Caso: As mágicas de Ibiza

Da Série Cuidado na Estrada!


Puft!

Pronto, estamos em Ibiza. E o plano é alugar um carro para conhecer várias praias que não estão no previsível circuito "transporte coletivo". Inclusive, é uma ótima ideia o aluguel do carro mas esse não foi o X da questão. 

Pedimos para o recepcionista brother do hostel fazer umas cotações para gente nas agências que ele conhecia para um carro econômico e básico. Ele fez o dever de casa certinho e arrumou toda a logística pra gente. 

No dia de pegar o coche (carro) o pessoal da tal agência passou bem cedinho no hostel para irmos lá fechar o negócio. Papelada pra cá, seguros, opcionais e mais papeladas pra lá, decidimos e assinamos tudo bonitinho. A moça explicou todas as regras e nos deu um "mapa" da ilha.

Dentre todas as recomendações, de uma pessoa que não estava com muita paciência para informá-las para umas pessoas que estavam tão ansiosas em sair motorizadas pela ilha, uma delas era a mais importante. Importante porque a mulher do aluguel a repetiu tipo umas 5 vezes em menos de três minutos. 

A tal informação era que para a retirada do carro era necessário deixar € 150 como caução. Na devolução do carro, seria preciso entregar a cópia do contrato para que os cento-e-cinquenta-euros-e-não-reais fossem devolvidos. Ela frisou bem a parte do "Deve ser apresentada a cópia do contrato", "Não percam!", "Guardem bem a cópia do contrato", "Se não tiver a cópia do contrato teremos problemas"...

Eu peguei a tal cópia-do-contrato, dobrei com o maior carinho possível e...e essa foi a última vez que me lembro dela. Pegamos o carro, rodamos para todos os lados possíveis e no outro dia na hora de devolvê-lo o clima "esquentou".

O dia começou frenético pois tínhamos que achar o endereço da locadora, devolver o carro, ir até a rodoviária, pegar um ônibus para o porto de Ibiza e pegar o útlimo ferry que saia para Formentera (às 11:00). 

Tínhamos ido dormir bem tarde por conta da balada, e quando o despertador tocou pela primeira vez, pelo que me lembro já estávamos escovando os dentes. Tomamos o café da manhã no modo express e eu pensei em pegar o contrato do carro para facilitar as coisas na devolução. Procurei na minha mochila e não achei. A Núbia procurou na bolsa dela e nada. Entramos no carro, fizemos uma varredura e não achamos. Eu voltei no quarto no modo The Flash, revirei tudo e também não estava lá. O caso era que: "Núbia, we have a situation...". 

Chegamos na locadora explicamos o caso, eu disse que tinham roubado minha bolsa (acho que o último caso de roubo de bolsa lá foi em 1.200 a.c) e que o papel não existia mais (achei que dizer que o papel tinha se desintegrado no Cosmos meio que não ia colar). Era uma outra atendente e ela nos respondeu com o que mais temíamos: que o papel era necessário. 

O problema era que o tempo estava passando e ainda teríamos que andar meio mundo para pegar o ferry lá no porto de Ibiza. E pelo que todos nós sabemos, 150 euros é MUITO dinheiro. Falamos, falamos, falamos...pedimos para ela procurar o contrato original, blá blá blá...e finalmente a criatura resolveu nos devolver a grana. Ufa!

O que nos restou foi sair correndo no estilo Forrest Gump pelas ruas de Sant Antoni até a rodoviária (não passa ônibus por suas ruelas) e, ainda, correr feito loucas até o porto de Ibiza na esperança de pegar nosso passaporte para perfeita ilha de Formentera. Detalhe: conseguimos! (mas essa é uma outra história...).

Bem que o apelido já diz tudo: Ibiza, a "ilha da magia". Realmente é o lugar onde as mágicas vivem acontecendo. E o contrato? Sei lá do contrato...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zoo Luján de Buenos Aires: a pior coisa para se fazer na vida

Balada em Punta del Este, no Uruguai

Balada em Cartagena de Índias, na Colômbia