Lima



Eu acho que as pessoas cometem uma maldade imensa quando planejam uma viagem ao Peru e usam Lima só como ponto de conexão de voo (como em Cusco não tem aeroporto internacional, muitos precisam passar pela capital). E a maldade começa quando a gente sabe que o Peru foi rankeado em primeiro lugar como melhor destino turístico de gastronomia no mundo. 

Sem querer ser a defensora dos oprimidos (mas já sendo), vale a pena gastar uns dois ou três dias em Lima para ir entrando no esquema. Não precisa ficar muito mas tem um monte de coisa legal que dá para aproveitar.

Nos hospedamos na famosa rede Che Lagarto Hostels e pagamos muito barato nas diárias. Pegamos no aeroporto um transfer até Miraflores um dos melhores bairros para hospedagem (outro muito bom é o Barranco), ambos estão na encosta, virados para as águas do Pacífico. O trânsito é meio sem lei mas funciona. 

Assim que chegamos no hotel pegamos a Av. Larco em direção ao mar. Lá na ponta da avenida estava o Larcomar, um shopping a céu aberto delicinha que tem várias lojas super famosas e restaurantes mais gostosos ainda. Aproveitamos para tirar fotos, fazer um pouco do câmbio a R$ 1,11 (o melhor câmbio se faz em Cusco a R$ 1,03) e almoçar no buffet do restaurante Mangos. O legal do buffet é que se come à vontade todo tipo de comida e assim é possível experimentar as comidas típicas e saber o que agrada ou não. Custou 65 soles sem as bebidas. Tome várias cervejas Cusqueña e os Piscos de vários sabores. 

Seguimos caminhando pela costa em direção ao Parque del Amor, onde tem uma escultura de um casalzinho se beijando e uns banquinhos no estilo do Parque Güel em Barcelona. Seguimos em frente e chegamos no parque em que estão os famosos Parapentes. Inclusive o visual disso tudo é muito bacana já que o céu fica repleto de parapentes e vários pássaros bonitinhos. Não tínhamos planejado o pulo mas foi meio que inevitável, e perder essa oportunidade não era uma opção. Pulamos sem pensar direito e não nos arrependemos de forma alguma (custou por volta dos 220 soles). Em Lima é bem legal fazer o pulo pois não é necessário subir em nenhuma montanha ou ponto alto para isso. A costa da praia limeira é bem alta, no estilo precipício, e favorece os pulos de parques simples assim como esse que foi eleito para tal fim. Isso é bom porque acaba nos convencendo despretensiosamente a pular...dá super certo essa estratégia de marketing.

Estávamos querendo ir no mercado de artesanias em Miraflores mas fomos convencidos por um guarda do museu de que não era o melhor negócio em termos de preço já que estávamos indo para Cusco. Também carregar durante toda viagem objetos quebráveis não era a melhor ideia do mundo.

Conhecemos o Parque Central de Miraflores que ficava pertinho do hostel e depois pegamos um taxi até a Plaza de Armas no centro histórico (não tem taxímetro, os preços são negociáveis - e não são caros, vale super a pena). Estava acontecendo a cerimônia da troca da guarda do Palácio do Governo e por ali também estava a Catedral de Lima. A algumas quadras estava o Museu da Inquisição de Lima que faz visitas guiadas e de graça. Achei interessante, rápido e um pouco eufêmico mas valeu a ida. Depois voltamos para Praça de Armas e pegamos a Passage de Santa Rosa, uma ruazinha ligada à praça e que é repleta de restaurantes bons para almoçar.

Dali pegamos uma táxi até o Museu de Antropologia, Arqueologia e História do Peru que fica no bairro de Pueblo Libre. Esse é bem bacana porque mostra das civilizações antigas até as características naturais e climáticas do país. Anoite fomos para o Barranco, mais especificamente, conhecer a Ponte dos Suspiros. Toda essa região é sensacional pela boemia. Ela está lotada de restaurantes, bares e boates. A comida estava deliciosa no restaurante Javier. Nossa intenção era conhecer a balada Ayshuasc (8 ambientes) que infelizmente não abriu domingo.

Não deixe de ir anoite no Parque de la Reserva onde acontece o Circuito Magico del Agua. Um show padrão Disney de fontes, músicas e projeções. Aliás, nesse parque os atrativos são as fontes, são todas bem diferentes umas das outras e cada uma delas provoca algum tipo de interação com o público, tipo passar por baixo ou até se molhar no meio da sua performance. Ele é o maior conjunto de fontes num parque público do mundo. Bem legal.

A dica é levar a carteirinha de estudante e tentar desconto de entrada em todos os lugares que forem pagos. Às vezes a gente dá essa sorte. Sempre barganhe os preços porque em 100% das vezes ele caiu. Experimente o suspiro limenho (sobremesa), a Cusqueña (cerveja), a chicha morada (bebida de milho), o choclo cozido (milho), o café americano (diluído em água), o cevicche andino (com frutas), o ají de gallina, o lomo saltado e o pollo saltado. Não deixe de tomar os sucos de manga, abacaxi e o misto (com todas as frutas da época), a inka cola (refrigerante), a chifa (mistura de comida chinesa com peruana), os piscos com sabores variados (tipo a nossa caipirosca), o cuy (porquinho da índia assado - não comemos porque são bonitinhos demais para o nosso estômago), e algum sanduíche no fast food local Bembos.

Depois dessa brincadeira, fomos para estação rodoviária da Costa Sur para seguirmos viagem   até a cidade de Ica para chegarmos ao maravilhoso oásis de Huacachina.

Dicas de balada em lima aqui.


Lima - Peru          Viagem: 2015 (maio)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zoo Luján de Buenos Aires: a pior coisa para se fazer na vida

Balada em Punta del Este, no Uruguai

Balada em Cartagena de Índias, na Colômbia