu, então deixamos os chinelos duma vez. Pasme: vão ser as primeiras dunas da sua vida que NÃO queimam os pés, a areia não está pelando. Eu já fui ficando perplexa dali mesmo.

Até a primeira lagoa é uma caminhada boa entre as dunas com subidas e descidas. Mas todos guias já sabem os melhores caminhos que não vão te judiar tanto. Vi pessoas de várias idades e tipos físicos e todas conseguiram realizar a façanha. A beleza é tão grande que tudo fica secundário. Chegar nas lagoas é inexplicável, a água é uma delícia, com partes fundas, são bem quentinhas e eu vi até peixinhos!!!. As piscinas (lagoas) mais conhecidas são a Lagoa Azul, Lagoa do Peixe e a Lagoa Bonita. É quase uma miragem no meio do deserto. A dica é levar água pois não existe nenhum tipo de comércio lá no meio das dunas. E o pôr-do-sol? Preciso dizer alguma coisa?

Também é possível fazer passeios sobrevoando os Lençóis de avião. Na volta, na fila da travessia pela balsa, os moradores locais improvisam uma feirinha de comidas típicas com tapiocas e afins que são de enlouquecer qualquer um. Vá! Por favor, vá um dia!

Viagem: Janeiro (2011)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zoo Luján de Buenos Aires: a pior coisa para se fazer na vida

Balada em Punta del Este, no Uruguai

Balada em Cartagena de Índias, na Colômbia