A primeira vez na Amazônia


A cada dia que passa eu, além de ficar mais paranoica em filosofar sobre a vida e o(s) sentido(s) dela, tenho mais segurança em afirmar que só tenho a agradecer pela vida que tenho, pelas pessoas que me rodeiam, família e blá blá blá...mas um item tenso presente na vida de todos é o tal do trabalho que dá trabalho mesmo, e o meu, como todos os outros, tem os seus prós e contras, e os prós tem sido cada vez mais prós de categoria. 

Nessa última semana tive a chance de viajar pelo trabalho (trabalho com educação indígena), isso seria normal se não fosse para o Amazonas (pela primeira vez) e para uma agenda muito especial. Cheguei em Manaus e de lá segui num jatinho Cessna 650 Citation III (fiz questão de anotar o modelo), também pela primeira vez, para o longínquo município de São Gabriel da Cachoeira, ali na cabeça do cachorro (a região do Amazonas nos limites da fronteira com a Colômbia e a Venezuela forma no mapa o formato de uma cabeça de cachorro, e assim ficou apelidada). 

O Amazonas é um universo paralelo quando você descobre que a distância entre São Gabriel da Cachoeira até a capital Manaus é de três dias de barco (sim, três dias), e se a distância for feita de avião dura entre 1h30 e 2h de voo, ao custo aproximado de R$ 2.000 o trecho (sim, o trecho). 

No meio desse caminho, eu preciso dizer que é de tirar completamente o fôlego a experiência de sobrevoar a Floresta Amazônica, é muito louco pensar nos extremos de chegar em São Paulo e ver aquela imensidão de luz, prédios, cidade, da "selva de pedra"...e por outro lado, voar sobre a "selva de plantas" e ver aquele tapete de árvores infinito. Como o jatinho voa mais baixo que os aviões comerciais, a cada momento as vistas ficavam mais imperdíveis. 

Pertinho de Manaus, dá para ver o encontro das águas do rio Negro e do Solimões. Muita gente vai bem pertinho do encontro nos passeios de barco que são feitos exatamente para isso. 

Encontro das águas

Passamos por cima das anavilhanas, que é o segundo maior arquipélago fluvial do mundo e está no rio Negro. É impressionante a beleza e, pelo que pesquisei, tem até uns hotéis bem chiques por lá para se hospedar. Ah, e sem GPS não tem como se aventurar. 

Anavilhanas no Rio Negro

Também conseguimos avistar o Pico da Neblina que é o ponto mais alto do Brasil  (2.994 metros de altitude) e considerado pela galera da vida-de-aventura um dos passeios mais selvagens do país pois é necessário encarar deslocamentos de carro, barco, a pé e o caramba. 

Pico da Neblina no Amazonas
Outra coisa linda de viver é a cadeia de montanhas já próxima a São Gabriel da Cachoeira que foi apelidada de "Bela Adormecida" pois lembra demais a personagem da Disney deitadinha, e eu como uma fiel Disney-girl nem preciso explicar o quanto que eu amei isso tudo, né? 

A "Bela Adormecida"

Foi uma viagem inesquecível e que deixou muitos sentimentos bons, apesar da gênia aqui perder o voo da volta para Brasília e ter que pegar o próximo voo que só saiu às 01:40 da madruga. O lado copo cheio do ocorrido é que pude conhecer várias partes de Manaus (que só conhecia o aeroporto pelas escalas para Miami) e me apaixonar de vez pelo estado, talvez, mais famoso do nosso Brasil. 


Comentários

  1. Ain
    Que lindo....
    Nem imaginava que existia tanta coisa linda nesse pedacinho do mundo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Zoo Luján de Buenos Aires: a pior coisa para se fazer na vida

Balada em Punta del Este, no Uruguai

Balada em Cartagena de Índias, na Colômbia