Alugando carro em Ibiza


Nosso Nissan Micra

Alugar carro em Ibiza é necessário? Resposta: depende. Depende primeiramente do seu tempo na cidade e depois da disposição para aproveitar as praias e natureza além do circuito balada. Eu particularmente acho obrigatório fazer essa conciliação, é muita bizarrice estar em Ibiza e não conhecer nada além dos banheiros das boates ou das áreas de fumantes. Eu e a Núbia somos a prova viva de que é possível aliar o turismo cultural, com o turismo selvagem¹ e o bagaceira's tourism². Afinal de contas somos brasileiros, e Ibiza não é a nossa "Caldas Novas". Resumindo, uma vez lá, não durma um minuto sequer.

A ilha não é tão grande e o acesso às melhores praias e vistas só pode ser feito de maneira particular. Em muitos sites e blogs indicam o aluguel de motos (scooters), o aluguel de qualquer veículo se dá apenas com apresentação da carteira de motorista do Brasil. É super fácil e tranquilo. Eu, particularmente, excluo com o poder da palavra essa decisão da sua vida. Alugue um carro econômico e faça uma delícia de viagem pela ilha, com uma sacola de tranqueiras compradas no mercado (invista em água também) e escutando música eletrônica um tanto quanto alta. Não se enfie numa moto em pleno verão espanhol de 167°, não faça isso com você mesmo. O valor do carro cabe no bolso (a diária saiu por cerca de  60) e a aventura por si só já compensa o programa. 

Como eu disse, é super fácil alugar o seu coche (carro). Peça que o recepcionista do hotel veja uma empresa e procure pelo melhor valor da diária do carro básico. A empresa te busca no hotel para fechar o contrato e pegar o coche. Pegamos às 9h da manhã, e só devolvemos no mesmo horário do dia seguinte. Você pega o carro sem gasolina e deve entregar da mesma forma (espertinhos!). 

Se você, como eu, tem em casa um GPS com o mapa da Europa atualizado, não cometa o pecado de não levá-lo para a viagem porque "Esqueci completamente do Felipe". Explicando, Felipe é o nome do meu GPS Tom Tom. Então, não seja, como eu, "tom-tom-na" e deixe-o na gaveta do armário. Pelo o menos o nosso carro não veio com GPS (a mulher ironizou quando eu inocentemente perguntei pelo mesmo) e o mapa de papel da ilha que ela nos deu, em termos de precisão, podia ser comparado ao mapa do país inteiro no Google maps.  

Bom, depois que o momento "F*** me I'm lost" passou, deu tudo certo. Existem basicamente três rodovias importantes: a principal, as secundárias e as estradinhas de terra. No mapa, elas pelo o menos estão em cores distintas. Dentre outras precisões, sua boca vai ajudar a perguntar o caminho, fora as placas de sinalização que vão ajudar bastante.

Fizemos a costa oeste, sentido Sant Antoni-Eivissa-Sant Antoni, em um dia inteiro passando por dez praias diferentes que escolhemos por dicas de pessoas locais e pesquisas na internet. Colocamos 15 euros de gasolina, que deu certinho. O medo de ficar sem gasolina nos confins da natureza nos assombrou, mas nossa gasolina deu para tudo, inclusive nos levar para a balada anoite. Entregamos o carro como eles queriam, com o tanque vazio.

No aluguel, é necessário deixar um depósito caução de € 150 que é devolvido na entrega do carro mediante a apresentação do recibo do contrato. A moça frisou bem na hora de me entregar o papel "Ele vai ser imprescindível para a devolução do dinheiro". Essa foi a última vez que eu lembrei do tal papel...pois é, como várias outras coisas minhas, ele simplesmente se desintegrou no espaço. Na devolução do carro, depois de muita conversa (muita mesma) ela me devolveu o dinheiro meio completamente contrariada. Dica de Ouro: Pegue o raio do papel e dê para a pessoa mais responsável da equipe (no nosso caso teríamos que escaniar o recibo para a minha prima Clarissa aqui no Brasil). Entenda mais sobre esse perrengue aqui.

Nota de Rodapé
1. Turismo Selvagem: um segmento, criado pela minha cabeça, de turismo destinado à natureza que inclui no seu universo  o sol e as praias. 
2. Bagaceira's Tourism: Outro segmento de turismo, criado por mim, que gira em torno da vida noturna de baladas, bares, botecos, burburinhos, isbórnias e afins. 
3. Tudo foi devidamente supervisionado, via Whatsapp, pelo turismólogo, Bruno Giovanni.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zoo Luján de Buenos Aires: a pior coisa para se fazer na vida

Balada em Punta del Este, no Uruguai

Balada em Cartagena de Índias, na Colômbia