Oportunidades na vida

"Do not let the moment passes you by"


Acho que já deu para perceber que de uns tempos para cá eu entrei numa pegada diferente na vida. Comecei a assistir Breaking Bad e usar metanfetaminas pensar (ou reparar mais) no quanto a vida está passando rápido, e nessa mesma velocidade no quanto vem crescendo a nossa expectativa em aproveitá-la ao máximo (pelo o menos é como tem funcionado comigo).

Também já escrevi aqui no blog sobre as oportunidades que surgem em nossas vidas e que não podemos deixar passar (lá em 2011), principalmente em relação à viagens. E eis que bem "relampagamente" surgiu uma mega viagem na minha vida. E assim como surgiu a minha primeira vez na Europa e em Paris, o mundo de repente sentou-se no meu colo. Estou embarcando com minha família para a Europa daqui a menos de um mês. 

Sim, eu, a rainha do planejamento, do excel e suas planilhas estou indo com minha mãe, duas tias e um primo ficar quase um mês no velho continente. E não para por aí, completamente diferentemente do curso normal da minha vida, ela vai ter um custo bem elevado em relação principalmente à hospedagem e ao dinheiro de gastar. O euro está numa fase muito estimada (há quem diga que vai cair por conta da Copa no Brasil) e maio é considerado alta temporada pelo clima maravilhoso da Europa que está fazendo a passagem do gelo para o fogo. 

Mas depois de pensar "muito pouco", resolvi embarcar nessa porque essa viagem tem um significado todo e completamente especial para minha tia que sonha desde que era possível sonhar em conhecer a Europa (nas contas dela já são 65 anos de espera), e finalmente isso vai se concretizar. Resolvi ir...resolvi ir e fazer parte disso. 

Meu primo, filho dela, é PhD em viagem e quando eu comecei a arrumar minhas malas ele já se aventurava de mochileiro por esse mundo, já esteve na Europa várias vezes, de trocentas formas possíveis e já esteve em todos os locais que iremos dessa vez. Minha mãe já fez o pacote CVC de um mês na Europa (aquele desumano), minha outra tia (a pioneira) já fez uma excursão nos longínquos anos 90 também por várias partes da Europa naquela época em que tinha cinzeiro na poltrona do avião (?). E eu já estive três vezes por aquelas bandas. Montamos uma bela equipe para fazer parte dessa realização de sonhos da minha tia, e confesso que isso está me empolgando mais do que conhecer pela primeira vez a Inglaterra e a Itália. 

Parafraseando Amyr Klink, eu digo que tem que ir lá ver, e quando a oportunidade chegar (mesmo sem estar tão preparado para ela) faça um esforço e vá. Dinheiro vai e vem, já os momentos, não. 

Quando chegar, eu conto como foi. 


Comentários

  1. "Vá lá ver" e anote tudo pra mim... rsrsrs
    Concordo com cada palavra e tenho certeza que será inesquecível...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Zoo Luján de Buenos Aires: a pior coisa para se fazer na vida

Balada em Punta del Este, no Uruguai

Balada em Cartagena de Índias, na Colômbia