Depressão Pós Férias, é fato!



Hora de voltar ao trabalho, crianças!

Enquanto na escola era super legal chegar das férias e reencontrar os coleguinhas e escrever a tradicional redação “O que eu fiz nas férias?”, nos tempos da atualidade moderna e contemporânea, não acho nada/zero legal. Ontem assistindo TV, vi uma reportagem num noticiário que captou minha atenção instantâneamente. Diziam que muita gente estava sofrendo da chamada 'Depressão Pós-férias'. Eu sabiaaaaaaa....eu sabia que não era mais um típico exagero meu. Só não sabia que já existia clinicamente essa doença na paróquia.

A minha, ou melhor, as minhas DPV's têm esse nome um pouco diferente (inventado por mim), Depressão Pós-viagem, e pelo que já pesquisei na rede mundial de computadores tem vários sintomas similares aos da depressão que falaram no jornal.

A citada no jornal é um pouco mais séria e pode evoluir para casos graves de estresse. Ela aparece nos primeiros dias de trabalho podendo causar dores de cabeça e corpo, angústia, ansiedade, desânimo e cansaço profundo. Mas os sintomas desaparecem depois de uma semana. De acordo com a psicóloga da entidade de estudo e gerenciamento de estresse (Isma-Br), já atinge mais de 35% dos trabalhadores. Esse número diz respeito a diversos fatores de influência, nem sempre estão relacionados com viagens. Na minha DPV, seria a depressão causada pela falta de ânimo em voltar à realidade (e seus efeitos colaterais) depois de uma viagem, especificamente.

O detalhe é que disseram que as maiores causas estão em pessoas insatisfeitas com o trabalho ou que estão fora da área de formação. Tudo bem, estou encaixada na segunda parte – completamente fora da área de formação: uma publicitária-funcionária-pública que cuida de educação indígena no Brasil (?) -, e na primeira, realmente acho que meu salário poderia ser aumentado (segundo Maslow, motivo suficiente para insatisfação). Mas, veja bem, não significa que eu esteja completamente insatisfeita com o trampo.

Algumas soluções, é fracionar as férias no ano (não precisa me ensinar isso), voltar das férias uns dois dias antes de voltar ao trabalho (por enquanto não me é uma opção) e procurar um emprego que te dê satisfação (sempre aberta às opções).

É cada uma que me aparece...eu tava só brincando, gente.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zoo Luján de Buenos Aires: a pior coisa para se fazer na vida

Balada em Punta del Este, no Uruguai

Balada em Cartagena de Índias, na Colômbia