Indo de ônibus para o Uruguai

Ônibus da TTL

Nós resolvemos viajar para o Uruguai e de todas as formas pesquisadas (avião direto, com escalas, navio, teletransporte...), a melhor opção, saindo de Brasília, foi dividir o trajeto em duas partes: avião + ônibus. 

Compramos passagens aéreas de Brasília para Porto Alegre (RS) muito baratinhas para essa época do ano (dezembro/janeiro) - nessa época o Brasil e os altos preços se concentram lá nas capitais do nordeste -, que custaram exatamente R$ 442,12 ida e volta (com taxas). 

Chegando em Porto Alegre, fomos para a rodoviária para seguir a próxima parte da viagem de ônibus. A empresa que faz o trajeto é a TTL Trasporte Turismo e ela possui apenas um posto de vendas aqui em Brasília. Inclusive, fui diversas vezes até o posto fazer a compra das passagens mas o "sistema estava fora do ar". Meio inquieta, como praxe, eu liguei no 0800 e fiz a compra pelo telefone. Poucos minutos depois recebi o voucher no email e deu tudo certo, então corta o trabalho, e faça a compra por telefone direto. 

A dúvida que ficou foi na escolha do ônibus, leito ou semi leito? Era a questão. A diferença em dinheiro seria de mais ou menos R$ 100. Não é grande coisa, mas no contexto mochileiro já seria uma baladinha ou alguns almoços básicos, então insistimos na dúvida. Perguntei ao atendente e ele não soube muito bem diferenciar os ônibus. Pensamos no tempo de viagem, tanto na ida quanto na volta ficaríamos a noite toda na estrada, e pelo o menos na ida, isso tem um efeito relevante no desenvolvimento do primeiro dia no destino. Dormir mal seria prejudicar a própria viagem. 

Depois de matutar encima disso, resolvemos comprar o semi leito porque não haveria de ser tão ruim assim partindo do fato de que era uma viagem internacional e o mínimo do mínimo não seria um pau de arara. Pagamos na ida e na volta (com taxas) o valor de R$343,69.   

No fim das contas acho que foi a decisão mais acertada que fizemos em não pagar mais pelo ônibus leito, eu não vi diferenciação nenhuma. O ônibus convencional era ótimo, a cadeira deitava quase que totalmente e ainda teve serviço de bordo. A viagem foi super tranquila e rápida e nem ficamos "acabadas". 

Só é preciso ficar de olho na movimentação das rodoviárias, principalmente na de Punta que é meio bagunçadex para não perder o ônibus. Outra dica é levar a carteira de identidade, e não apenas a carteira de motorista (eles não aceitam), ou fazer como eu e entregar o passaporte para ganhar um carimbinho uruguaio. 

Já para viagens entre Montevidéu, Punta del Este, Colônia e demais cidades existem trocentas empresas que oferecem o serviço, basta ir até a rodoviária e decidir seu destino. Mesmo na alta temporada conseguimos comprar passagens de Montevidéu para Colônia e para Punta del Este, ambas com um dia de antecedência, com muita tranquilidade.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zoo Luján de Buenos Aires: a pior coisa para se fazer na vida

Balada em Punta del Este, no Uruguai

Balada em Cartagena de Índias, na Colômbia