Could you take a picture?


kkkkkkkkk
Entre outras características de um vôo solo, quer dizer, uma viagem sozinho, com certeza uma que incomoda bastante é depender de terceiros para montar o álbum de fotografias. É praticamente certo que você não vai aparecer em 70% das próprias fotos da viagem, incluindo aqueles auto retratos que ficam meio tortos e acabam limitando a paisagem.

Em viagens sozinho, você tem que torcer para ter mais gente por perto na hora que bater a vontade do clique. Outra coisa é ter coragem de pedir que um desconhecido tire determinados tipos de retratos, eu não sei como me sairia nesse quesito pois tenho vontades de fazer as fotos mais sem noção do pedaço, tarefa que nem todo mundo (racional) aceita realizar. Também tem a parte em que é preciso rezar para não perder a paciência de ter que ficar o tempo inteiro pedindo o favor às pessoas, essa deve ser a parte mais chata na minha opinião.

Aliás, já sei qual é a parte mais chata: é você pedir uma foto e a pessoa fazer foto mais tosca da face da terra, cortando paisagens, cabeça, braços e os sapatos. Dai você pede, o “esperto” tira a tal foto e ainda tem coragem de pedir que você dê uma olhada e cheque se está de acordo. O pior é ter que sorrir com educação, com muita simpatia e agradecer por aquele desastre da natureza. Infelizmente, a matéria “Noções de Fotografia” não é obrigatória em todas as escolas do planeta Terra, ou nos cursos de gestante.

"Obrigadão, nossa ficou ótima!"

Andando pela região do Rossio em Lisboa, dois homens pediram uma foto a minha prima que gentilmente parou para atender ao pedido. Não satisfeitos em interromper nosso roteiro, e sem vergonha alguma, o rapaz entregou-lhe a câmera e começou a dirigir a foto, disse o que queria no enquadramento, quantos centímetros, posição, luz e etc. Eu fiquei só olhando o Spilberg terminar, e assim que a foto foi tirada ele olhou a telinha da câmera e não gostou, pediu uma outra. Foi muito engraçado. Também teve uma moça que tirou uma foto nossa em Paris e conseguiu cortar a Torre Eiifel do enquadramento (como ela conseguiu realizar essa proeza?).

Agora os celulares, tipo o iPhone, já  têm a função de inversão de câmera para facilitar os auto retratos. A desvantagem é que a resolução dessa câmera invertida é muito inferior a da câmera normal (que diga-se de passagem, é sensacional). Enquanto a Apple não nos dá logo uma versão de iPhone com essa função melhorada, as fotos da câmera invertida vão salvando muitas fotos. E para a usar a câmera titular de maior qualidade, a minha dica é sempre entregar a missão aos japoneses e assumir riscos menores de fotos catastróficas. 

Eu não tenho nada contra viagens individuais, só acho que não cheguei no ponto de encarar uma delas, mas depois de pensar nesses entraves fotográficos eu acho que é mais um grande incentivo carregar alguém contigo, nem que seja para ser o seu fotógrafo pessoal. Ah, e também vale a pena abusar do temporizador, programar a máquina, apontar e [não] sair desembestado para a pose, já que existe a opção de 10 segundos, ok?! 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zoo Luján de Buenos Aires: a pior coisa para se fazer na vida

Balada em Punta del Este, no Uruguai

Balada em Cartagena de Índias, na Colômbia