Síndrome de Paris


fraternité..

 Eu fui almoçar hoje na casa da minha vó e depois da comilança fiquei assistindo ao “Jornal Hoje” e uma reportagem me prendeu no sofá: A 'Síndrome de Paris' que afeta as turistas japonezas. Vai fugir um pouco do estilo do blog mas precisava fazer um post sobre esse fato.

Para você ver como são as coisas...essa tal síndrome existe mesmo e é caso de estudo com muitos profissionais japoneses especialistas (psiquiatras) nessa doença. A síndrome se dá basicamente pelo choque cultural quando essas turistas pisam na cidade-luz. Existem vários fatores que ocasionam o desenvolvimento da síndrome, são eles: o tratamento áspero recebido por taxistas e garçons, perceber que Paris real não é a mesma dos filmes e, o mais importante, não conhecer em sua estadia o tal do príncipe encantado. Nesses casos muitas devem ser repatriadas para receberem cuidados médicos, tudo por conta dessa frustação com a Paris Idealizada. De acordo com a reportagem, por ano cerca de 12 japonesinhas ingênuas e puras voltam para a terra natal para tratamento médico e ficam proibidas de retornar à bela, linda e perigosa Paris.

Acho que não preciso fazer maiores comentários mas cabe dizer que se você pretende visitar Paris é melhor se precaver e não ser obrigada a voltar de lá direto para um divã. Nos 30 dias antecedentes à sua viagem não assista a nenhum filme que tenha Paris de pano de fundo, fique longe de músicas na língua francesa, coloque no fundo do armário qualquer livro que ao menos mencione aquele país e, de repente, até arrume um namorado! Fica a dica!

Comentários

  1. Sabe que não tive problemas com garçons mal humorados ? Pelo contrário...foram muito educados e até simpáticos. Dessa última vez que fui, eu tentei praticar meu francês, e muitos até respondiam em inglês ao ver que eu era turista. Quebra de paradigma total !

    ResponderExcluir
  2. Eu também não presenciei nadinha de ruim...mais um conto popular!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Zoo Luján de Buenos Aires: a pior coisa para se fazer na vida

Balada em Punta del Este, no Uruguai

Balada em Cartagena de Índias, na Colômbia