Viagem com os amigos. Alguma dúvida?

Vitor Juninho, BebAline, João-pôio-polvo, Glendovisk,
Leleu Jeremias, Carol Princesa da vida, Marcelo Príncipe da Vida,
Alisson LG,  Paulo à pururuca e TarAldo.

-->
A impressão que pode ter ficado é de que não gosto de viajar com muita gente, mas não era essa imagem que eu queria ter deixado. Eu apenas estava tentando dizer que existem viagens e viagens, cada uma delas tem um objetivo distinto e viajar com os amigos é bom demais! Acho que isso não é mistério pra ninguém.

Minhas experiências com viagens grupais sempre foram bem sucedidas muito porque, ainda assim, a compatibilidade e expectativas de todos estavam muito conectadas. Em uma viagem em específico, Floripa, tudo deu muito certo. Lógico que a cidade era um espetáculo, mas curtimos nossa viagem de uma maneira muito bacana aproveitando a companhia de cada um ao máximo. Acho que esse é o maior diferencial numa viagem com grupos grandes, curtir todos os momentos com seus amigos, de fato.

Entre as viagens que já fiz de galera, essa foi extremamente inesquecível: a viagem se deu de carro (Brasília-Florianópolis) com sete homens, três mulheres e uma casa alugada. Sem tios, professores, pais, supervisores e adultos, mas calma! Tinham dois policiais no meio, eu não sou tão doida assim (pensando bem, um policial e meio, mas não vamos discutir isso agora. E não Vitor, não é bullying). Foi uma daquelas loucuras que eu já contei sobre “aproveitar oportunidades”. Eu fiquei amiga de um dos meninos e no fim do ano estavámos dentro de um carro indo pro sul do Brasil. Eu não acredito em outro destino que não seja o de viagem, e ele tem sempre me reservado momentos únicos. 

Saimos daqui de Brasília, durmimos em Sampa e seguimos pra Santa Catarina. Lá nos encontramos com nossa casa dos sonhos na praia dos Ingleses. Passamos por vários lugares legais, comemos aquele big pastel na Lagoa da Conceição, fomos numa festa irada no Costão do Santinho, visitamos as praias da Joaquina, Mole e Jurerê Internacional, e claro a dos Ingleses que estava no quintal do nosso doce lar. Não faltou o churrasco, o poker, o frescobol, o futebol ameriano, o BBB, a rave na praia e o mais sensacional forró, embalado pela banda “Remela de Gato”.

Na volta, depois de uma votação (mais ou menos) democrática ficamos em Jundiaí e finalizamos os bons momentos no Hopi Hari. Até hoje todos nós morremos por essa viagem e sabemos que foi algo que ficou para história, como as aventuras do João-polvo-pôio ou o desembaraço total para esportes do Paulo com seu bronze estilo leitão à pururuca, afinal de contas Aline não bebe, quem bebe é o Juninho!

Vídeos da viagem: Floripa parte 1    Floripa parte 2

Florianópolis - Brasil   Viagem: 2007.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zoo Luján de Buenos Aires: a pior coisa para se fazer na vida

Balada em Punta del Este, no Uruguai

Balada em Cartagena de Índias, na Colômbia