Visto EUA




De novo, vou falar sobre o tema “Visto para os Estados Unidos”, mas é que tem uma galera com dúvidas e como o meu visto foi tirado há uns 2 anos atrás eu não tinha mínima propriedade para dar muitos detalhes sobre o assunto. Pois bem, como minha prima está nesse processo resolvi entrar na história pra me atualizar e repassar aqui no blog.

Vou estruturar em forma de dicas para facilitar o entendimento.

Dica 1: Só decida tirar o visto se você já tiver uma viagem em vista porque ele tem data de validade e tirar para deixar parado é besteira. É como ser criança e comprar um carro.

Dica 2: Como a procura pelo visto cresceu muito, as filas de espera na Embaixada dos EUA são muito longas. Então, marque sua viagem e cerca de (pelo o menos) seis meses antes vá atrás dessa papelada de burocracia.

Dica 3: Faça seu passaporte antes de dar entrada nos procedimentos do visto, pois o número dele será essencial. O passaporte é como se fosse sua carteira de identidade no exterior. Qualquer um pode tirar com ou sem viagem marcada, porém ele tem data de vencimento.

Dica 4: Depois do passaporte feito, agende sua entrevista pela internet na cidade mais cômoda (Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo, Recife). Para agendar entre aqui.

Dica 4: Agora você precisa preencher o formulário que deverá ser enviado pela internet e levado no dia da entrevista. Todos os detalhes no site da embaixada americana aqui.

Dica 5: O formulário está todo inglês, era para funcionar a ferramenta de tradução mas nem sempre funciona. Se você tiver dificuldades com a língua, peça ajuda.Nem que seja ao google translator (que é tudo de bão).


Eu preenchi o formulário da minha prima e o que tenho a dizer que é muito longo, feito para você desistir mesmo. São aproximadamente 15 folhas que só se habilitam se a anterior for devidamente respondida. Dentre as informações vão perguntar sobre sua vida, seus pais, seu passaporte, motivo da viagem, sobre quem vai pagar a viagem, com quem você vai, aonde vai ficar lá, quanto tempo, se conhece alguém lá, expectativa de ida e retorno e ainda, perguntas do tipo:

“Você é membro ou representante de alguma organização terrorista?”
“Você já ordenou, incitou, cometeu, auxiliou ou participou de alguma forma de algum genocídio?”
“Você já esteve engajado no recrutamento de crianças para o exército?”
“Você já cometeu ou conspirou a fazer tráfico humano nos EUA ou fora dos EUA?”


Qualquer dúvida é só perguntar que a gente faz uma força-tarefa pra que tudo ocorra tudo bem, ok?! Afinal de contas não é uma burocraciazinha dessas que vai nos tirar do jogo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zoo Luján de Buenos Aires: a pior coisa para se fazer na vida

Balada em Punta del Este, no Uruguai

Balada em Cartagena de Índias, na Colômbia