Vamos viajar?

Hauptbahnhof de Berlim

Viajar pra mim é um grande prazer e por isso sempre procuro me organizar na medida do possível para que nada possa atrapalhar. Uma das etapas mais difíceis, como eu até já disse, é achar a companhia certa, ou as companhias certas. Eu digo isso porque além da compatibilidade de gênios é extremamente difícil conseguir alguém com a mesma disponibilidade de tempo, dinheiro e, sobretudo, os mesmos anseios.

Eu sempre digo que não gosto de viajar com muita gente, mas preciso explicar que em certas viagens não gosto mesmo. Uma coisa fundamental é definir o objetivo da viagem: descanso, baladas, compras, turismo, tudo ao mesmo tempo? Posso dizer por experiência própria que pouca gente sempre me deu muita sorte. Vale lembrar que isso não significa que não encaro uma viagem para, por exemplo, um Spring Break em Miami com umas 10 amigas(os). Mas falando sério, o problema que vejo numa viagem tipo excursão CVC (mais de 4 pessoas), é que na maioria das vezes as pessoas se dispersam, grupinhos se formam e o grupo acaba separado.

Há quem encare viagens sozinho, e eu conheço gente que engatou um mochilão com a companhia da própria sombra, por um mês inteirinho, passando pelos lugares mais malucos que se possa imaginar (como a costa leste da Europa). Eu admiro. Não cheguei ainda nesse nível, mas como tudo na vida, não descarto a possibilidade. Depois de algumas conversas descobri que isso acontece muito porque pessoas dispostas a comprometer muitos dias de férias, recursos financeiros e espírito aventureiro estão cada vez mais raras no mercado. A solução é colocar algumas garrafas de tequila na mochila e ir conhecer aquele monte de cidades e pessoas, essas últimas você vai conhecer demais (pelo o menos é a obrigação de todo mochileiro).

Eu dei muita sorte nas minhas viagens, sempre consegui a cia de pessoas ótimas. Comecei com altas caravanas da minha família e sempre sonhava com o dia de poder sair por aí só com os amigos com o foco apontado para outros objetivos. E tem sido incrivelmente recompensador! Por mais improvável que pareça eu não gosto muito de regras fixas, horários rígidos e roteiros inalteráveis, tem coisa melhor do que adotar o GPS-quebrado way of life? Só que, por favor, não aceite caronas de ninguém ou ninguéns!

A dica que dou é aproveitar as oportunidades, sem pensar muito e sem medo do que vai acontecer. Se uma grande amiga te convida pra uma viagem meio relâmpago, aceite! Nem sempre a gente pára para planejar uma viagem e ir fazendo tudo aos poucos e devagarinho, se você tiver esse tempo e empolgação, ótimo! Se o fator dinheiro não for problema, vá! Algumas das minhas melhores experiências foram resultados de viagens inesperadas...de um dia para o outro eu estava entrando num avião voando para Paris. Sim, Paris aquela cidade idealizada das japonesas e tão familiar para todos nós, tão familiar que parece que nem existe de verdade. Era um sonho pisar naquele país, principalmente naquela cidade, mas quando isso aconteceria? Só Deus sabe! Eu vi a oportunidade passando e pulei na garupa! Nem sempre temos a predisposição de organizar e trabalhar meses e meses encima de uma viagem, então nessas horas precisamos acionar o piloto automático e deixar a vida, quer dizer, a aeronave nos levar.

Comentários

  1. Gostei!!
    Eu já adoro viajar com a galera!! Mto bom ver como cada um gosta de uma coisa..kkkk

    ResponderExcluir
  2. Eu também gostooo!!!! Não me entenda mal!!!
    hehehehe
    =]

    beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Zoo Luján de Buenos Aires: a pior coisa para se fazer na vida

Balada em Punta del Este, no Uruguai

Balada em Cartagena de Índias, na Colômbia