Timidez

"but you play it coy, but it's kind of cute..."



Muita gente tem dificuldade de encarar uma viagem (principalmente para o exterior) sozinho ou com a cia do próprio mp10. Eu confesso que sempre fui uma pessoa muito dependente, claro que o tempo e a vida foram me mudando, tanto que já sou capaz de ir à feira com a minha mãe, gostar de algum produto e ter coragem de perguntar o preço.

Além desse meu perfil meio dependente, somam-se ao meu caso a timidez e a miopia. É difícil de acreditar que hoje eu tenha completado a faculdade. A notícia boa é que essas coisas mudam, não drasticamente, mas para um nível social de sobrevivência e pessoal de existência. Pessoas muito fechadas, tímidas e “covardes” temem viagens solitárias.

A primeira coisa que penso é que a viagem pode servir como ajuda, se esse for o teu caso. Porém, eu não indicaria uma viagem absolutamente sozinho. Pra isso servem os amigos (fora os virtuais) e as agências de viagens.

Eu admiro a praticidade de uma excursão com tudo planejado e mastigado na mão...se você demorar para descer para o desjejum, alguém certamente vai lembrar de você. Pra quem é meio carente do pedaço, isso é bom. Eu não gosto muito dessa conversa de ter que aguentar um ser humano me apressando para ir embora de um lugar legal, me dando 4 minutos pra ir ao banheiro...sem falar naquele povo sem noção avoado tonho que sempre perde o horário marcado no ponto de encontro. Eu gosto de ser livre, acordar quando eu quiser e fazer tudo que minhas pernas sempre (não) aguentam.

Mas as excursões são ótimas oportunidades de realizar seus sonhos, mesmo você sendo um tri-esquisito. Fazer amizades vai ser fácil demais (quase sem querer) e você não vai precisar falar nada com ninguém (se não for necessário para você). É só seguir o bando e fazer gestos para alguém bater seu retrato.

Eu sou um caso vivo de evolução. A solução da minha miopia são as lentes de contato (mudaram radicamente minha vida em todos os sentidos), para a timidez (adotei a técnica de olhar e falar com segurança junto com a anulação do complexo de egocentrismo – parei para observar que o mundo não está prestando atenção em mim). O caso da dependência, já melhorei bastante mas ainda tenho resquícios tanto que ainda não senti vontade de fazer alguma viagem só com a minha sombra. Preciso de alguém para “cuidar” de mim, até meu gato serve numa ida à padaria.  


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zoo Luján de Buenos Aires: a pior coisa para se fazer na vida

Balada em Punta del Este, no Uruguai

Balada em Cartagena de Índias, na Colômbia